ACOMPANHE-NOS    
AGOSTO, QUINTA  13    CAMPO GRANDE 31º

Interior

Polícia suspeita que criança morta em Caarapó tenha sido trocada por drogas

Por Ricardo Campos Jr. | 22/12/2010 08:50

Quatro adolescentes foram apreendidos por envolvimento no crime

Corpo foi encontrado pela mãe com sinais de abuso, mordidas e lesões na cabeça. (Foto: Dourados News)
Corpo foi encontrado pela mãe com sinais de abuso, mordidas e lesões na cabeça. (Foto: Dourados News)

A Polícia de Caarapó suspeita que a indígena Luzimara Almeida Martins, de 8 anos, encontrada morta na noite de ontem (21) tenha sido trocada por drogas pela tia de 17 anos e pelo primo de 15. Os três foram vistos saindo da aldeia Tey Kuê pela manhã em direção á fazenda onde o crime aconteceu.

De acordo com informações da Polícia, a tia contou que trocou a sobrinha para as colegas de cela na delegacia, que então contaram aos policiais. No entanto, a acusada negou o fato à Polícia.

Os parentes da vítima, segundo a Polícia, apontaram outros 2 adolescentes, um de 16 e outro sem idade confirmada, como sendo os assassinos. Eles foram apreendidos também na noite de ontem, mas negaram envolvimento no caso. A Polícia irá ouvi-los novamente na manhã desta quarta-feira.

De acordo com a Polícia, moradores da aldeia disseram que os garotos são conhecidos por comercializarem drogas, o que também deve ser apurado.

Crime - A mãe da vítima viu a filha sair da aldeia por volta das 8 horas da manhã. Ela, a tia e o primo foram até uma fazenda nas proximidades. Às 17 horas a tia retornou à aldeia e disse para a mãe da criança que a menina havia morrido afogada em uma lagoa que fica na propriedade rural.

Imediatamente a mulher foi até o local e encontrou o corpo da filha embaixo de uma árvore, acionando a Polícia em seguida.

De acordo com informações da Polícia, a criança tinha marcas de abuso sexual, mordidas e lesões na nuca provocada por pancadas, possivelmente de uma barra de ferro encontrada no local.

O corpo foi levado ao IML (Instituto Médico Legal) de Dourados para exame necroscópico.