ACOMPANHE-NOS    
JULHO, SEGUNDA  06    CAMPO GRANDE 28º

Interior

Parado há 20 meses, Caso Marielly corre risco de prescrever

Em liberdade desde 2011, um dos envolvidos Hugleice da Silva esfaqueou no último domingo a irmã mais velha da moça - com quem era casado

Por Guilherme Henri | 21/11/2018 12:39
Hugleice (de listrado) quando deixou a prisão em 2011 (Foto: Arquivo/ Campo Grande News)
Hugleice (de listrado) quando deixou a prisão em 2011 (Foto: Arquivo/ Campo Grande News)

Parado desde fevereiro de 2017, o polêmico caso da morte de Marielly Rodrigues Barbosa, 19 anos, vítima de um aborto malsucedido, em 2011, corre risco de prescrever, ou seja, a perda do direito de punir. Em liberdade desde a época do caso, um dos envolvidos Hugleice da Silva, 35 anos, esfaqueou no último domingo a irmã mais velha da moça, com quem é casado.

O processo aguarda desde o ano passado um parecer da Justiça se vai ou não a júri popular. A promotora Danielle Borghetti Zampieiri de Oliveira o acompanha desde 2011 e afirma que existe um “risco médio” do caso prescrever. Para que isso não ocorra, ela até chegou a fazer um pedido informal para que o processo fosse analisado.

A promotora explica que a demora no caso se deu a diversos fatores. Um deles foi a troca de juízes na Vara Criminal de Sidrolândia – onde o caso tramita. “A juíza responsável se ausentou devido a problemas pessoas e de lá para cá uma série de juízes substitutos assumiram a Vara. Porém, como o caso está com os investigados soltos e também devido ao desconhecimento houve a demora”, esclarece.

Marielly Rodrigues Barbosa, 19 anos (Foto: Arquivo Pessoal)
Marielly Rodrigues Barbosa, 19 anos (Foto: Arquivo Pessoal)

Além disso, outros fatores contribuíram a lentidão, como por exemplo, o fato do processo constar dois investigados e cada um ter seu advogado.

“O Ministério Público cumpriu rigorosamente todos os prazos. Nosso trabalho nesta primeira fase está concluído: pedimos que os investigados fossem a júri popular. Mas, em razão da demora e como se trata de um caso tão complexo o sentimento é de insatisfação”, completa.

Falta de clamor – Embora o caso tenha chocado o Estado a época, Danielle conta que nunca recebeu a visita de familiares da vítima pedindo Justiça ou mesmo realizada alguma mobilização por parte deles em razão da demora.

O fato, segundo ela, gera estranheza e uma certa angustia no ponto de vista pessoal. “Não tive apoio de ninguém da família em relação a buscar Justiça no caso. Alias, nem uma camiseta sequer com a foto da menina vimos alguém usar e pedir por Justiça”, descreve.

Esperança – Mesmo com os percalços do tempo, a promotora espera o julgamento dos investigados. Inclusive, ela explica que se foram a júri, no momento, onde é pedida a atualização de antecedentes, no mínimo deve constar registro sobre o esfaqueamento da irmã de Marielly.

Jodimar Ximenes Gomes em 2011 (Foto: Arquivo/ Campo Grande News)
Jodimar Ximenes Gomes em 2011 (Foto: Arquivo/ Campo Grande News)

“Este novo caso deve ‘pressionar’ um pouco a justiça para que dê andamento no de Marielly”, destaca.

Defesa e Justiça – Em coletiva de imprensa, realizada na última segunda-feira, o advogado de Hugleice, José Roberto da Rosa, também disse que acredita na prescrição do caso. Porém, destacou houve certa estranheza ao tomar conhecimento que seu cliente continuava casado com a irmã de Marielly.

O defensor aguarda decisão da Justiça para saber se Hugleice vai ou não a júri popular já que fez as considerações finais no processo.

Sobre o novo caso, ao Campo Grande News o advogado disse que está viabilizando a apresentação do cliente a polícia de Rondonópolis (MT).

A reportagem tentou contato com o advogado do segundo envolvido no caso, o enfermeiro Jodimar Ximenes Gomes, mas não foi atendida.

Além disso, a reportagem também tentou contato com o juiz que responde pela Vara onde o caso está, mas foi informado que “o magistrado não pode falar do procedimento em andamento”.

Facadas – Hugleice e a irmã de Marielly moravam no Jardim Santa Maria, em Rondonópolis (MT). No domingo (18) o homem viu algo que não gostou no celular da vítima e em seguida a esfaqueou.

Hugleice esfaqueou a irmã de Marielly com quem era casado no último domingo (Foto: Arquivo/ Campo Grande News)
Hugleice esfaqueou a irmã de Marielly com quem era casado no último domingo (Foto: Arquivo/ Campo Grande News)

Além disso, o suspeito amarrou Mayara e ainda cortou o pescoço dela. Depois do crime, Hugleice fugiu com o carro do casal, um Palio prata.

Ela segue internada no Hospital Regional de Rondonópolis e segundo funcionários da unidade de saúde o estado de saúde é estável.

Marielly - Hugleice era casado com a irmã mais velha de Marielly, mesmo assim, inquérito da polícia apontou que os dois mantiveram um relacionamento amoroso. Ele nega ser o pai da criança que a jovem estava esperando, mas confessou tê-la levado á casa do enfermeiro Jodimar Ximenes Gomes para realizar um aborto.

A jovem saiu de casa, no Jardim Petrópolis, no dia 21 de maio - sábado – de 2011 dizendo que iria resolver um problema e não foi mais vista. A família dela, inclusive Hugleice, e amigos, espalharam cartazes pelo bairro, e-mails e foram à OAB/MS e Assembléia Legislativa.

O corpo da jovem foi encontrado no dia 11 de junho em um canavial em Sidrolândia, município distante 71 quilômetros de Campo Grande.

Na versão de Hugleice à Polícia, ele soube do enfermeiro Jodimar Ximenes Gomes, por um colega de trabalho, entrou em contato e combinou R$ 500 pelo pagamento para o aborto.

Irmã de Marielly (terceira da esquerda para a direita) em 2011 quando a moça ainda estava desaparecida (Foto: Arquivo)
Irmã de Marielly (terceira da esquerda para a direita) em 2011 quando a moça ainda estava desaparecida (Foto: Arquivo)

No dia combinado com Jodimar - 21 de maio-, Hugleice levou Marielly até a casa dele. Enquanto esperava na calçada, o enfermeiro o avisou que o aborto havia dado errado e que a jovem havia morrido. Os dois então colocaram o corpo na caminhonete de Hugleice e o esconderam em um canavial.

A polícia suspeitou de Hugleice porque quebra de sigilo telefônico constatou que ele foi a última pessoa com quem ela conversou. Além disso, a empregada de Jodimar o viu na residência onde ela trabalhava e, ainda, porque no local onde o cadáver estava havia embalagens de halls, ‘vício’ do rapaz, conforme informado pela dentista dele à polícia.

A família de Marielly mentiu à polícia sobre Hugleice. Todos disseram que o rapaz estava em casa no dia 21 de maio, no fim da tarde, quando a operadora de celular dele indicou que ele estava em Sidrolândia.

Hugleice da Silva e o enfermeiro Jodimar Ximenes Gomes foram indiciados por aborto e ocultação de cadáver. Os dois chegaram a ficar na cadeia, mas conseguiram na Justiça o direito de responder em liberdade.