A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

20/05/2013 11:59

Polícia Federal rebate acusações, “desmentindo” fazendeiros e CIMI

Ângela Kempfer
Indios estão na área desde quarta-feira.Indios estão na área desde quarta-feira.

Em nota divulgada há pouco, a Polícia Federal tenta explicar os motivos que impediram até agora o cumprimento ordem de reintegração de posse na fazenda Buriti, em Sidrolândia e rebate acusações feitas por ruralistas e membros do Conselho Indigenista Missionário sobre abuso de poder de policiais no último sábado.

Segundo a PF, não houve a retirada a força dos terena que estão na área desde a última quarta-feira em razão, principalmente, da “presença de dezenas de crianças e adolescentes, bem como de mulheres, algumas grávidas, e de idosos”.

No domingo, a Famasul divulgou nota reclamando da demora e da prisão do ex-deputado Ricardo Bacha, retirado da fazenda contra a vontade. Segundo os ruralistas, a sede da propriedade havia sido, inclusive, invadida. Mas a Polícia Federal desmente a versão dos proprietários.

“Comissão formada por representantes da Polícia Federal, do Ministério Público Federal e da Justiça Federal, após vistoria, constatou que o prédio sede da fazenda Buriti não foi invadido, saqueado ou depredado”

Mas o principal alvo da nova oficial é o CIMI (Conselho Indigenista Missionário). Na avaliação da Polícia, a presença de membros do Conselho prejudica as negociações.

“As diversas reuniões ocorridas com lideranças indígenas em busca da solução pacífica da crise não chegaram ao resultado esperado, especialmente em razão da presença de indivíduos estranhos à comunidade indígena, que se apresentaram como sendo representantes do CIMI e da COPAI/OAB/MS (comissão indígena da OAB), apontados pelos próprios indígenas como os motivadores do agravamento da ocupação e os estimuladores da desobediência à ordem judicial vigente”.

A PF segue informando que os representantes da comunidade indígena, do CIMI e da COPAI/OAB foram notificados sobre o iminente cumprimento da ordem judicial, com eventual uso da força estritamente necessária, “bem como alertados sobre a possibilidade de futura responsabilização, inclusive criminal, em caso de feridos, em especial de crianças e adolescentes levados até a área em disputa”.



Pergunto-me se as reações dos indígenas são motivadas pelos “parentes” realmente ou se são persuadidos por interesses de organizações não governamentais, entidades filantrópicas, sem fins lucrativos, mas que recebem milhões, muitos milhões ao ano, e há muitos anos para defender as causas indígenas. Será que não há muitas coisas escondidas por de trás de tudo isso? Investigue Polícia Federal.
 
Christiano Faria em 22/05/2013 08:24:17
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions