ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JUNHO, SÁBADO  15    CAMPO GRANDE 22º

Interior

PMs que mataram ex-vereador pedem afastamento

Ex-vereador Dinho Vital foi morto a tiros por policiais e também foi atingido pelas costas

Por Dayene Paz e Viviane Oliveira | 16/05/2024 12:41
Movimentação da PM no local onde ocorreu a morte do ex-vereador. (Foto: Divulgação)
Movimentação da PM no local onde ocorreu a morte do ex-vereador. (Foto: Divulgação)

Os policiais militares, sargento Valdeci Alexandre da Silva Ricardo, e o cabo Bruno César Malheiros dos Santos, foram afastados das atividades, devido a licença médica. Eles são investigados pela morte do ex-vereador Wander Alves Meleiro, o Dinho Vital, de 40 anos, a tiros após confusão em uma festa, na cidade de Anastácio, a 122 km de Campo Grande.

Segundo o advogado que representa os militares, Lucas Rocha, os dois estão muito abalados com os fatos e passaram por psicóloga da instituição. A profissional entendeu ser melhor que os policiais fossem afastados para tratamento. "Todavia, seguem à disposição de todas as autoridades e cooperando com as investigações", disse a defesa.

O afastamento aconteceu na segunda-feira (13). A reportagem procurou a assessoria de imprensa da PMMS (Polícia Militar de Mato Grosso do Sul) para saber sobre o decorrer da investigação, que segue pela Corregedoria da corporação, mas não teve retorno.

A morte - Dinho foi morto na BR-262, no fim da tarde da última quarta-feira, 8 de maio, logo após brigar com o ex-prefeito de Anastácio, Douglas Melo Figueiredo (PSDB), durante festa de comemoração do aniversário da cidade, em uma chácara próxima à rodovia.

Segundo relataram testemunhas, o ex-vereador, aparentemente alcoolizado, discutiu com o ex-prefeito na festa dada em comemoração aos 59 anos do município. A briga começou depois que o atual prefeito, Nildo Alves (PSDB), anunciou que lançaria Douglas pré-candidato pelo partido, e foi separada por outros frequentadores.

O ex-vereador saiu, voltou armado e ficou às margens da rodovia com o carro Fiat Toro. Abordado, os policiais dizem que ele reagiu e houve troca de tiros, quando Dinho foi atingido. O Toro ficou com o pneu furado na rodovia e uma arma também foi encontrada próxima ao corpo.

Apesar do relato de troca de tiros dado pelos militares, a reportagem apurou que um dos disparos foi pelas costas de Dinho, que transfixou o peito. O outro na barriga, que pegou superficialmente na pele e saiu próximo ao umbigo.

A informação que circula na cidade é que o sargento e o cabo, que não estavam fardados, faziam parte da equipe de segurança particular contratada por Douglas Figueiredo. Eles negam.

Em nota, a assessoria da PM informou que os tiros foram disparados por dois policiais de folga, acionados por participantes da festa. A PM alega que os militares viram uma pessoa armada com pistola, que seria Dinho Vital, anunciaram que eram policiais e ordenaram que colocasse a arma no chão. "(...) mesmo assim o homem não acatou a ordem legal dos PMs e, com arma em punho, partiu em direção aos policiais".

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nossas redes sociais.

Nos siga no Google Notícias