A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 25 de Julho de 2017


  • De olho na TV
  • De olho na TV

    com Reinaldo Rosa


19/05/2017 10:00

O bagunçado e voraz mercado local das rádios

Reinaldo Rosa

SENHORES PASSAGEIROS – Nivaldo Mota, João Flores, Miltinho Viana e Marcelo Nunes têm algo em comum. Foram revelados para o rádio de MS originários dos acanhados estúdios da antiga e velha Estação Rodoviária de Campo Grande. 

ONDE ANDAM – Manual de Redação existe (ou não) para ser respeitado. Redes sociais são territórios livres. Estranha-se o sumiço de jornalistas da TV Morena do Facebook; até aquelas fotos de viagens internacionais. Estranho.

MUITO PRAZER – Campo Grande é, no papel, cidade sede da AEMS (Associação de Emissoras de Rádio e Televisão de Mato Grosso do Sul). Também no papel, consta que o presidente da entidade é Rosário Congro Neto, que não abre suas portas nem para a limpeza do local. Guarda pó.

CARTEL – Fundada por Luis Lands de Farias, a AEMS nasceu sob escopo de cuidar de interesses patronais de emissoras de rádios locais. Choques de opiniões pessoais, políticas e familiares, colocaram a entidade no arquivo morto de pretensos administradores da comunicação.

COMPRA-SE EMENDAS – Antes do ‘Engavetador Geral da União’, José Ribamar Sarney tinha concessões de rádios como moeda de troca em sua administração. Vários detentores de poder e amigos dos amigos, na época, entraram no campo da comunicação pelas portas dos fundos.

LEVEI DIAS – Entre laranjas, atos rasteiros e a falta de tarimba dos contemplados para o mercado radiofônico, vários desses mimos mudaram de mãos e endereços. Com idênticas programações, empresários da comunicação buscam apenas a sobrevivência de seu naco.

ENXOFRE – Emissora de FM, com excelentes índices de audiência, mantém a mais cara inserção publicitária sem descuidar da qualidade de programação. É de fora de Mato Grosso do Sul, claro. Rádios locais disputam a tapa anunciantes sem pudor de diminuir preços em relação à concorrência. Às favas a ética.

EM OUTRA – Emissoras educativas concedidas a universidades têm, entre outras finalidades, criar futuros comunicadores para o mercado. ‘FM UFMS’ e ‘FM Uniderp’ disputam o ibope de audiência esquecendo-se de criar laboratório para seus alunos. Assim a banda toca.

VALE ISSO, ARNALDO? – Leis existem para serem descumpridas. Duas rádios educativas de Campo Grande preparam-se para entrar no mercado comercial e disputar o exíguo plantel de anunciantes com emissoras que têm décadas de existência em MS. Acorda AEMS.

TÃO NOVA – FM Educativa, sem laboratório para acadêmicos, acena com entrada para disputar o mercado comercial com emissoras idem. Confusão administrativa é tanta que já existem setores da rádio corredor afirmando que a emissora sairá do ar em breve.

VC NA COLUNA – “O Willian Waack apresentou o ‘Jornal da Globo’ como se estivesse em um enterro. A Globo está morrendo de vergonha”. Maurício Hugo Rodrigues.

Versão de quadro nacional apelativo gera queixas
NEM VEM – Espectadores que acompanham o 'Meu Mato Grosso do Sul' pela TV Morena ficaram surpresos com edição da semana passada. Rogam que não se repi...
Transmissão de futebol tem novidade na rádio local
ESPECIAL DO RÁDIO – Arthur Mário estreou na Difusora 101 FM, de Campo Grande. Serviço especial da emissora na partida entre Flamengo x Palmeiras nest...
Programa regional da espaço pela metade à música de MS
COMO O MESTRE MANDA – A 'Som Livre' joga no mercado cantores de repertórios e qualidade duvidosos, proporcionando-lhes considerável visibilidade. Obj...
Rádio dá espaço a defensores do fim dos "direitos humanos"
CONSERTO PARA A JUVENTUDE – Dois jovens marcaram presença no 'Tribuna Livre', da Capital FM nesta semana. Os moçoilos pediram "o fim dos Direitos Hum...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions