A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

13/12/2013 17:45

Prédio de R$ 3,6 milhões da UFMS tem problemas um ano após inauguração

Zana Zaidan

O Complexo Multiuso, inaugurado em 2012 na campus de Campo Grande da UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul), consumiu R$ 3,6 milhões do Reuni (Programa de Apoio a Planos de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais) - verba repassada pelo governo federal para investimentos em infraestrutura das instituições federais de ensino superior.

Recém-inaugurado, Multiuso apresenta série de problemas e UFMS inicia reparos no prédio (Foto: Zana Zaidan)Recém-inaugurado, Multiuso apresenta série de problemas e UFMS inicia reparos no prédio (Foto: Zana Zaidan)

A obra, construída para ser usada por alunos de todos os cursos da instituição, ainda nem foi concluída, mas já é considerada o “elefante branco” da universidade: o prédio já apresenta problemas nos aparelhos de ar-condicionado e na parte elétrica das aulas de aula. Até os extintores de incêndio dos corredores já estão vencidos.

A estrutura de dois andares abriga 20 salas de aula, tem quatro banheiros, três salas administrativas, dois depósitos e copa. Os dois auditórios, com capacidade para 200 alunos casa, não foram entregues.

A própria UFMS admite as deficiências do Multiuso, e credita os problemas ao rompimento do contrato com a empresa responsável pela obra, que, segundo a instituição, não cumpriu os prazos previstos.

Fios expostos e desencapados são motivo de preocupação para alunos que estudam no Multiuso (Foto: Zana Zaidan)Fios expostos e desencapados são motivo de preocupação para alunos que estudam no Multiuso (Foto: Zana Zaidan)
No primeiro andar do prédio, todos os extintores estão com data de validade expirada (Foto: Zana Zaidan)No primeiro andar do prédio, todos os extintores estão com data de validade expirada (Foto: Zana Zaidan)

“É o prédio mais novo da UFMS, mas está cheio de coisas mal feitas. Quando começou a ser construído, foi aquela expectativa, diziam que seria um super complexo de estudo, com retroprojetores em todas as salas de aula, e equipamentos super modernos, mas nunca vimos isso”, conta o acadêmico do 5º ano de Ciências da Computação, Erick Rocha.

Fios expostos e ar condicionados instalados próximos a infiltrações também são motivo de preocupação para quem assiste aulas nas salas do complexo. “É só olhar para cima e ver fios de energia pendurados, e próximos do ar condicionado que, com a umidade, a qualquer momento podem causar um curto circuito”, acredita Cássio Rezende, do 4º ano de Engenharia Elétrica.

No corredor do primeiro andar, os quatros extintores de incêndio disponibilizados estão vencidos - o prazo expirou em agosto deste ano - o que coloca a segurança dos acadêmicos em risco em caso de emergência. O elevador do prédio se mantém interditado desde a inauguração, por isso, deficientes físicos ficam sem acesso ao segundo andar.

A Proinfa (Pró-Reitoria de Infraestrutura) da UFMS informa ter providenciado a correção dos erros no Multiuso - o conserto dos vazamentos já foi feito, e o elevador será ativado junto com o começo do ano letivo de 2014, quando os fios expostos também serão retirados. Os auditórios estão previstos para serem entregues também no início de 2014.

Interditado, elevador deve ser entregue em 2014. Só então deficientes físicos terão acesso ao 2º andar (Foto: Zana Zaidan)Interditado, elevador deve ser entregue em 2014. Só então deficientes físicos terão acesso ao 2º andar (Foto: Zana Zaidan)
Operários trabalham para entregar os dois auditórios do prédio no início do ano letivo de 2014 (Foto: Zana Zaidan)Operários trabalham para entregar os dois auditórios do prédio no início do ano letivo de 2014 (Foto: Zana Zaidan)
Depois de vistoria, TCU quer mudanças profundas nas auditorias da UFMS
Parecer do TCU (Tribunal de Contas da União) recomendou mudanças profundas na atuação da unidade de auditoria interna da UFMS (Universidade Federal d...
MEC deve homologar Base Comum Curricular na próxima quarta-feira
O Ministério da Educação informou que a Base Nacional Comum Curricular (BNCC), aprovada hoje (15) pelo Conselho Nacional de Educação (CNE), deve ser ...


Vale lembrar que custar aos cofres 3.600.000,00 não significa que tenha sido investido 3.600.000,00 na obra. Sabemos que a UFMS é mais uma grande fonte de desvio e também sabemos do tipo de reitoria e administração que ronda está instituição.
 
Fabiano pontes em 14/12/2013 11:42:27
Dou aulas nas salas 5 e 8 desta Unidade. A Acústica da sala é ruim...... o prof. fala na frente e a fala volta, para resolver o problema temos que abrir as janelas.... abrindo as janelas tem o problema do ar que tá ligado..... se desliga o ar não tem como ficar dentro das sala...... as janelas tem uma grade protetora.... ao colocarem as grades não tiveram a preocupação de verificarem que as maçanetas em alguns lugares de algumas janelas não pode abrir..... e por ai vai........... O prédio com 20 salas de aulas dispões de uma única porta de entrada/ saída........ falta um espaço para cantina.........
è um prédio que teria tudo para ser confortável, bonito e prático..... só quem trabalha lá sabe das dificuldades..........
 
Antonio Lino em 14/12/2013 11:14:17
É a administração de obras, comandada pela PROINFRA e o Sr. Júlio César, mais desastrosa dos últimos tempos na UFMS. Infelizmente a formação em geografia não lhe deu suporte suficiente para se tornar engenheiro. Acorda Reitora.
 
joão cunha em 14/12/2013 09:00:28
Só esqueçeram de falar das inumeras rachaduras que tem tambem ne
 
Leonardo Soares em 13/12/2013 22:33:08
Uma explicação desvio de dinheiro só.
 
amanda keity em 13/12/2013 21:52:06
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions