A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 25 de Fevereiro de 2018


  • De olho na TV
  • De olho na TV

    com Reinaldo Rosa


05/06/2015 10:13

A triste ‘A praça é nossa’ de MS

Reinaldo Rosa

NÃO ERA BEM ISSO – Profissionais que lutaram – e lutam - pela qualificação do jornalismo de MS têm seus momentos de ‘De Erre’. Não era bem isso que Edson Silva, Roberto Chamorro, a inesquecível Margarida Marques e tantos outros queriam ver no desempenho da referida profissão.

MISTURA NADA FINA – A dinâmica do jornalismo permite, até, informações com pitadas de humor. Desde que refinamento, bom gosto e talento (principalmente) façam parte da pauta do que vai ao ar; ‘louro josé’ serve de base.

A QUEM INTERESSA – Jornalismo televisivo também é cultura. Em discussão a forma e objetivos de se alcançar níveis de audiência; quantitativa ou qualitativa? Informativos de repetidoras regionais tentam balizar corrida entre o pior do whatsApp e o que produzem.

REMEMBER – Ex radialista e deputado Estadual, Jonathan Barbosa, batia o pau com o qual ‘matava’ cobras; Ratinho martelava seu pau em programa policial de TV por assinatura, antes de alcançar a fama. O apresentador Picarelli bate no tambor (e é seguido por ‘repórter’ que faz o mesmo em visitas inusitadas). Percussão no ritmo do plágio.

HÁ QUEM ACREDITE – Executivos de repetidoras regionais raciocinam que, diante de poucas opções, pode se oferecer programas de qualidade duvidosa a um público pouco exigente. Contraditoriamente, pululam comerciais de marcas nacionais de lojas populares e comerciantes locais. E a banda segue.

NEGÓCIOS À PARTE – Como anunciante, a prefeitura de Campo Grande não recebe tratamento diferenciado por parte do jornalismo da TV Morena. É interessante a pauta sobre comportamento de vereadores sobre a instalação da Comissão Processante, na Câmara da cidade.

LÁ – “Mesmo sofrendo na pele e vendo os anunciantes mais importantes se preocupando em não atrelar seus nomes a produtos comprometedores, emissoras de TV no geral e alguns programas em particular continuam insistindo em baixar o nível. Entendem que com isso a audiência pode vir mais fácil. Foi-se o tempo”. Comentário de Flávio Ricco, no Uol.

E CÁ – “A cada dia o telespectador tem se mostrado mais exigente diante de tantas opções hoje oferecidas pela televisão, aberta ou fechada, e mesmo fora dela, ninguém se vê mais obrigado a aguentar o que não presta. É simples assim”, do mesmo Flávio Ricco.

O futebol fora da Band
VEM AÍ – A Band (SP) anuncia, nesta terça-feira, sua nova programação televisiva “voltada ao gosto do povo” e confirma que estará fora das transmissõ...
Comércio local fora do horário nobre
DE BRISA – TV Morena continua com tabela de preços discricionária em sua grade publicitária. No horário nobre não existe veiculação significativa de ...
TVE tem novidade na cobertura do futebol de MS
VÍDEO MONITORAMENTO - Promotoria de Justiça do Patrimônio Público e Social de Dourados instaura Inquérito Civil para investigar eventual irregularida...
Só Corumbá terá Carnaval na televisão
MAMÃE EU QUERO – Procura-se o responsável pelo apoio midiático e discriminatório do governo do Estado. Apenas a Festa de Momo, de Corumbá, foi privil...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions