A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 10 de Dezembro de 2017

24/04/2009 09:47

Professores param Centro da Capital em dia de protesto

Redação

O trânsito nas principais ruas do Centro de Campo Grande parou nesta manhã por horas. Apesar do anúncio antecipado do protesto nacional dos professores, a manifestação por melhorias no ensino e aplicação do Piso Nacional do Magistério pegou muita gente de surpresa e provocou irritação.

"Nossa, o trânsito vira um caos, e nem sei o motivo desse povo estar reclamando", comenta o militar aposentado, Júlio Amêndola.

A categoria "fechou" a maioria das escolas públicas nesta sexta-feira em todo o País e saiu às ruas. A estimativa de Polícia Militar é de 2 mil pessoas no protesto na Capital, mas os sindicatos falam em mais, contabilizam pelo menos 3,8 mil manifestantes, e até 5 mil, com participação de representantes de 54 municípios.

Em Campo Grande, a estimativa é de adesão em 65% da Rede Municipal. As aulas perdidas hoje serão repostas no dia 16 de maio. No Estado, a paralisação atinge mais de 75% das escolas, dizem os organizadores do protesto.

O grupo saiu da Praça Ary Coelho, entrou pela 14 de Julho, seguiu pela Antônio Maria Coelho, retorna pela 13 de Junho e na Praça do Rádio Clube pegará ônibus fretados para ir até a Assomasul (Associação dos Municípios de Mato Grosso do Sul).

Na entidade, os professores querem marcar a luta pela implantação do Piso Nacional do Magistério, ainda desrespeitado pela maioria das prefeituras do Estado, segundo informa a Fetems (Federação dos Trabalhadores em Educação de MS).

A lei criou o piso no valor de R$ 950, que deve estar valendo em todo País até 2010. A partir de janeiro de 2009, os estados e municípios já devem buscar alcançar o valor, que também será adotado para o pagamento dos benefícios dos aposentados.

A maioria não implantou, diz o diretor da Fetems, Roberto Magno César. "Os exemplos de implantação são Três Lagoas, Ivinhema, Coxim e Corumbá".

Dinheiro - Para ampliar a discussão, às 18 horas, o prefeito Nelsinho Trad deve receber uma comissão para discutir reajuste salarial dos professores da Capital.

"Mas o movimento não é só pelo piso, é maior, é pela qualidade do ensino", defende o presidente da ACP (Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública de Campo Grande), Geraldo Alves Gonçalves.

A professora da Capital, Rafaela de Oliveira, saiu para protestar hoje. "Apesar de aqui já não haver problema com o piso, temos de aproveitar para falar que muito precisa ser feito para a qualidade de ensino".

No interior, a maior luta é contra a evasão escolar, conta a professora Maria Rita Silva, de Ribas do Rio Pardo. "Não temos estrutura para segurar o aluno, precisamos também de medidas contra a violência. Lidamos com crianças que vendem drogas e furtam dentro da própria escola".

Política - Após passeata nas ruas, em ato público na Praça do Rádio Clube espaço foi aberto aos parlamentares do Estado interessados em falar sobre as reivindicações da categoria.

O espaço foi preenchido pelos petistas Pedro Kemp, Antônio Carlos Biffi e Pedro Teruel. O professor Rinaldo Modesto (PSDB) também participa da manifestação.

Câmara de Vereadores entrega meio milhão de reais em emendas parlamentares
A Câmara Municipal de Costa Rica, a 305 quilômetros de Campo Grande, realiza nesta segunda-feira (dia 11) três sessões, duas delas especiais. Às 14h ...
Município de Itaporã comemora 64 anos de emancipação neste domingo
Conhecido como Cidade do Peixe, Itaporã, distante 227 km de Campo Grande, comemora 64 anos de emancipação neste domingo (10). A prefeitura municipal ...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions