ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, QUARTA  28    CAMPO GRANDE 24º

Interior

Vídeo mostra invasão que teve confronto entre índios e seguranças

Tropa de Choque deixou área de confronto ontem à tarde; dois adultos foram presos e um adolescente apreendido

Helio de Freitas, de Dourados | 14/10/2019 09:53
Flecha e garrafa com combustível usada como bomba caseira, recolhidos em local de confronto (Foto: Direto das Ruas)
Flecha e garrafa com combustível usada como bomba caseira, recolhidos em local de confronto (Foto: Direto das Ruas)

Imagens gravadas por sitiantes mostram a tentativa de invasão que terminou em confronto entre índios, seguranças privados e policiais militares no sábado (12) em Dourados, a 233 km de Campo Grande. A área, localizada na região oeste do município, ao lado da Aldeia Bororó, é palco de confrontos há um ano. Um homem e uma mulher foram presos e um adolescente foi apreendido, acusados pelo ataque.

Os vídeos enviados ao Campo Grande News mostram dezenas de índios investindo contra um dos sítios e recebidos a tiros. Gritando, eles prometem invadir a terra e expulsar os proprietários, como mostram as imagens abaixo.

A tentativa de invasão terminou em confronto entre os índios e seguranças privados, contratados pelos sitiantes para evitar a ocupação das propriedades. São vários os sons de disparos.

O indígena Ezequiel Gonçalves Canteiro, 21, foi detido pelos seguranças e entregue à Polícia Militar. Com ferimento de tiro na perna, ele estava com uma espingarda falsa, feita com pedaço de madeira e cano de ferro. O ferimento foi descoberto só depois da prisão. Os seguranças afirmam que não dispararam tiros, mas todos foram qualificados pela PM e serão chamados para depor.

A prisão de Ezequiel causou ainda mais revolta. Armados com flechas, facões e bombas caseiras feitas com líquido inflamável em garrafas de vidro, os índios investiram contra os policiais e ameaçaram colocar fogo na viatura.

Cercados, os PMs tiveram que pedir apoio para a equipe que havia levado Ezequiel para a Delegacia da Polícia Civil. Rosileiva da Silva, 37, foi presa e o sobrinho dela, de 12 anos, apreendido, acusados de tentativa de homicídio, tentativa de incêndio e tortura.

A tensão aumentou e foi preciso acionar a Tropa de Choque da Polícia Militar, que ficou no local até o final da tarde de ontem (13). Nesta segunda-feira, equipes da PM continuam na área.

“A situação chegou ao extremo. Antes eram só ameaças, agora vieram para o conflito mesmo, para tomar nossa casa. Vivemos num país livre, não podemos aceitar isso”, afirmou hoje ao Campo Grande News o sitiante Giovanni Jolando Marques, dono da terra alvo da tentativa de invasão.

Giovanni voltou a apontar o capitão da Aldeia Bororó Gaudêncio Benites como o líder das tentativas de invasão. No mês passado, os sitiantes registraram denúncia contra Gaudêncio na Polícia Civil. O líder indígena negou ser o mentor das invasões e defendeu a conciliação entre os dois lados do confronto.

“O Gaudêncio dá apoio para esses ataques. Os dois principais líderes das invasões são o Sílvio e Mateus Benites, que estão armados e dando tiro para cima dos seguranças e das nossas casas. Tem nome e sobrenome. Se as autoridades tiverem interesse, é só prender e investigar”, cobrou o sitiante.

Em setembro, os índios acusaram os seguranças particulares de terem atirado em morador de 62 anos de idade, morador da Bororó. Gaudêncio Benites afirma que o homem não tinha ligação com os grupos que ameaçam invadir as propriedades. "Uma novilha dele tinha escapado e ele tava procurando quando levou o tiro. É um senhor trabalhador, que não tem nada a ver com esse conflito".

Veja abaixo o vídeo do momento em que os índios cercaram o sítio em Dourados:

Nos siga no Google Notícias