ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MAIO, QUARTA  22    CAMPO GRANDE 27º

Interior

Suspeito diz que esfaqueou e queimou advogado após levar tapa no rosto

Polícia descarta possibilidade de que crime tenha sido premeditado e diz que autor matou advogado sozinho

Luana Rodrigues | 18/02/2017 10:50
Juliander de Oliveira Alcântara, 24 anos, na chegada a delegacia, em Dourados. (Foto: Sidnei Bronka/ 94FM)
Juliander de Oliveira Alcântara, 24 anos, na chegada a delegacia, em Dourados. (Foto: Sidnei Bronka/ 94FM)

Um suposto tapa no rosto durante uma discussão teria motivado Juliander de Oliveira Alcântara, 24 anos, a matar e carbonizar o corpo do advogado Valmir Leite Junior, 33 anos. A versão é do próprio suspeito, preso nesta sexta-feira (17), pela Polícia Civil de Dourados – município distante cerca de 233 quilômetros de Campo Grande.

De acordo com as informações do delegado Mateus Zampieri, o advogado havia levado Juliander para se apresentar à Justiça em Ponta Porã, na quarta-feira (15). O rapaz cumpre pena no regime semiaberto, no entanto, por algum motivo burocrático, não pôde ser apresentado.

Os dois teriam retornado à Dourados no  mesmo dia e, no caminho, pararam para beber. Já embriagados, eles seguiram rumo a casa da mãe de Juliander, onde ele pegaria roupas e objetos e seguiria para outro destino, uma chácara. Antes de chegarem ao local, os dois discutiram e, segundo o suspeito, o advogado teria lhe agredido com um tapa no rosto e o xingado de moleque.

Irritado com a situação, quando chegou da casa da mãe, Alcântara pegou uma faca e voltou para o carro. No meio do caminho rumo a chácara onde ficaria, pediu que o advogado parasse o veículo para que pudesse urinar, aproveitou a situação e esfaqueou a vítima.

“Neste primeiro momento, nós descarta a participação de terceiros, porque houve muita coerência no depoimento do autor, apesar do crime brutal, também não há muitas dúvidas sobre a motivação fútil”, explicou o delegado.

Após constatar que Valmir estava morto, o suspeito teria pego o corpo do advogado e colocado no porta-malas. Com o veículo da vítima, ele disse que voltou para casa, tomou banho e trocou de roupas. Ele ainda teria passado num posto para comprar combustíveis e incendiar o carro do advogado com o corpo dentro.

O carro foi encontrado numa estrada vicinal que liga o Jardim Guaicurus e o Estrela Verá. A prisão de Alcantara foi realizada por policiais civis do SIG (Serviço de Informações Gerais) na tarde de ontem. Eles chegaram ao suspeito após ouvir familiares e amigos do advogado.

Conforme a polícia, Juliander já tem passagens por tentativa de homicídio e tráfico de drogas. Laudos referentes ao local do crime e ao corpo da vítima irão confirmar a versão do suspeita. A polícia espera o resultado dos exames para encerrar o inquérito.

Nos siga no Google Notícias