A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 22 de Outubro de 2017

15/10/2014 10:03

Professores ameaçam fazer nova greve, alegando fracasso em negociações

Helio de Freitas, de Dourados
Professores da Rede Municipal de Dourados que fizeram greve em julho começaram nesta semana a repor aulas (Foto: Eliel Oliveira)Professores da Rede Municipal de Dourados que fizeram greve em julho começaram nesta semana a repor aulas (Foto: Eliel Oliveira)

Três meses depois de ficarem 12 dias em greve, os professores da Rede Municipal de Ensino de Dourados, a 233 km de Campo Grande, podem retomar a paralisação nos próximos dias. Alegando falta de avanço na negociação com a prefeitura, o Simted (Sindicato Municipal dos Trabalhadores em Educação) marcou assembleia para a próxima semana e uma nova greve não está descartada. A secretária de Educação Marinisa Mizoguchi afirma que as negociações continuam e diz que a paralisação só penalizaria ainda mais os alunos e os próprios professores.

Gleice Jane Barbosa, vice-presidente da atual diretoria a candidata a presidente da entidade na eleição marcada para novembro, afirmou ao Campo Grande News que até agora a prefeitura encaminhou apenas uma “carta de intenções”, sem se comprometer a implantar o piso nacional para 20 horas semanais de trabalho e sem garantir também a inclusão dos servidores administrativos da educação no PCCR (Plano de Cargos, Carreira e Remuneração) da categoria.

“Oficialmente ainda estamos em greve, porque a paralisação de julho foi apenas suspensa e pode ser retomada a qualquer momento. Esse pode ser o caminho, já que nenhuma proposta concreta foi oficializada até agora”, afirmou Gleice Jane.

Segundo ela, em relação ao piso nacional para 20 horas a proposta é que a prefeitura encaminhe um projeto para a Câmara de Vereadores criando uma lei para atender a reivindicação de forma escalonada, até chegar ao valor total nos próximos cinco anos. “Não queremos o piso de uma vez só. O que os professores pedem é um compromisso de começar a implantar e fazer isso escalonadamente até chegar ao valor total em 2019”.

Movimento eleitoreiro - A secretária de Educação Marinisa Mizoguchi critica a retomada da discussão sobre greve. “É preocupante falar em greve agora, num momento em que existem duas eleições em andamento, uma para o governo do Estado e outra para a presidência do sindicato. Nossas negociações com a categoria continuam e nunca acabaram. O sindicato criou uma comissão de quatro pessoas e a prefeitura mantém reuniões seguidas com esse grupo”.

Ela afirmou que devido à greve realizada em julho, os professores grevistas começaram segunda-feira a repor as aulas perdidas e vão ficar sem a folga da “semana do saco cheio”. Para Marinisa, o maior prejudicado acaba sendo o aluno, que corre o risco até de perder as férias devido à reposição das aulas.

Ainda segundo a secretária, a prefeitura não poderia incluir os administrativos no PCCR da educação sem a anuência de todos esses profissionais. “São cerca de mil servidores administrativos. Não podemos tomar uma decisão tão importante levando em consideração apenas a vontade de uma minoria”.

Em relação ao piso nacional para 20 horas, a secretária afirma que a reivindicação significa dobrar o salário dos professores e a prefeitura não pode fazer esse compromisso sem ter de onde tirar os recursos. “Só a folha da educação chega a R$ 11 milhões. Dourados recebe R$ 7 milhões do Fundeb [Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação] e a prefeitura investe R$ 4 milhões de recursos próprios para pagar a folha todos os meses”, explicou.

Segundo a secretária, a proposta é vincular o pagamento do piso para 20 horas aos recursos que a cidade vai receber dos royalties do pré-sal. “Ainda não recebemos nada dos royalties, mas nossa proposta é pagar o piso que os professores querem com esses recursos. Uma lei aprovada no ano passado por iniciativa do prefeito Murilo Zauith garante 100% desses recursos do pré-sal para a educação. Uma lei do piso de 20 horas agora, sem recursos garantidos, comprometeria ainda mais as finanças da prefeitura”.

Por causa da greve alunos terão aulas até 30 de dezembro
O ano letivo dos mais de 27 mil alunos da rede municipal de ensino de Dourados, a 233 quilômetros de Campo Grande, será ampliado até o dia 30 de deze...
Vítima é achada morta com 11 ferimentos de arma de fogo no Centro
Homem de 33 anos foi assassinado com vários tiros, por volta das 23h30 de ontem (22), na Rua Vereador Rogério Francisco Santana, no Centro de Bandeir...
Continuam abertas as inscrições para mestrado em Agronegócios da UFGD
A UFGD (Universidade Federal da Grande Dourados) segue com inscrições abertas para o processo seletivo do mestrado em Agronegócios, para candidatos i...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions