A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017

06/02/2013 19:11

Presos da Capital e de Dourados comandavam tráfico de drogas para o PCC

Gabriel Neris
Mandados de prisão foram cumpridos hoje em Dourados. (Foto: Osvaldo Duarte)Mandados de prisão foram cumpridos hoje em Dourados. (Foto: Osvaldo Duarte)

Operação deflagrada pelo Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado) de Mato Grosso do Sul, batizada de “Irmandade 1533”, constatou que presidiários de Campo Grande e Dourados comandavam o tráfico de drogas para o PCC (Primeiro Comando da Capital).

De acordo com a promotora Claudia Loureiro Ocariz Almirão, o procedimento foi instaurado no início do ano passado para apurar a prática de crimes de homicídio, tráfico, roubo por integrantes do PCC.

Durante as investigações dois presidiários, um cumprindo pena por tráfico de drogas no Presídio de Segurança Máxima de Campo Grande, transferido da Penitenciária de Dourados, e outro cumprindo pena na Penitenciária de Segurança Máxima Harry Amorim Costa, foram identificados comandando uma rede de tráfico de drogas.

O contato entre os presos e os bandidos que ajudavam na venda de drogas era feito por telefones celulares e visitas. Assim os presidiários acompanham a movimentação financeira do tráfico de drogas e também do PCC, determinam pagamentos e divisão de lucros. Também são contratadas pessoas para o transporte de drogas e atividades relacionadas ao tráfico.

A promotora disse que com o apoio da Gisp (Gerência de Inteligência do Sistema Penitenciário) foram realizadas buscas nas celas dos presidiários investigados e apreendidos chips de telefone celular.

A operação contou com 23 policiais militares do Gaeco e 32 do 3º Batalhão da Polícia Militar de Dourados.

Operação do Gaeco combate tráfico de drogas em 3 municípios
O Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado) e a Polícia Militar iniciaram na madrugada de hoje (5) uma operação para o combate...
Ministério Público faz contrato de R$ 3 milhões com empresa de informática
O MP/MS (Ministério Público de Mato Grosso do Sul) firmou contrato de R$ 3,3 milhões com a empresa Click Ti Tecnologia Ltda. Com validade de seis me...


Foi um ano inteiro de investigação e gasto do dinheiro publico e qual foi o resultado da operação? se os bandidos negociavam e contratavam pessoas para o transporte porque o gaeco nao realizou nenhuma apreensão de droga. ta na hora de reavaliarmos as despesas deste grupo que tal repassar essas quantias para a policia civil e militar que realmente combatem o crime.
 
alex loureiro em 07/02/2013 10:16:33
Fim das remissões penais!! cortem sinais de celulares próximos a presidios. leis mais duras fim dessa brincadeira!
 
sandra lima em 06/02/2013 19:16:14
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions