A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 14 de Dezembro de 2017

24/03/2009 16:13

Zeolla chega em carro do MPE para depoimento na PGJ

Redação

Preso por matar o sobrinho Cláudio Zeolla, 23 anos, o procurador Carlos Alberto Zeolla, 44 anos, chegou há pouco na sede da PGJ (Procuradoria Geral de Justiça) para prestar depoimento à corregedoria do órgão em processo adminsitrativo.

Ele saiu da Clínica Carandá, onde está internado, em um veículo do MPE (Ministério Público Estadual). Uma equipe do Garras (Grupo Armado de Repressão e Resgate a Assaltos e Sequestros) fez a escolta do autor confesso do crime, ocorrido dia 03 de março deste ano, na região central de Campo Grande.

Segundo a assessoria de imprensa do MPE, o procurador irá responder aos questionamentos do corregedor-geral, Anísio Bispo dos Santos, em relação ao processo administrativo que apura se a conduta de Zeolla fere o que preconiza o MPE diante do cargo público que o procurador exercia.

O depoimento também será ouvido pelos integrantes da comissão composta por procuradores, que analisa o caso. Os membros dessa comissão são Nilza Gomes da Silva e Evaldo Borges Rodrigues da Costa.

Como se trata de uma investigação na esfera administrativa, nem o advogado do procurador, Ricardo Trad, participa da oitiva. A reunião é realizada a portas fechadas e o teor ainda é desconhecido.

O procedimento corre paralelamente ao inquérito criminal. Caso seja constata irregularidade administrativa por parte do procurador, ele poderá perder o cargo. Se a decisão for favorável a ele, Zeolla ainda pode se aposentador com pagamento mensal de R$ 24 mil.

Uma outra comissão processante irá avaliar a parte criminal. Os procuradores de Justiça designados para a comissão são Olávio Monteiro Mascarenhas, Silvio Cezar Maluf e Belmires Soles Ribeiro.

Em 18 de março, o TJ (Tribunal de Justiça) concedeu ao procurador afastado internação em hospital psiquiátrico. Desde então, ele está internado na Clínica Carandá.

Laudos solicitados pela Justiça já foram entregues e repassados à acusação e defesa hoje que terão 24 horas para analise. Com base na avaliação, o TJ irá decidir se Zeolla continua ou não internado.

O STJ avalia também pedido de habeas Corpus e reconsideração de flagrante, já negados pelo Tribunal de Justiça do Estado.

O procurador só deve sair do hospital mediante decisão judicial. Em caso de alta médica, deve retornar ao Garras.

Zeolla está preso desde o dia do crime e somente em 5 de março confessou o assassinato. Ele alega que o homicídio foi motivado por uma briga que Cláudio teve com o avô, Américo Zeolla e pai do procurador, que e foi empurrado pelo neto.

Amanhã o advogado pretende apresentar defesa, com a relação de oito testemunhas que vão sustentar as justificativas para pedido de absolvição do procurador ou pena mínima, por homicídio privilegiado, motivado por forte emoção.

imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions