A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 22 de Setembro de 2018

22/05/2018 16:04

Juiz obriga plano de saúde a bancar fertilização in vitro de beneficiária

Usuária da Cassems foi à Justiça depois de a empresa se negar a arcar com tratamento, único meio de conseguir engravidar e para combater quadro grave de endometriose

Humberto Marques
Decisão da 5ª Vara Cível de Dourados prevê ainda indenização de R$ 5 mil. (Foto: TJMS/Divulgação)Decisão da 5ª Vara Cível de Dourados prevê ainda indenização de R$ 5 mil. (Foto: TJMS/Divulgação)

Para conseguir o direito à gravidez e buscar a cura de um quadro grave de endometriose, uma paciente recorreu à Justiça a fim de garantir que o plano de saúde ao qual é associada há oito anos custeasse o tratamento. E, ao menos em primeira instância, ela conseguiu o objetivo: decisão do juiz Jonas Hass Silva Júnior, da 5ª Vara Cível de Dourados –a 233 km de Campo Grande–, condenou a Cassems (Caixa de Assistência aos Servidores de Mato Grosso do Sul) a arcar com os custos de uma fertilização in vitro, bem como o pagamento de R$ 5 mil em danos morais.

A beneficiária é usuária do plano desde julho de 2010. Em maio de 2014 foi diagnosticada com quadro de endometriose profunda infiltrada –doença causada pelo crescimento inadequado do tecido que recobre a parte interna do útero e se desenvolve mensalmente para permitir uma gravidez.

Nesse mesmo ano, ela se submeteu a um primeiro tratamento, com a retirada de focos de endometriose dos ovários por videolaparoscopia, a fim de amenizar dores e facilitar a gravidez. Contudo, em 2015, descobriu-se que a doença se agravou, atingindo ovários, intestino grosso e uma das trompas de falópio. Ela precisou se submeter a cirurgia para remover parte do intestino, da trompa esquerda e novos focos da endometriose.

Requisição – A paciente, então, recorreu a uma especialista em reprodução assistida, que indicou um novo procedimento cirúrgico e o tratamento por meio de fertilização in vitro, solicitada em 2017 à Cassems, que recusou o pedido.

Com a negativa, a paciente pediu ao plano que arcasse com os custos do tratamento –incluindo as três tentativas de fertilização e o custeio da mensalidade do congelamento de embriões, além de indenização de R$ 30 mil por danos morais. A Cassems alegou que o tratamento indicado não consta no rol de procedimentos obrigatórios previstos pela ANS (Agência Nacional de Saúde).

Em decisão, o juiz reconheceu os comprovantes de que a paciente sofre de endometriose profunda infiltrada, dependendo assim de acompanhamento médico e tratamento específico por meio da fertilização in vitro.

“A ré deverá arcar com as despesas do tratamento indicado para a autora, qual seja, fertilização in vitro (FIV), abrangendo as transferências embrionárias, bem como a manutenção do congelamento de embriões, conforme indicação médica”, ressaltou Hass, que ficou em R$ 5 mil o valor dos danos morais ao considerar a condição socioeconômica das partes.

Além disso, o plano de saúde terá de pagar multa de R$ 1.836,72 pelo não comparecimento, sem justificativa, à audiência de conciliação. Por se tratar de decisão de primeira instância, ainda cabe recurso ao TJMS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul).



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions