A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

27/01/2013 16:56

Tragédia no RS intensificará vistoria em casas noturnas pelo Crea

Paula Maciulevicius
O incêndio atingiu a boate Kiss, em Santa Maria, município distante cerca de 300 quilômetros de Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, provocou a morte de 233 pessoas. (Foto: Maurício Barbosa/Especial)O incêndio atingiu a boate Kiss, em Santa Maria, município distante cerca de 300 quilômetros de Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, provocou a morte de 233 pessoas. (Foto: Maurício Barbosa/Especial)

O Crea (Conselho Regional de Engenharia e Agronomia) de Mato Grosso do Sul vai intensificar as vistorias em clubes e casas noturnas de todo Estado. Segundo o presidente Jary Castro, a ação já estava programada para começar nesta semana e com a tragédia do incêndio que matou 232 pessoas dentro de uma boate no Rio Grande do Sul, teve atenção redobrada.

“Essa coincidência trágica veio aflorar a nossa função. Vamos reunir Crea, Prefeitura, bombeiros e empresários para que a gente possa conversar e preparar esses locais. É inconcebível o que veio a acontecer”, declarou Jary ao Campo Grande News sobre o episódio em Santa Maria na madrugada deste domingo.

O presidente do Conselho afirmou que está acompanhando o caso desde cedo e que já inclusive falou com o prefeito Alcides Bernal (PP) para que os órgãos fiscalizadores, junto com a  Prefeitura, se reúnam com empresários.

“Se observar esse caso do Rio Grande do Sul, não foi por falta de extintor, de saída de emergência. Foi erro humano. Os funcionários não estavam preparados. Eles trancaram portas e não direcionaram jovens. É um fato difícil e não é erro de engenharia, é de capacitação de pessoas”, explicou Jary Castro.

Neste contexto, a vistoria em casas noturnas será intensificada não só focando os projetos de defesa, como também conscientizando empresários da responsabilidade de preparar os funcionários. “Vamos dar o enfoque de conversar com empresários para que eles tenham pessoas capacitadas para cuidar do evento além do obrigatório, de iluminação, rota de fuga e projetos elétricos”, completou o presidente do Crea.

Quanto à preparação dos funcionários, Jary alerta para a atenção que os seguranças devem ter. Ele comentou de denúncias que o Crea têm recebido de seguranças que bebem junto com os jovens nas boates. “São funcionários totalmente despreparados e isso é muito preocupante. Um momento triste como esse leva a uma reflexão”, declarou.

O presidente do Crea falou ainda que o órgão luta há anos para que os alvarás sejam liberados apenas para ambientes com locais acessíveis, que tenham o aval dos bombeiros e também da Defesa Civil. “Não adianta botar segurança e não prepará-lo. Precisa de pessoas preparadas, uma brigada de defesa”, finaliza Jary.

O incêndio atingiu a boate Kiss, em Santa Maria, município distante cerca de 300 quilômetros de Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, provocou a morte de 233 pessoas. Informações preliminares apontam que o fogo pode ter começado por volta das 2h, após um sinalizador, que teria sido acendido por um dos integrantes da banda Gurizada Fandangueira, ter atingido a espuma de isolamento acústico no teto da boate. As chamas se espalharam rapidamente e todo o ambiente foi encoberto por uma fumaça preta, que intoxicou parte dos clientes.

 



Há que se ter bastante lucidez para diagnosticar os problemas de Campo Grande, com relação à estrutura e segurança das casas noturnas. Muitas coisas devem ser mudadas mas, principalmente, o que de mais importante precisa um maior estudo é a visão de empresários e donos desses redutos. A meu ver, o que seria preponderante para aquele que se prontificasse a fazer tais mudanças seria justamente sua visão de ser humano.
Não se deve levar em consideração apenas os ganhos e lucros, mas ter a nitidez sobre o fator mais importante: vidas humanas. Mas não é o que se ve habitualmente nesses locais. Por exemplo, na semana passada em uma famosa casa noturna desta cidade, houve uma briga bastante séria, com quebra-quebra e ferimentos em um frequentador. Alguem soube? Claro que não, foi abafado. Então..
 
Jéssica Santos em 28/01/2013 15:56:20
Que bonito hein? Culpa logo os funcionarios e realmente, foram varios erros humanos que causaram esta tragedia (usar fogos em ambiente fechado; não liberar imediatamente a saida), mas a pergunta que não quer calar: como que um lugar com capacidade de mil pessoas consegui uma alvara de funcionamento (pois estava com alvara atá agosto) se a unica saida é a porta de entrada? Quando não tem indicadores iluminadas suficiente indicando a saida? Quando 180 pessoas morrem no banheiro, achando no escuro que esta porta era a porta da saida? Aposto que aqui em Campo Grande tambem tem lugar daonde durante um incendio é dificil de sair, e que mesmo assim tem alvara. Alem de olhar extintores e treinamento de seguranças, é preciso sim fazer exigências tecnicas tambem.
 
Marcos da Silva em 28/01/2013 13:27:54
Perdoe-nos santa Maria!

A ganância gerou a morte! Por entre o fogo esparramado
A morte que ali espreita seu lucro foi bem dobrada
Levou centenas e meio de vidas desperdiçadas
Da alegria de jovens na noite virou desgraças...
...
O ser humano é estranho! No lucro busca morada
Das vidas ali perdidas caminhos por outras estradas
O bom senso dos humanos às vezes da uma travada
Resultado trás aos olhos! As famílias enlutadas...

Agora nada se adianta julgamentos em disparadas
A morte fez sua colheita por entre vidas marcadas
A juventude que foi transformou em enxurradas
As lagrimas de um Brasil! O lucro dos descarados...

Enlutado estas meu peito pelos guris que morreram
Crianças que tudo tinham por um futuro perfeito
Gurias que ali buscavam a sorte de seus direitos
Apenas viverem a vida com dignidade e respeito...

No luto que o Brasil vive! que lhes sirvas de lição
A autoridade publica que se de explicação
Colocar em uma casa tantas vidas em razão
Sem ter ali a segurança! Aos que se foram, peço perdão...

Perdão pela ignorância das leis não observadas
Dos lucros que sempre tiram das leis que trapaceadas
Os seres ditos humanos encontram nestas moradas
O valor do lucro fácil e a vida não é preservada...

(Zildo de oliveira barros)
28/01/13
Ver mais
 
Zildo de oliveira barros em 28/01/2013 12:09:40
DUVIDO,DUVIDO, AS CASAS NOTURNA DE CAMPO GRANDE NÃO APROPIADAS TEM QUE FECHAR TODAS. VOU PESSOALMENTE SE TODAS TEM E PASSAR PARA MPF... VAI TER QUE FECHAR...
 
Vicente Neves em 28/01/2013 11:17:01
Podem começar pelo Cabaret que so tem uma saida e porta minima como a dessa boate..
 
Leticia alves em 28/01/2013 10:37:54
Duvido isso acontecer o Brasileiro não aguenta ver dinheiro!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
 
Vinicius sousa em 28/01/2013 09:53:19
O que é mais triste, é que precisa acontecer uma tragédia para que eles tomem um atitude. #Luto.
 
Juliana Alves em 28/01/2013 08:58:52
A preocupação dos órgãos fiscalizadores pelo Brasil tem sido a Acústica das casas noturnas, situação constantemente reclamada pelos empreendedores de Campo Grande e certamente uma obrigação das casas noturnas de Santa Maria, sendo este fato evidenciado pela espuma que cobria o teto e as paredes da boate gaúcha, assim como a segunda porta no corredor após os caixas de pagamento, que vedavam a passagem, e impediram os seguranças que estava no controle de saída visualizarem o fogo. Enquanto a fiscalização impõe aos empreendedores a instalação de vidros espessos, espumas acústicas, madeiras especiais, gessos acartonados, lã de vidro, caixas de ovos, entre outros, esquece de verificar a data de validade dos extintores de incêndio. A vida não é a prioridade e sim a imposição de taxas e multas.
 
Leandro de Oliveira Morilha em 28/01/2013 08:56:55
os meios de comunicaçao eos promotores,duplinhas universitarias deveriam estar de luto ou pelo menos fazer alguma coisa p ajudar a familia das vitimas.....isso porque as musicas deles só falam em boate,faculdade,tequila com com limao.....eu nao estou exagerando mais as radios só falam nisso,ninguem pensa na segurança das pessoas.....
 
arnaldo poleto em 28/01/2013 08:13:41
No meu ver não existe uma boate em Campo Grande preparada para qualquer tipo de ocorrência, basta ver que uma briguinha dentro das casas noturnas vira uma confusão. Agora imagina um principio de incêndio, como pode 1000 pessoas sairem por um corredor e uma unica porta, é lógico que tem problemas de legislação, fiscalização e ganancia dos empresarios. Por Favor autoridades cumpram o seu dever!!! tragédias podem ser evitadas SIM!!!!
 
marcelo matos em 28/01/2013 08:11:25
Desculpe Sr. Jary, vejo que o seu comentário não condiz com o que ocorreu em Santa Maria, pois, além do erro humano também devemos considerar a falta de fiscalização dos órgãos responsáveis. Desculpe mas os órgãos de fiscalização estão aquém do esperado, ou seja, ainda estào atendendo apenas os interesses do empresários, donos de casas noturnas. Neste momento, se for realizar um pente fino e todo o MS o Sr. verás a realidade. Essa é minha opinião, pois sou servidor de órgão de segurança pública.
 
Ronaldo da Silva em 27/01/2013 23:29:28
Discordo que não é erro de engenharia. Basta olhar para a fachada da boate onde ocorreu a tragédia: um paredão com apenas uma acesso que servia tanto para a entrada quanto para a saída. Deviam haver outras portas ao longo da frente do prédio, o que facilitaria a evacuação. Não sou engenheiro nem nada, mas é algo que qualquer leigo pode perceber.

Boates aqui de Campo Grande também apresentam essas mesmas características. A extinta Neo Club na 15 de Novembro é um exemplo do difícil acesso entre a pista e a rua. Escada e corredores estreitos separando o salão de uma única saída.
 
Murilo Delmondes em 27/01/2013 23:24:26
Infelizmente de nada vai adiantar essas medidas, pois esse tipo de negócio muda de donos muito rapidamente e o novo proprietário faz novas reformas e tudo se transforma. O que poderia resolver, seria os bombeiros terem mais força no sentido de poderem lacrar um estabelecimento que esteja irregular e as vistorias serem mais frequentes; por exemplo a cada 60 dias. O CREA de pouco vai ajudar, pois geralmente essas reformas são internas e nem ficam sabendo. Nas boates que eu já fui em Campo Grande, notei que a porta de entrada são apertadas e não encontrei as saídas de emergências, são locais muito escuros e apinhados de pessoas (além da capacidade de segurança de lotação). Até vi em uma delas placas indicativas de emergência, mas dá para um pátio pequeno que lota com menos de 100 pessoas.
 
Gilberto Ozuna em 27/01/2013 22:54:00
Intensificar vistoria somente em casas noturnas? O CREA deveria intensificar vistoria também em escolas, hospitais e outros estabelecimentos que tenham sistemas de proteção contra incêndio e pânico. Não é só casas noturnas que correm o risco de incendio
 
Danillo Acosta em 27/01/2013 21:36:54
Acredito que não é necessário ocorrer tragedias para as autoridades começarem a tomar providencias, e fiscalizarem corretamente os ambientes frequentado por grandes volumes de pessoas.
 
Dinho Silva em 27/01/2013 20:02:11
Ótimo...temos que fiscalizar....boa iniciativa...
 
João Carlos em 27/01/2013 19:22:23
Sabemos que a maioria das casas noturnas de Campo Grande tem as mesmas características da boate Kiss. Infelizmente precisou acontecer tamanha tragédia para que pudéssemos tomar providências. Senhor governador, não se esqueça dos supermercados, lojas e outros estabelecimentos. E que Deus conforte o coração destas famílias.
 
Larissa Aluchna em 27/01/2013 19:21:38
Me desculpe Sr. Jary Castro, mas foi falta de tudo. Falta de Saída de emergência, falta de extintor, foi erro humano, incapacidade técnica, incapacidade de fiscalização, provavelmente corrupção, para deixar funcionar uma casa de show com apenas uma porta (entrada e saída), ganância, e inclusive falta de uma legislação para que em cada evento seja feito uma análise da situação, dando autorização de para o evento em pauta, visto que este tinha pirotécnica. Espero que as vistorias que vão fazer fique apenas neste período em que ocorreu o caso em Santa Maria - RS, mas que seja ela realizada de tempo em tempo, e que o alvará não seja apenas para o funcionamento, mas para as atividades realizadas também.
 
Roberto Motta em 27/01/2013 19:04:20
Muito fácil, agora jogarem toda a culpa nos funcionários mal treinados e capacitados senhores, e vocês da fiscalização, cumpriram com sua parte? FISCALIZAR, CHECAR, AVERIGUAR, como o corpo de bombeiros concede alvará de funcionamento a um estabelecimento desse porte com apenas uma porta??extintores precisam ser vistoriados, fizeram isso? colocaram cartazes para o público saber que a casa noturna não tinha porta de Emergência? Ora, a culpa ai é bem MAIOR, e os culpados são vários.
 
clelia cruz em 27/01/2013 18:29:08
QUERO SO VER SE VAO TER PEITO DE FECHAR CERTAS CASAS NOTURNAS E BARES DE CAMPO GRANDE.
NO BRASIL TUDO SE DA UM JEITINHO NÉ.
 
JULIO JUNIOR em 27/01/2013 18:17:38
O BRASIL ONDE A POLITICA É CORRUPTA, O PODER PUBLICO SE OMITE VCS QUEREM O QUE SO TRAGEDIAS, VAMOS FAZER UM PENTE FINO EM CAMPO GRANDE DE VERDADE E VAMOS VER QUANTAS DESSAS CASAS NOTURNAS, BARES DA AFONSO PENA SHOWS QUE SAO FEITO PELA CIDADE ESTÃO EM CONDIÇOES DE ESTAR ABERTO.
BRASIL NAO MERECE ISSO
O POVO NAO MERECE ISSO
TUDO ISSO POR QUE PESSOAS GANANCIOSAS QUEREM DINHEIRO E NAO SE IMPORTAM COM A VIDA DOS OUTROS
 
JULIO JUNIOR em 27/01/2013 18:14:01
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions