A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

30/07/2011 12:33

Para OAB/MS, fim do Exame da Ordem seria desastroso à profissão

Vinícius Squinelo

Estado teve índice de aprovação de 11,4% no último processo seletivo

Para Duarte, STF manterá prova para bacharéis (foto: Arquivo/João Garrigó)Para Duarte, STF manterá prova para bacharéis (foto: Arquivo/João Garrigó)

O presidente da OAB/MS (Ordem dos Advogados do Brasil), Leonardo Duarte, afirmou que o fim do Exame da Ordem seria um desastre para a profissão. A legalidade da prova deve ser julgada em breve pelo STF (Supremo Tribunal Federal).

“Tenho tranquilidade que o STF vai manter a prova, até o Ministro da Justiça afirmou para mim que é a favor do Exame", comentou Duarte, lembrando conversa que teve com José Eduardo Cardozo, na última terça em Brasília.

Duarte comentou ainda que, sem o Exame da Ordem, a qualidade profissional dos advogados pode acabar caindo. “A prova garante o bom atendimento à população”, afirma o presidente da OAB/MS.

No último processo seletivo completo da Ordem, ano passado, a média de aprovação em Mato Grosso do Sul foi de 11,4%, descontando as universidades que não tiveram nenhum bacharel aprovado, quatro no Estado, todas no interior.

Duarte acredita que deve haver um controle maior da qualidade dos cursos de Direito no Brasil, para tentar aumentar a qualidade dos candidatos a advogado. “Somente nos seis primeiros meses deste ano, foram abertas 46 novas universidades de direito no país”, numera o representante da OAB em MS.

Ainda segundo Duarte, na primeira prova da Ordem de 2011, realizada último dia 17, foram identificadas quatro questões que podem ser anuladas, para que não haja prejuízo aos candidatos.

O questionamento sobre a legalidade do exame da OAB chegou ao STF por meio de uma ação impetrada pelo bacharel João Antonio Volante. A ação tem como relator o ministro Marco Aurélio Mello. Na semana passada, o parecer do Ministério Público Federal (MPF) sobre o assunto causou polêmica nos meio jurídicos: o subprocurador-geral da República Rodrigo Janot considerou o exame inconstitucional e argumentou que ele serve para fazer reserva de mercado.

OAB chama subprocurador que se manifestou contra Exame da Ordem de preconceituoso
A diretoria da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) publicou um comunicado hoje (23) que disse que o Exame da Ordem é constitucional e que o subprocur...
Subprocurador da República considera inconstitucional exame da OAB
O subprocurador-geral da República, Rodrigo Janot, enviou ao Supremo Tribunal Federal (STF) parecer em que considera inconstitucional o exame da Orde...


A OAB tem poder, poder que foi instituído pelo judiciário, quando colocaram a OAB como IMPAR.
Mas infelizmente o poder lhe SUBIU à cabeça, pensa que está acima até mesmo da CF/88.
- Excluindo o pobre ( excluindo o brasileiro, a taxa que cobram é fora da realidade do BRASIL tem base em econimia de países de 1º mundo) até mesmo para um advogado de menos de um ano de OAB com salário de 1.800,00 e tem 1 ou 2 filhos para criar não poderia abrir mão de quantia tão exorbitante para ARRISCAR (paga-se mas não garante a inscrição profissional) ter UMA INSRIÇÃO PROFISSIONAL. Imagina para um recém formado.
- Tirando o direito de pessoas que nem mesmo querem advogar, mas querem fazer concursos públicos onde tem requisito inscrição na OAB, ou seja, inscrição profissional, tira dessas pessoas o direito de concorrer em concurso público.
- Tirando o direito de pessoas qualificadas para trabalhar, tira o direito de trabalho digno e as joga à margem da profissão.
- Proporcionando chance para que pessoas totalmente desqualificadas entrem através de fraudes (porque quem usa a fraude para trabalhar com JUSTIÇA é totalmente desqualificado, não poderia mesmo defender direito de ninguém).
A OAB usou o poder que lhe foi atribuído para agir com autoritarismo e tirania, fez de algo bom para a sociedade se transformasse em algo sujo, ilegal, algo que abre brecha para a criminalidade, algo totalmente nocivo para a SOCIEDADE.

IMPAR? SABE QUEM É IMPAR?
IMPAR SOU EU E CADA BRASILEIRO QUE LUTA COM DIFICULDADE, CAVANDO A CADA DIA UMA NOVA POSSIBILIDADE E OPORTUNIDADE E AINDA TÊM QUE LUTAR PARA QUE LHE DEVOLVAM ESPERANÇA ROUBADA, (roubada sim, pois foi com grave ameaça) PARA CONTINUAR A TRILHAR UM CAMINHO INICIADO.


 
Malu LIma em 01/09/2011 09:56:01
onvoco aos Bacharéis em Direito conhecedores da Constituição Federal da República do Brasil a nos organizarmos e nos manifestarmos publicamente contra esse serceamento do exercício da profissão do advogado da qual bravamente fomos habilitados a praticar.

HELANE SOARES SANTOS

telefone: 7744-4401
 
helane soares santos em 02/08/2011 04:51:13

Prezados:

Não sou advogado, sou pai de um Bacharél que esta tentando pela segunda vez passar na prova.
Não sou contra a mesma , acho até que em todas as profissões deveria ter prova, só questiono a maneira com que a FGV elabora a mesma , acho-a de péssima qualidade, com pegadinha e questões mal elaboradase o preço exorbitante da taxa de inscrição , taxa esta mas cara do mundo.
Não entendo porque quando o Bacharél passa na primeira fase e é reprovado na segunda e tem que fase tudo novamente, deveria haver por parte de voces (OAB) uma validade pelo menos de um ano , ficando neste periódo o Bacharel de prestar prova na primeira fase, caso fosse aprovado.

LUIZ

 
Luiz Carlos Moreira da Silva em 02/08/2011 03:43:27
Prezado Presidente da OAB/MS, quando Vossa Senhoria relata que a qualidade de profissifionais poderá cair, muito pelo contrário, pois conheço profissionais que atua no mercado aplicando o golpe nos clientes e OAB, nunca fez nada, no entanto, quem já é nasce feito, não é o exame da ordem é que vai dar carárer para as pessoas não tiveram berço. Entretanto, em todas as profissão existe o mau caráter. o senhor sabe do que estou falando. ok.
 
ilma alexandre em 01/08/2011 08:02:53
Leonardo

Na verdade, tenho certeza que seu ponto de vista está eivado de corporativismo, por ser Presidente da OAB/MS. No entanto, somos conhecedores de seu trabalho inovador e contra o elitismo reinante nos meios profissionais do Estado. Por essa história empreendedora, dou desconto a sua opinião equivocada sobre ser um desastre o fim do exame inconstitucional da Ordem. Leonardo, seu próprio pai é de uma época onde não existia exame da Ordem, e já naquele tempo, o próprio mercado selecionava muito bem quem eram os bons e os maus profissionais. Ora, assim como quando selecionamos um médico (saúde, onde não existe seleção e existem milhares de péssimas faculdades), tomamos informações sobre quem contrataremos, e mesmo que tenhamos pouco dinheiro (se não existe condição econômica, a população tem a defensoria), tomamos toda a precaução por se tratarem, muitas vezes, de problemas familiares, econômicos ou de saúde, além de patrimonial. Assim funcionou MUITO ANTES DO EXAME DA OAB! Hoje existem maus profissionais mesmo com o exame. POR QUE A OAB/MS não mexe com os donos das faculdades? POR QUE A OAB/MS não representa contra o absurdo dos índicas pífios de aprovação, interpelando judicialmente o MEC? ONDE ESTÁ A OAB, além de defendendo sua própria receita financeira, a qual não precisa ser comprovada ao TCU ou qualquer órgão de controle social? FACÍLIMO CHAMAR OS POBRES BACHARÉIS DE PREGUIÇOSOS OU DESPREPARADOS, E QUE TEM DE ESTUDAR - essa vem dos que passaram também, e é genial!!). Leonardo, parabéns pela sua excelente atuação aqui no MS, mas se defender os interesses corporativos, pense em solução para os excluídos na prova, eles podem ter algum tipo de figura profissional específica, por que mesmo sem passar no exame, é impossível que cinco anos não capacitem um acadêmico. Lembrando também, que PROLIFERAM MUITOS CURSINHOS DE FORMAÇÃO PARA EXAME DA OAB, onde ex-presidentes da Ordem e advogados do MS GANHAM MUITO, MAS MUITO DINHEIRO!
 
Alexandrus Razanauskas em 01/08/2011 07:44:37
O que tem que acabar é esse mundo de faculdades de Direito incapazes de subsidiar os futuros profissionais com o mínimo conhecimento de sua área, o suficiente para ser aprovado no exame da ordem. Se um futuro profissional, recém saído da universidade, não souber pelo menos 60% do que estudou, ou teria que ter estudado, que segurança terão seus clientes? E sem o filtro do exame da OAB, como saberemos quem detém esse mínimo necessário, e quem não passa de uma tábula rasa?
 
marly siqueira caramalack em 31/07/2011 09:33:42
Concordo que a profissão pode sofrer, mas não acho justo a prova. Qual outra profissão tem isso. Na verdade, esta situação nada mais é do que um atestado de burrice para as universidades, pois prova por a+b que o aluno não saiu de lá preparado. O governo devia sim era exigir delas um melhor aprendizado.
 
Adão Rédua em 31/07/2011 05:31:21
condordo que seria desastrossoo, pois gostaria de saber que sao os donos das escolas preparatoria para o exame da OAB. RSRSRRSRS
 
leivon silvio em 30/07/2011 11:56:53
Com todo respeito que a sociedade tem pela classe dos advogados na importante missão de praticar e fazer justiça, este é o momento da OAB repensar o teu exame àqueles que por cinco anos, com todas as dificuldades financeiras cumpriu com toda grade curricular da faculdade a qual se formou e que tem autorização do governo federal para funcionar e tem em seu quadro docente advogados de carteira e tudo.o Certo seria a OAB fiscalizar a qualidade do ensino em tempo real dentro das faculdades e chamando ao código de ética aquele professor que não correspondesse à desejada qualidade de ensino que a OAB almeja e não após o acadêmico concluir o seu curso e realizar essa prova. Estranho do por que que as faculdades não tomam conhecimento desse exame e nem chama a OAB para discussão e reavaliação do ensino.
 
Julio César Diniz em 30/07/2011 08:49:34
E porque os médicos não têm exame de ordem no CRM?
E porque os farmacêuticos, os engenheiros, os pscicólogos não têm exame de ordem?
Ou faz pra TODOS ou não faz pra nenhum.
O médico, que lida com a VIDA humana, maior bem existente, não precisa prestar exame...
 
ademar santos em 30/07/2011 07:40:53
Acredito que o exame tenha que existir sim, mas não com uma prova draconiana tal qual é, não acredito que a prova do jeito que é feita possa medir o conhecimento e tornar apto um advogado para exercer a profissão de advogado e outra coisa, acho extremamente injusto que somente Direito tenha essa prova, alias porque os médicos não tem? Ou a vida, que é nosso maior bem jurídico, não esta a altura de ser assegurada por profissionais que tenha conseguido o seu CRM após teste de proficiência... E as demais classes? Engenheiro, arquiteto, fisioterapeuta e outros... ou faz para todos ou para nenhum... sou a favor, mas dentro desses critérios..
 
Rodrigo Melo em 30/07/2011 06:26:08
Sou contra o final do exame, mas também acho errado uma pessoa ter que pagar para ter o direito de exercer uma profissão.
 
Fabiano Bataglia Ribeiro em 30/07/2011 06:24:58
......para o acadêmico fazer estágio de 10 horas por dia, assumir responsabilidades que não são suas, receber uma miséria por isso, enquanto que os proprietários ficam ricos com esse "negócio" de estágio sem fiscalização do MTB, para isso, o acadêmico é competente por anos de estágio, mas enquanto não for aprovado na OAB, é um inútil !! Está certo isso???
 
Sergio Correa em 30/07/2011 05:21:53
Ledo engano o pensamento do Dr Leonardo Duarte: " A prova garante o bom atendimento à população". Conheço bons e péssimos advogados, e não é a prova que qualificada o bom advogado e sim o conhecimento, inteligência, empenho, trabalho, ética entre outros valores. Temos bons e maus profissionais em qualquer profissão, quem vai julgar se esse ou aquele profissional e bom ou não, é o cliente ou paciente. E nada como a propaganda boca a boca, que foi o inico da ruína do " Dr. Alberto Rondon'', quem fez tantos estragos e esta la em sua bela fazenda "preso". Como a lei muda tanto, pq não reciclar os próprios advogados com suas carterinhas da OAB já garantidas, fazendo a prova da OAB a cada 5 aa tbém? Com certeza teria muitos desaprovados juntos com os calouros....
 
Tatiana Câmara Rasslan em 30/07/2011 04:29:00
Prezado Advogado, verifica-se que V.sa. necessita de uma atualização em Direito Constitucional, pois, após decisão do Honrado Desembargador Federal, Sr. Vlademir e parecer impecável do MPF, ficou constatado que o referido Exame de Ordem é sem sombra de dúivida INCONSTITUCIONAL. Realmente, como afirmado acima, pelo Senhor o infeliz e tendencialista Ministro da Justiça é a favor do dito Exame em razão de que o mesmo possui um grande escritório de Advocacia em São Paulo, e provavelmente almenteria a concorrência, dentre outros fatores que lamentavelmente não posso relatar aqui. Por fim, lhe digo de coração, deus tenha piedade dos membros da OAB.
 
Juliano Lopes Barbosa em 30/07/2011 04:14:56
Esse João Antonio Volante deve ter reprovado né? Por isso que entrou com essa ação.
 
Cleberson Silva em 30/07/2011 03:08:10
Com certeza seria desastroso a falta do valor da taxa de inscrição de milhares de bachareis pro exame.
 
Allan Carlos Velasques em 30/07/2011 02:30:57
Postei um comentário sobre a qualidade da formação dos médicos, em reportagem aqui mesmo, abaixo.
O que eu penso e creio estar bem acompanhado é que exigir exame dos bacharéis em direito e não exigir de todos os demais profissionais liberais é, injusto, no mínimo.
Tratando-se de entidade como OAB tem o dever de exigir não somente o que é legal, mas também e, principalmente, o que é justo.
Então: exija-se de todos ou de ninguém.
E uma sugestão à OAB, caso o exame seja derrubado nas instâncias judiciais superiores (o que eu acho bem provável): crie-se um exame facultativo e emita-se aos aprovados uma espécie de certificação. Assim, para ser justo com todas as demais profissões liberais, somente se submeteria ao exame quem desejasse, mas não haveria nenhum tipo de certificação àquele que não fez a prova (o exame) ou que não tenha alcançado aprovação.
Já aquele que se submetesse ao exame e fosse aprovado, receberia uma certificação dessa aprovação, a qual certamente seria colocada em um quadro e ostentado com orgulho no quadro ou no mural do respectivo escritório.
Simples e eficiente, pois todos iriam querer ter o tal certificado de qualidade, primando pois, pelo preparo. As faculdades, por seu turno, divulgariam com orgulho a porcentagem maior de seus alunos aprovados no tal exame, em relação à essa ou aquela outra Instituição. surgindo uma competição salutar entre elas, de modo que os maiores ganhadores seriam, em ultima análise, todos nós.
Que tal!
 
Gustavo David Gonçalves em 30/07/2011 01:51:46
Desatroso seria para os cofres da OAB a única profissão que depende de aprovação no Brasil. O profissional de medicina que lida com vidas não esta sujeito a este tipo de filtragem. Eu torço muito que este exame caia em desuso, ou que no mínimo tenham decência de reduzir o valor absurdo destas inférteis provas, a custo sombólico para que todos o brasileiros bacharéis tenham o "direito" de serem testados, por esta instituição educacional, será isso? Sui Generis, única e especial..... concerteza sem nada igual !!!!!
 
Flavio Gimenez em 30/07/2011 01:44:32
Eu acredito que não é o exame da ordem que vai fazer um bom profissional e sim o seu trabalho no dia a dia, ou seja advogado!
O problema é que com o fim do exame essa fonte financeira vai acabar e os cursinhos também, pois são mantidos pelos alunos.
A finalidade da OAB é de fiscalizar a conduta dos advogadose não ficar aplicando provas com pegadinhas como vem fazendo.
A qualidade do ensino é de suma importância das Universidades e fiscalizadas pelo MEC.
O MNBD (Movimento Nacional dos Balchareis em Direito), esta bastante fortalecido e a cada dia ganhando mais adptos em todo o País, principalmente com apoio dos acadêmicos.
Acreditamos no FIM dessa roubalheira.
O parecer do Sub-procurador da Republica é totalmente favorável ao fim do exame, pois no entendimento dele e inconstitucional.
 
Luiz Antonio de Oliveira em 30/07/2011 01:35:58
O exame da ORDEM deve ser LEI imutável no BRASIL. "A lei é dura mas é LEI".
 
ELEANDRO SERAFIM em 30/07/2011 01:28:51
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions