ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, SÁBADO  24    CAMPO GRANDE 25º

Cidades

Sem câmeras, crimes na região Central de Campo Grande ficaram impunes

Graziela Rezende | 06/09/2013 09:59

Prejuízos que somados ultrapassam R$ 200 mil, três “grandes crimes” na região central de Campo Grande estão impunes desde maio deste ano, principalmente, porque não há testemunhas e os locais estavam sem câmeras de monitoramento na ocasião, algo que a Polícia considera como primordial para ajudar na identificação dos suspeitos.

O furto mais recente ocorreu no dia 18 de agosto deste ano, na agência do Banco Bradesco, da Rua 13 de maio com a Marechal Cândido Mariano Rondon, quando bandidos instalaram, durante o dia, explosivos em dois dos nove caixas eletrônicos e retornaram durante a noite para “terminar o serviço”. A quantia levada não foi revelada pela Polícia e, sem câmeras, a quadrilha não teve preocupação alguma de esconder o rosto.

Já no dia 12 de agosto, uma quadrilha com modus operandi totalmente diferente, de acordo com o delegado Alberto Vieira Rossi, responsável pelas investigações, se passou por “falso cliente” e posteriormente anunciou o assalto no local. Eles estacionaram o carro na rua Maracajú, uma quadra adiante, e começaram a monitorar a agência, inclusive vistoriando a Caixa Econômica, que fica em frente, para saber também se poderiam assaltar aquele banco.

Pouco antes do início do expediente, quando o tesoureiro passou por uma falsa porta para colocar dinheiro nos caixas eletrônicos, ele foi rendido. Um dos homens ficou do lado de fora, enquanto a vítima foi agredida e teve de ficar a todo o momento deitada no chão. “O funcionário não viu nada, ficou sob a mira de uma arma e ninguém mais disse testemunhar o crime, por isso não evoluímos em nada até o momento”, afirma o delegado Rossi.

Fuga - Sem as câmeras, a Polícia contou com a ajuda de comércios vizinhos e viu apenas de longe a fuga dos bandidos, que saíram com dois malotes de dinheiro. Os investigadores ainda refizeram o possível trajeto da quadrilha, mas ainda não possui a característica dos bandidos. De lá, foi levado em torno de R$ 130 mil.

No terceiro caso, a quadrilha possuía conhecimento sobre sistemas de alarme, principalmente porque desativou o som e quebrou algumas telhas para entrar na loja de eletroeletrônicos e móveis Casas Bahia, localizada no cruzamento das ruas 14 de Julho com a Cândido Mariano, no dia 18 de maio deste ano.

Ação - Eles, possivelmente observaram o local antes, pois, de acordo com a Polícia, desceram exatamente em um local onde um guarda-roupa deu apoio e posteriormente um balcão. O vidro foi quebrado e eles levaram inúmeros celulares, notebooks, tablets, vídeo-games e ainda arrombaram o cofre da empresa, levando R$ 3,7 mil.

Dos suspeitos, segundo o delegado Fabio Peró, responsável pelas investigações, a Polícia identificou uma pessoa e emitiu um mandado de prisão.

‘“A quadrilha seria de Cuiabá (MT) e formatou todos os aparelhos antes de repassar para outras pessoas. Fomos a cidade e um deles inclusive já estava preso, mas, antes da nossa chegada, foi solto por falta de provas”, explica o delegado Peró.

Nos siga no Google Notícias