ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MAIO, SEXTA  17    CAMPO GRANDE 27º

Interior

Traficante da fronteira “A Viúva” é condenada a 14 anos de prisão

Justiça paraguaia também confiscou bens de Maria Estela Dávalos, entre eles mansão em Pedro Juan

Helio de Freitas, de Dourados | 23/09/2022 16:22
Mansão de Maria Estela, “A Viúva”, localizada no centro de Pedro Juan Caballero (Foto: Última Hora)
Mansão de Maria Estela, “A Viúva”, localizada no centro de Pedro Juan Caballero (Foto: Última Hora)

A paraguaia Maria Estela Argüello Dávalos, conhecida como “La Viuda” (a viúva), foi condenada nesta sexta-feira (23) a 14 anos de prisão por liderar organização de narcotráfico de cocaína desmantelada em 2016 na linha internacional do Paraguai com Mato Grosso do Sul. Outros oito integrantes da quadrilha foram sentenciados a penas que variam de 6 a 10 anos.

No encerramento do julgamento, iniciado em junho deste ano, o Tribunal de Sentença formado por três juízas também determinou hoje o confisco da mansão de Maria Estela. A Justiça paraguaia concluiu que o imóvel era usado como centro de operações da organização.

Avaliada em 1,5 milhão de dólares, a casa de 480 metros quadrados e conhecida como “A Mansão”, fica no centro de Pedro Juan Caballero, cidade separada por uma rua de Ponta Porã (MS), a 313 km de Campo Grande.

Éver Gustavo Romero Colmán, Julio César Romero Esteche e Hugo Javier Romero Colmán foram condenados a 10 anos de prisão. O ex-policial Delio Ramón Núñez Portillo, Nancy Elizabeth Silva Portillo e Milciades Cáceres Silva foram sentenciados a 6 anos por cumplicidade ao narcotráfico e associação criminosa.

A Justiça determinou ainda o confisco de cinco veículos de luxo apreendidos no âmbito da Operação Urano, que levou à quadrilha para a cadeia, em outubro de 2016. Com mandados em Pedro Juan, Yby Yaú e Bella Vista Norte, a operação também apreendeu 412 quilos de cocaína em uma fazenda onde Maria Estela foi presa, perto de Bela Vista (MS).

A operação que levou “La Viuda” e sua quadrilha para a cadeia há seis anos foi coordenada pelo promotor de Justiça Marcello Pecci, assassinado em 10 de maio deste ano durante sua lua de mel numa praia em Cartagena das Índias, na costa caribenha da Colômbia.

Nos siga no Google Notícias