A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 19 de Agosto de 2018

18/08/2011 15:49

UFGD aponta que erro levou MPF a desconfiar de mobilidade acadêmica dentro da universidade

Paula Maciulevicius

Em nota Universidade explica como deve ser feito o cálculo com base na legislação

Em nota a UFGD (Universidade Federal da Grande Dourados) aponta que desconhecimento e erro foi o que levou o MPF (Ministério Público Federal) a desconfiar da mobilidade acadêmica dentro da Universidade. A direção ainda alega que a forma de cálculo adotada pelo órgão para concluir o suposto excesso de vagas é equivocada.

A Universidade comunica que já havia esclarecido ao MPF, por meio de informações e documentos, que não ocorreu fraude no vestibular e que todas as vagas utilizadas na mobilidade eram vagas remanescentes/ociosas que, por força de lei podem e devem ser preenchidas por processos de transferência interna e externa.

No posição da UFGD, a partir de cálculos equivocados e contrários à legislação, o MPF passou a alegar que a Universidade têm excesso de alunos em seus cursos.

O cálculo, divulgado na nota, que multiplicou o número de vagas de vestibular em um curso pelos seus anos de duração, exemplo de 50 vagas X 6 anos de duração do curso de Medicina, para chegar ao número de 300 vagas e afirmar que qualquer aluno matriculado além deste número no curso seria excesso, é contrário à legislação e reflete desconhecimento do funcionamento elementar da educação superior brasileira.

A Universidade afirma que a forma de cálculo estabelecida pelo MEC, estabelece que na conta correta deve ser subtraído os alunos matriculados por transferência ex-ofício, os de matrícula compulsória, as matrículas de cortesia, como de convênios internacionais, as repetências e aqueles que trancaram a matrícula por determinado período.

Por fim, a UFGD manifesta que reconhece o papel do MPF na defesa dos interesses do cidadão, mas que refuta as acusações infundadas de fraude e falsidade e que protestará publica e veementemente sempre que tiver a imagem constrangida, e que a forma de cálculo equivocada, como a adotada pelo MPF para suspeitar da UFGD é "desastrosa e prejudicial para a sociedade a instituição".

Caso - O MPF encontrou irregularidades no processo de transferência interna de alunos na UFGD. Segundo o órgão, a universidade deixou de ofertar vagas no vestibular para dois cursos bastante procurados, Medicina e Direito, e reservou os lugares para acadêmicos matriculados em faculdades de concorrência menor.

MPF pede que UFGD forneça relação nominal de alunos matriculados
Universidade tem cinco dias para atender solicitaçãoEm nota oficial, o MPF (Ministério Público Federal) responde a publicação feita ontem, pela UFGD...
Mesmo sem vagas, 5 alunos foram transferidos para curso de Medicina da UFGD
A universidade disse que as vagas disponibilizadas estavam sobrandoDe acordo com o MPF (Ministério Público Federal) mesmo sem vagas, cinco alunos fo...
UFGD contesta MPF e nega fraude na transferência interna de estudantes
Há indícios, conforme o MPF, de que parentes de servidores de altos cargos da instituição foram privilegiadosA assessoria de imprensa da UFGD (Unive...
Mulher de 18 anos leva tiro no rosto durante briga com marido
Uma jovem de 18 anos foi encaminhada para o Hospital Regional de Ilha Solteira, em São Paulo, após levar um tiro no rosto do marido, de 22 anos, em S...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions