ACOMPANHE-NOS    
JUNHO, SEGUNDA  27    CAMPO GRANDE 18º

Interior

Onze anos depois da morte de Marielly, Justiça marca júri de réus por aborto

Morte de Marielly Barbosa, em 2011, teve grande repercussão, após vir à tona caso com cunhado e gravidez

Por Silvia Frias | 25/05/2022 09:04
Marielly Barbosa Rodrigues morreu aos 19 anos, em 2011, depois de aborto malsucedido. (Foto: Arquivo)
Marielly Barbosa Rodrigues morreu aos 19 anos, em 2011, depois de aborto malsucedido. (Foto: Arquivo)

Onze anos depois da morte de Marielly Barbosa Rodrigues, a Justiça marcou o julgamento para setembro deste ano dos dois réus do processo. Hugleice da Silva, 38 anos, e Jodimar Ximenes Gomes, 51 anos, serão julgados por provocar aborto e ocultação de cadáver da jovem à época com 19 anos, em crime ocorrido em Sidrolândia e de grande repercussão no Estado.

No despacho da juíza Silvia Eliane Tedardi da Silva, da Vara Criminal de Sidrolândia, consta que foi designada audiência de julgamento para o dia 15 de setembro de 2022, às 9h, naquele município. A magistrada lembrou que não havia mais prazo para manifestação no processo desde o dia 21 de junho de 2020 e que a lei determina que sejam observados a ordem de processos mais antigos para julgamento.

Família fez campanhar para encontrar a jovem que havia sumido no dia 21 de maio. (Foto: Arquivo)
Família fez campanhar para encontrar a jovem que havia sumido no dia 21 de maio. (Foto: Arquivo)

O processo em questão tramita na Justiça desde 8 de agosto de 2011, quando o MPMS (Ministério Público de Mato Grosso do Sul) ofereceu denúncia contra Jodimar e Hugleice.

O caso, porém, já era de conhecimento público desde maio daquele ano, quando Marielly Rodrigues, à época com 19 anos, desapareceu. A família mobilizou buscas, fazendo cartazes com o rosto da jovem sorridente de aparelho nos dentes. O último vestígio conhecido dela naquele período foi uma passagem pelos corredores do Aeroporto Internacional de Campo Grande.

No dia 11 de junho de 2011, o corpo da jovem foi encontrado em estrada vicinal, a 4,2 km da rodovia MS-162, em Sidrolândia. Durante as investigações, a polícia começou a desconfiar do comportamento do cunhado da jovem, Hugleice da Silva, que aparentava nervosismo. Com a quebra de sigilo telefônico, a polícia encontrou ligações entre os dois e mapeou o caminho seguido por Marielly até chegar em Sidrolândia.

Restos mortais foram encontrados em um canavial. (Foto: Reprodução)
Restos mortais foram encontrados em um canavial. (Foto: Reprodução)

Em depoimento, ele confessou que mantinha relacionamento com a cunhada e que a jovem engravidou. Em acordo, foram até Sidrolândia para que ela fosse submetida a aborto. Hugleice contratou o enfermeiro Jodimar Ximene Gomes, segundo a denúncia, por R$ 500 para o procedimento.

No dia 21 de maio daquele ano, o procedimento foi feito na casa do Bairro São Bento, em Sidrolândia. Marielly passou mal, sofreu intensa hemorragia e morreu. Em trecho do depoimento prestado à polícia, Hugleice disse que recebeu a notícia da fatalidade, dada pelo enfermeiro. “A menina morreu, não há mais nada que possa ser feito, a gente tem que dar jeito no corpo dela.”

O corpo de Marielly foi colocado na caminhonete de Hugleice e levado para o canavial, onde foi encontrado cerca de 20 dias depois.

A prisão dos dois chegou a ser decretada, depois que a Polícia Civil entendeu que Hugleice exercia forte influência sobre a esposa e a sogra, sendo responsável pelas finanças e estaria atrapalhando as investigações. Quando liberado, se mudou para Mato Grosso com a família.

Jodimar (esq.) e Hugleice da Silva (dir.) serão julgados por aborto seguido de morte e ocultação de cadáver. (Foto: Arquivo)
Jodimar (esq.) e Hugleice da Silva (dir.) serão julgados por aborto seguido de morte e ocultação de cadáver. (Foto: Arquivo)

Em novembro de 2020 voltou a ser notícia, desta vez, condenado por tentativa de homicídio contra a esposa Mayara, irmã de Marielly. Nesse processo, aberto em Alto Taquari (MT), foi sentenciado a 12 anos e 3 meses de prisão em regime inicial fechado. Ele a esfaqueou depois de encontrar mensagens dela com outro homem.

O advogado José Barbosa Rodrigues, responsável pela defesa de Hugleice, disse ao Campo Grande News que, preliminarmente, não irá adotar tese absolutória, já que o cliente confessou os crimes. “A ideia é tirar a questão das qualificadoras, mas ainda irei analisar com calma.”

A reportagem não conseguiu contato com a defesa de Jodimar Ximenes. Este réu responde o processo em liberdade e, conforme andamento do processo, chegou a se mudar para Caracol, mas voltou para Sidrolândia.

Hugleice durante a prisão de 2018, em Alto Taquari, no Mato Grosso. (Foto: Alto Taquari em Pauta)
Hugleice durante a prisão de 2018, em Alto Taquari, no Mato Grosso. (Foto: Alto Taquari em Pauta)


Nos siga no Google Notícias

Veja Também