ACOMPANHE-NOS    
JUNHO, SEXTA  05    CAMPO GRANDE 27º

Retrospectiva 2011

O ano em que Campo Grande perdeu o título de capital de um shopping só

Por Marta Ferreira | 28/12/2011 10:15

Em 2011, consumidor viu inauguração do Norte Sul Plaza, de centro comercial no centro, ampliação do shopping Campo Grande e avanço das obras do Bosque dos Ipês

Em obras, Bosque dos Ipês é promessa para o fim de 2012. (Foto: João Garrigó)
Em obras, Bosque dos Ipês é promessa para o fim de 2012. (Foto: João Garrigó)
O ano em que Campo Grande perdeu o título de capital de um shopping só

Em meio a uma multidão de 500 trabalhadores, o sergipano Wilson Lima dos Santos, de 29 anos, é um dos cerca de 300 nordestinos que deixaram sua terra para trabalhar na obra que ergue um novo templo do consumo em Campo Grande, o Shopping Bosque dos Ipês.O projeto, que havia sido anunciado em anos anteriores, em 2011 está se concretizando, literalmente, com a estrutura de cimento e aço já visível para quem passa na rodovia Assaf Trad, na saída para Cuibá.

Junto com o Wilson, vieram mais 80 sergipanos, trabalhadores exportados para colocar em pé o shopping do grupo Jeirissati que, daqui um ano, vai se juntar às novas opções que o consumidor passou a ter em 2011.

Em maio, um outro projeto que parecia demorar anos para virar realidade transformou o prédio projetado para ser o Mercado do Produtor em Campo Grande no Shopping Norte Sul Plaza. O empreendimento veio para resolver três “problemas”: deu finalidade a um prédio onde já aconteceu até estupro e assassinato no passado, ofereceu opção a uma região onde não havia esse tipo de comércio e, por fim, tirou a cidade da condição de única capital com mais de 700 mil habitantes ter apenas um shopping de grande porte.

O Norte Sul trouxe para Campo Grande mais uma rede de cinemas, a mexicana Cinépolis, a primeira unidade da loja de decoração Etna e a primeira da Burger King, inaugurada semana passada, com filas imensas.

No centro da cidade, que nos últimos anos vem sendo tomados por pequenos e médios centros comerciais mais um foi aberto este ano, o 26 de agosto, focado no comércio popular, mas com o ar fresco típico dos shoppings centers, que faz muita gente correr das lojas de rua.

O 26 de Agosto têm espaço quatro andares, dois deles para estacionamento, com 400 vagas. São cinco entradas para a clientela duas pela rua 7 de setembro, outras duas pela rua 26 de agosto e a uma pela Avenida Calógeras.

Fila para entrar no Norte Sul Plaza, que inaugurou em maio. (Foto: João Garrigó)
Fila para entrar no Norte Sul Plaza, que inaugurou em maio. (Foto: João Garrigó)
Novo corredor do shopping Campo Grande: jeito mais moderno e lojas de grife. (Foto Pedro Peralta)
Novo corredor do shopping Campo Grande: jeito mais moderno e lojas de grife. (Foto Pedro Peralta)

Repaginado-Coincidência ou não, no ano em que a cidade vê surgirem novos centros comerciais, o mais antigo inaugurou sua maior ampliação. O Shopping Campo Grande construiu um “puxadinho” com mais 50 lojas, algumas delas de grifes que antes não estavam por aqui, estacionamento coberto e um ar mais moderno, que inclui corredor mais largo, e mais verde.

Do lado de fora, paisagem diferente, também, com obras que alteram o traçado viário e, de acordo com a Prefeitura, vão evitar os alagamentos que se tornaram comuns nos últimos anos na região toda vez que chovia forte.

Junto com a reforma do centro comercial, vieram mudanças nas regras do estacionamento. A vaga agora custa R$ 4,00 por 3h e, a cada hora adicional, o cliente paga mais R$ 1.

A julgar pelo movimento de fim de ano, com shoppings lotados por todos os lados, o preço a mais não tem incomodado a clientela.

A julgar pelo movimento de fim de ano, com shoppings lotados por todos os lados, o preço a mais não tem incomodado a clientela.

Os investimentos que turbinam os centros comerciais na cidade pode ser explicados por uma pesquisa da FNP (Frente Nacional de Prefeitos), segundo a qual a capital de Mato Grosso do Sul liderou os investimentos no Centro-Oeste, com base em dados de 2010. Foram chegou a R$ 298 milhões, contra R$ 127 milhões em Goiânia (GO) e R$ 48 milhões em Cuiabá (MT).