ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
ABRIL, DOMINGO  21    CAMPO GRANDE 23º

Interior

Reinaldo diz que vai concluir obras em rodovias, mas não confirma hospital

Helio de Freitas, de Dourados | 22/01/2015 09:19
Reinaldo voltou a afirmar ontem que antecessor empenhou dinheiro para obra de hospital, mas depois cancelou a liberação (Foto: Eliel Oliveira)
Reinaldo voltou a afirmar ontem que antecessor empenhou dinheiro para obra de hospital, mas depois cancelou a liberação (Foto: Eliel Oliveira)

O governador Reinaldo Azambuja (PSDB) disse ontem em Dourados, a 233 km de Campo Grande, que vai concluir a duplicação da Avenida Guaicurus, no trecho de 12 km entre a cidade e os campi da Uems (Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul) e UFGD (Universidade Federal da Grande Dourados).

Outra obra do Estado em Dourados que Reinaldo prometeu concluir é o recapeamento da rodovia MS-162, no trecho entre a Placa do Abadio e o “Copo Sujo”, também no município de Dourados.

“Mesmo na dificuldade nós temos um compromisso aqui em Dourados com essas obras mais importantes. A duplicação da Guaicurus foi orçada inicialmente em R$ 26 milhões e foi aditivada para R$ 38 milhões. Não ficou nenhum centavo de recurso na conta, mas nós vamos concluir pela importância que tem. O recapeamento da Placa do Abadio ao Copo Sujo é outra obra que foi iniciada, dada a ordem de serviço, mas não tem nenhum centavo na conta. Nós vamos concluir. Largar obra pelo caminho inacabada é prejuízo para o Estado”, afirmou Reinaldo.

Hospital – Já em relação à construção do Hospital Regional de Dourados, iniciada no final do governo anterior, o atual mandatário deixou claro que a obra será paralisada e não tem previsão de quando vai ser retomada. O hospital está sendo construído em uma área na saída para Ponta Porã, na margem da BR-463.

“[A construção do] é importante? Nós sabemos que é. Eu mesmo pedi ao governador que não lançasse aquela obra, porque sabíamos que não tinha os recursos disponíveis. Foi empenhada a obra dia 13 de novembro – R$ 19,9 milhões – foi dada a ordem de serviço, foi feita a medição de R$ 544 mil e no dia 31 de dezembro ele anulou o empenho e não tem nenhum centavo na conta para construção da primeira fase do hospital”.

O governador afirmou que a prioridade neste momento será reabrir um dos dois hospitais particulares que estão fechados na cidade, para atender a população de Dourados e da região. “O prefeito Murilo [Zauith] ficou de ver qual dos dois hospitais tem a melhor condição para atendimento imediato. Vamos construir nesse local um centro para fazer todas as cirurgias eletivas que precisam ser feitas. A demanda é muito grande em Dourados e toda a região e esse hospital vai ser aberto nos próximos meses”.

Perguntado se a ideia é reabrir os dois hospitais, Reinaldo afirmou que por enquanto apenas um deles será reativado. O Campo Grande News mostrou no dia 7 deste mês que existem dois hospitais fechados em Dourados – o antigo São Luiz e o Santa Rosa, este segundo pertencente à família Uemura e que esteve envolvido no escândalo da Operação Owari, em 2009.

“Esse é nosso desafio, colocar atendimento. Obra é importante, mas não é o prioritário. A prioridade agora é organizar os mutirões de saúde para fazer os atendimentos que a população espera”, declarou Reinaldo Azambuja.

Projeto pronto – O secretário de Saúde de Dourados, Sebastião Nogueira, disse ao Campo Grande News no início deste mês que a prefeitura não participa nem tem conhecimento sobre eventual projeto do governo do Estado para reabrir o Santa Rosa.

“Nossa intenção é alugar o prédio onde funcionou o Hospital São Luiz e depois uma clínica, que também fechou, e instalar no local um centro de cirurgias eletivas e exames. Já passamos essa posição ao governador. Em Dourados existem dois prédios de hospitais fechados, mas o do antigo Santa Rosa não está em nossos planos. Se estiver nos planos do governo eu não sei”, afirmou Sebastião Nogueira.

O prédio do antigo São Luiz, localizado na Avenida Weimar Gonçalves Torres com Avenida Coronel Ponciano, pertence aos herdeiros de um empresário da cidade e atualmente está alugado para a clínica Neoclin, que fechou e vai devolver o imóvel. O deputado estadual George Takimoto (PDT) era sócio junto com outros médicos do Hospital São Luiz, fechado há vários anos.

Nos siga no Google Notícias