A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 23 de Novembro de 2017

10/09/2014 09:24

Justiça proíbe transformação de área rural em loteamento

Caroline Maldonado
Liminar foi proposta pelo promotor de Justiça Luciano Furtado Loubet (Foto: Divulgação/MPE)Liminar foi proposta pelo promotor de Justiça Luciano Furtado Loubet (Foto: Divulgação/MPE)

Depois de uma denúncia recebida pelo MPE (Ministério Público Estadual) de que o município de Bonito, a 257 quilômetros de Campo Grande, estava transformando uma zona rural em área urbana, a justiça interviu e uma liminar proíbe a mudança. Com a determinação, ficou estipulada multa diária de R$ 1mil para os proprietários, caso haja obras e qualquer procedimento de desmembramento ou loteamento relativo ao imóvel.

De acordo com o MPE, a transformação da área era feita por meio de uma lei municipal, que alterou o perímetro urbano, tornando uma parte da propriedade em zona urbana específica de parcelamento do solo, na modalidade de loteamento para fins residenciais e comerciais. Ainda, conforme o órgão, no processo legislativo não há qualquer justificativa ou estudo que aponte a necessidade pública da ampliação do perímetro urbano ou que averigue impactos ambientais, urbanísticos ou financeiros da ampliação. A justificativa é “imprescindível, uma vez que a ampliação de área urbana implica em impactos na questão urbanística, ampliação da coleta de lixo, esgoto, água, iluminação pública, transporte e inúmeras outras questões”, explica o MPE.

Segundo as investigações não foi levado em consideração que a área é destinada a preservar o interesse paisagístico, sendo proibida a instalação de loteamentos, pois faz parte do segundo o "Plano Diretor". Segundo o MPE, parte do loteamento está em zona de interesse paisagístico e outra em uma macrozona rural de uso controlado.

Também não houve no processo legislativo, destaca o MPE, “justificativa ou foram tomadas providências previstas no art. 42-B5 do Estatuto da Cidade para ampliação do perímetro urbano e ao que se percebe, a ampliação foi feita única e exclusivamente para atender a interesses especulativos imobiliários e não ao interesse público, de modo que objetiva com esta ação, anular a ampliação do perímetro urbano de Bonito feita pela Lei Municipal nº 1.036, de 05.12.2013”.

A determinação é da juíza Paulinne Simões de Souza Arruda, em liminar concedida na Ação Civil Pública proposta pelo Promotor de Justiça Luciano Furtado Loubet contra os proprietários do imóvel e o município. Como a decisão é provisória, a prefeitura pode recorrer.

Homem atira contra trabalhadores em alojamento de obra de asfalto
Funcionários de uma empresa responsável pela construção do asfalto na estrada do distrito de Piraputanga, distante 121 quilômetros de Campo Grande, s...
Homem de 50 anos morre após passar mal durante partida de futebol
Edvaldo Franco de Arruda, de 50 anos, morreu na noite de ontem (22) após passar mal durante uma partida de futebol, no campo do Complexo Poliesportiv...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions