ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MARÇO, SEGUNDA  04    CAMPO GRANDE 24º

Cidades

Portarias autorizam extradição de Abadia aos EUA

Redação | 20/08/2008 09:57

Portarias publicadas hoje no Diário Oficial da União, assinadas pelo ministro da Justiça Tarso Genro, autorizam a extradição do traficante Juan Carlos Abadia aos Estados Unidos. A decisão tem como base o deferimento, em 13 de março pelo STF do pedido feito pelos advogados do colombiano.

A intenção do governo, segundo o secretário nacional de Justiça, Romeu Tuma Júnior, é de que Abadia deixe o Brasil em no máximo uma semana. Ele cumpre pena no Presídio Federal de Campo Grande há um ano. Para que o processo seja organizado, ainda falta a sanção do presidente Lula.

"Temos que causar o maior grau de letalidade possível às organizações criminosas. No caso de Abadía, tenho convicção de que a extradição imediata dele vai cumprir melhor esse objetivo, pois as investigações relacionadas a ele no Brasil já foram esgotadas", disse Tuma ao jornal Folha de São Paulo.

No Brasil, Abadía foi preso em agosto do ano passado e condenado a 30 anos e cinco meses de prisão e ao pagamento de multa de R$ 4,32 milhões, por lavagem de dinheiro, uso de documentação falsa, formação de quadrilha e corrupção ativa. A extradição vale, independente da pena estabelecida no Brasil.

Nos EUA ele é acusado de 15 assassinados e apontado pela agência anti-drogas norte-americana, como um dos maiores traficantes do mundo. Como líder do cartel colombiano, teria enviado mil toneladas de cocaína aos Estados Unidos.

Em março, o STF (Supremo Tribunal Federal) autorizou por unanimidade a extradição, apesar da restrição de que eventual prisão perpétua ou pena de morte seja convertida a 30 anos de prisão, como prevê a legislação brasileira.

No dia 8 de agosto foi divulgada a descoberta de um esquema envolvendo Abadia e Fernandinho Beira-Mar, ambos presos em Campo Grande, para sequestros e intimidação de juízes e autoridades no País, incluíndo o filho do presidente Lula como alvo.

As denúncias podem ter acelerado a autorização apra que o colombiano deixe o Brasil.

Nos siga no Google Notícias