ACOMPANHE-NOS    
AGOSTO, TERÇA  03    CAMPO GRANDE 20º

Interior

"Lockdown funciona", diz servidor sobre corredor vazio em UPA

Dourados teve redução de 53% nos casos de covid; relação com lockdown ainda não pode ser confirmada

Por Guilherme Correia e Helio de Freitas, de Dourados | 13/06/2021 16:35

Casos de covid-19 tiveram redução de aproximadamente 53% em Dourados, município distante 233 quilômetros de Campo Grande, que decretou lockdown no final de maio para conter o avanço da doença. Para alguns servidores da saúde municipal, o reflexo das medidas restritivas já pode ser visto até nos corredores de algumas unidades de saúde.

Em vídeo encaminhado por meio do canal Direto das Ruas, uma profissional de saúde relata que antes do decreto "essa não era a realidade" de Dourados. Atualmente, ela descreve o movimento como tranquilo e diz que não há pacientes na espera nas filas. "Das 18h até o momento [22h] atendimento de poucas pessoas na unidade de covid", detalha.

Na UPA (Unidade de Pronto Atendimento) da cidade, um funcionário relata que há 10 dias os corredores da unidade "estavam entupidos de gente com síndrome respiratória grave". Por fim, ele defende que "o lockdown funciona" para que menos pessoas tenham se infectem e precisem de internação.

Decreto - Ainda que a correlação entre a redução dos casos em Dourados e o decreto de lockdown não possa ser feita no momento, já que é necessário analisar após período de pelo menos duas semanas, o município douradense apresentou redução de aproximadamente 53% nos novos casos de covid-19.

Na semana antes do início do lockdown, a média de casos positivos diários era de 209,57. Atualmente, cerca de duas semanas depois, esse índice já decresceu e agora são 99,43 casos diários.

Vale ressaltar que essas restrições se encerraram ontem (12) em Dourados, que atualmente seguirá apenas normas mais brandas recomendadas pelo governo estadual, com toque de recolher marcado para começar às 20h. Neste domingo, o comércio já funciona normalmente na cidade.

(matéria editada às 16h56 para correção de informações)

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário