ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
ABRIL, SÁBADO  13    CAMPO GRANDE 30º

Interior

Réu nega participação na morte de policiais em 2º dia de julgamento

Caso ficou conhecido como “Chacina de Porto Cambira”; dois indígenas são julgados em São Paulo

Por Gustavo Bonotto e Helio de Freitas, de Dourados | 27/02/2024 23:20
O réu (à esquerda) ao lado do intérprete durante o julgamento em São Paulo. (Foto: Divulgação)
O réu (à esquerda) ao lado do intérprete durante o julgamento em São Paulo. (Foto: Divulgação)

Terminou há pouco o segundo dia de julgamento dos indígenas Valmir Júnior Savala, de 36 anos, e Sandra Arévalo Savala, 40 de idade, acusados pela morte dos policiais civis Ronilson Magalhães Bartie e Rodrigo Lorenzatto, além da tentativa de homicídio contra o também policial Emerson José Gadani.

Nesta terça-feira (27) foram ouvidas as testemunhas de defesa, entre elas o antropólogo Jorge Eremites Fernandes. O dia foi encerrado com o depoimento do réu. Ao lado do intérprete, Valmir negou participação nos crimes, contrariando depoimento dele na fase de inquérito, quando admitiu ter participado da sessão de espancamento dos policiais, e inclusive, confessou ter batido em um deles com pedaço de pau.

Sandra, no entanto, será interrogada pela manhã de quarta (28) e em seguida ao depoimento dela, começará o debate entre acusação e defesa.

Os crimes ficaram conhecidos como “Chacina de Porto Cambira” e ocorreram no dia 1º de abril de 2006, no município de Dourados. O júri popular ocorre no TRF (Tribunal Regional Federal) da 3ª Região, em São Paulo, e deve terminar apenas na sexta-feira (1º).

Valmir e Sandra responderam ao processo em liberdade e só agora, quase 18 anos depois, estão sendo julgados. No dia 7 de junho de 2019, Ezequiel Valensuela, Jair Aquino Fernandes, Lindomar Brites de Oliveira e Paulino Lopes foram condenados pelos crimes. A pena somada ultrapassou 100 anos de prisão. O cacique Carlito de Oliveira foi absolvido no mesmo júri.

Ezequiel teve a maior pena: 34 anos e 5 meses de prisão pelos crimes de duplo homicídio e tentativa de homicídio. Jair foi sentenciado a 26 anos e 8 meses pelos mesmos crimes. Lindomar foi condenado a 19 anos e 2 meses e Paulino a 20 anos e 3 meses, por duplo homicídio. Ambos foram absolvidos da acusação de tentativa de homicídio. Apesar das penas elevadas, todos puderam recorrer em liberdade.

Entenda o caso - Três policiais civis foram atacados pelos indígenas no Acampamento Passo Pirajú, perto do Porto Cambira, região sul do município de Dourados. A Polícia Civil alegou na época que os agentes estavam à procura de homem acusado de matar um pastor evangélico dias antes na cidade e que teria se escondido no acampamento indígena.

Já os indígenas afirmaram que os policiais foram ao local para ameaçá-los, já que estavam em uma área invadida, e alegam terem agindo e legítima defesa. As terras onde ocorreram as mortes seguem sob ocupação indígena.

Receba as principais notícias do Estado pelo celular. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News no WhatsApp e siga nossas redes sociais.

Nos siga no Google Notícias