A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

01/01/2009 19:56

TCU: Mandetta diz que prevenção à dengue foi dificultada

Redação

O secretário Municipal de Saúde de Campo Grande, Luiz Henrique Mandetta, desconhece o trâmite do processo do TCU (Tribunal de Contas da União) que poderá condená-lo por omissão e ineficiência por falta de ação na época do surto de epidemia de dengue em Campo Grande, em 2007.

Segundo o relatório do TCU, a falta de ação de Mandetta e de mais três administradores da Sesau (Secretaria Municipal de Saúde) foi a causa para que a doença atingisse 46 mil pessoas e matasse duas. O processo responsabiliza Mandetta, o chefe do serviço de controle de vetores, Alcides Divino Ferreira, o ex-coordenador de vigilância em saúde Eugênio Oliveira Martins e a atual, Emília Kanomata.

Mandetta só lembrou que, na época do surto de dengue, a situação de prevenção dos agentes foi dificultada na Capital, pois 35% dos imóveis estavam fechados para venda e aluguel. Essa situação mudou, afinal, atualmente a prefeitura tem autorização judicial junto às imobiliárias para que os agentes entrem nesses locais.

O secretário ainda reforçou a o discurso de que "falta educação ambiental e histórica no Brasil. As pessoas tem muito descuido com papéis, plásticos".

Em sua opinião, "Campo Grande teve a maior epidemia proporcional de dengue no país e proporcionalmente o menor índice de letalidade, já que foram 46 mil casos registrados e duas mortes, enquanto o Rio de Janeiro contabilizou a metade dos casos, registrando 114 óbitos".

De acordo com o TCU, um processo que será julgado no início de 2009 poderá punir os gestores públicos com multa de até R$ 24 mil reais, além de inabilitá-los ao exercício de função pública por até cinco anos.

O TCU revela que em 2006, o município recebeu R$ 4 milhões do Ministério da Saúde para enfrentar a dengue e descumpriu as metas - a epidemia ocorreu no verão seguinte. Ainda segundo o TCU, a administração local só contratou os agentes de saúde para combater o mosquito quando a epidemia já estava instalada.

Na opinião do Tribunal houve falhas nas visitas a residências e os relatórios não alertaram para a possibilidade de surto. Nem a aspersão de inseticida foi feita de maneira adequada. Apesar do número de mortes ser considerado baixo, o TCU acredita que isso não redime as autoridades.

Carro roubado no Rio de Janeiro é recuperado em estrada de acesso ao Paraguai
Um automóvel recentemente roubado no Rio de Janeiro foi recuperado por policiais militares em uma estrada vicinal de Japorã –a 487 km de Campo Grande...
Recesso de fim de ano começa nesta semana no Judiciário e Legislativo
Na reta final de 2017, para alguns servidores a "folguinha" das festas começa mais cedo. Em orgãos Estaduais e Federais de Mato Grosso do Sul, tem re...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions