A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 25 de Junho de 2017

04/12/2010 11:43

STF nega liberdade a chefe de quadrilha que caçava onças no Pantanal do MS

Angela Kempfer

O STF (Supremo Tribunal Federal) arquivou pedido de Habeas Corpus apresentado pelo homem acusado de chefiar quadrilha de caça de animais na região do Pantanal.

Eliseu Souza foi preso preventivamente sob acusação de porte ilegal de arma de fogo de uso permitido e formação de quadrilha e pedia, a revogação de sua prisão preventiva e a expedição de alvará de soltura.

A defesa ainda pedia anulação do decreto de prisão preventiva, alegando incompetência do Juízo da 1ª Vara Federal em Corumbá, porque o processo deveria ser deslocado, desde a prisão preventiva para a Justiça Federal de Sinop (MT), onde ele foi preso em flagrante, em julho deste ano.

Alega, também, ilegalidade da prisão preventiva, já que teria sido decretada em vista da pretensa prática de crimes apenados apenas com detenção, e não reclusão.

Ao decidir contra a liberdade, a ministra Cármen Lúcia alegou supressão de instância, pois a defesa impetrou o HC no STJ antes que idêntico pedido tivesse sido julgado no mérito pelo TRF-3. Além disso, quando a prisão temporária foi convertida em definitiva, no dia 24 de julho, o processo ainda se encontrava na fase de inquérito policial, uma vez que a denúncia somente foi oferecida em 10 de agosto de 2010.

Assim, segundo ela, na data daquela decisão ainda não havia sido fixada a competência para a ação penal, e somente se admite o questionamento da competência, conhecida como exceção da incompetência, quando o processo penal estiver em curso.

Ao rebater a alegação de prisão ilegal, a ministra observou que o crime de formação de quadrilha, do qual Eliseu é acusado, é punido, sim, com pena de reclusão, de um a três anos e, com pena dobrada, quando a quadrilha ou banco é armado.

O caso- Há 5 meses, a Polícia Federal prendeu caçadores e membros de quadrilha que ganhava dinheiro com abate clandestino de animais de grande porte, como onças pintadas, pardas e pretas.

O grupo exterminava os animais no Pantanal de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, e tinha ramificações no Paraná.

A quadrilha chegava ao Pantanal em aviões particulares, pousava em fazendas da região com turistas do Brasil e de fora, equipados com modernas armas de caça. A ação era comandada pelo homem considerado o maior caçador de onças do Brasil, com ajuda do filho.

O grupo promovia, inclusive safáris, onde os clientes pagavam por animal abatido. O alvo principal eram onças-pintadas, pardas e pretas, com alto valor no mercado negro.

Parte do grupo, como Eliseu, estava em Sinop (MT), no Pantanal, com armas e munições de diversos calibres. Eles se preparavam para uma grande caçada que estava agendada para a noite de terça-feira.

A Operação Jaguar, como foi batizada, ocorreu em conjunto com o IBAMA, depois de investigações que começaram por Corumbá.

As suspeitas surgiram com o aparecimento de carcaças de onças em algumas fazendas na região pantaneira e ainda o sumiço de felinos que estavam em monitoramento pelo IBAMA.

Homem é preso após agredir esposa em aldeia indígena
Homem de 25 anos foi preso após agredir a esposa de 20 anos com socos no rosto na noite de ontem (24), por volta das 21h, em uma aldeia indígena, loc...
Por ciúmes, homem agride e tenta enforcar parceiro
Homem de 40 anos é suspeito de agredir e tentar enforcar o parceiro de 21 anos por ciúmes. O caso aconteceu na madrugada deste domingo (25), por volt...
Mulher fica gravemente ferida após ser agredida e arrastada com laço de couro
Mulher de 32 anos ficou gravemente ferida após ser agredida com socos e chutes e ainda arrastada com um laço de couro pelo marido de 24 anos. O caso ...
Motociclista é encontrado ferido com tiro na cabeça em rodovia
  Um motociclista de 41 anos foi encontrado ferido com um tiro na cabeça na noite de sábado (24) na BR-419 em Nioaque, a 179 km de Campo Grande. Segu...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions