A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 25 de Fevereiro de 2017


  • De olho na TV
  • De olho na TV

    com Reinaldo Rosa


08/04/2013 15:52

Os dias de jornalistas

Reinaldo Rosa

CRUZ E ESPADA - Amada por uns, odiada por outros e sonhada por milhares, a profissão de reveladores dos acontecimentos enseja muitas contradições. A busca de ‘furos’, principalmente, serve de exemplos de como não exercer a função com maiores cuidados.

ESPELHO MEU - Considerada como o quarto poder por alguns e o primeiro para outros, a função é, na realidade, um espelho da sociedade. Fatos cotidianos fazem a história; jornalistas apenas a descreve. A falta de filtragem dos dados no momento da produção da notícia é que, ao invés de ‘furos’ registram ‘barrigas’ que baixam um pouco a crista de onipotentes escrevinhadores de acontecimentos.

MODISMOS – Aberta a modismos verbais e adverbiais, parte da imprensa sempre esteve receptiva para celebrar a chegada de frases de efeito; principalmente se partir de cabeças premiadas e respeitadas da política. At level top foi literalmente traduzida para o português pelo ex bam bam bam do milagre econômico, Delfin Neto e, até hoje, colegas usam o tal “ a nível de”.

ENQUANTO ISSO – E o que dizer de moderninhos que abusam do ‘fulano enquanto profissional tal’? O ‘fulano (que é) profissional tal’ fica mais direto e sem pena de pavão desnecessária na informação. Simples assim.

VEJA BEM – Na busca incessante ‘pelo novo’ a revista Veja produziu (na mais pura acepção) a maior ‘barriga’ da imprensa –talvez mundial- com a criação de um tal de Fernando Collor. Sem comentários desnecessários, o Brasil e o mundo viram no que deu.

PENEIRA – Conseqüências de matéria mal feita sobre a Escola de Base, em São Paulo ilustram como a atividade não deve ser praticada. Jornalismo investigativo não pode ser confundido com aventura interna de Sherlock Holmes de redação.

MEIO VAZIO – ‘Professor e mestre’ maior de boa parte de jornalistas, a rede Globo serve, também, para a divulgação do cômodo ‘aonde a vaca vai, o boi vai atrás’. Bastou que um iluminado da redação da emissora escrevesse ‘risco de morte’ para boa parte assumir tal forma redacional.

MEIO CHEIO – Há de chegar o dia em que o mesmo ‘iluminado’ vai ensinar a diferença com o ‘risco de vida’ que um infeliz está correndo. Viver deixou de ser também um risco?

PERIGO CONSTANTE – Ao volante da notícia o jornalista sabe onde pisa. Imprensa não foi criada para dar boas notícias; o público alvo é receptivo a tragédias. Profissionais que resolveram enfrentar ‘a realidade dos fatos, doa a quem doer’ pagaram com a vida essa opção.

SINTO MUITO – Como é bom saber que existe o Comitê Interamericano de Imprensa; ABI e sindicatos afins e o noticiário isento. A cada morte de jornalista corresponde um protesto das entidades e a cada protesto uma ‘solução exemplar’. Como notícia de canto de página em dois centímetros de coluna que se esvairá no esquecimento e no tempo.

TRAGÉDIA ANUNCIADA – O fascínio pela profissão de formadores de opinião é tanta que, certamente vista (por alguns) pelo lado do glamour, rege a opção de universitários da área de comunicação. Milhares são formados e despejados num mercado incapaz de absorvê-los.

O QUÊ FAZER COM ESSA TAL LIBERDADE – “Posso não concordar com uma só palavra do que dizes, mas não tirarei de ti o direito de fazê-lo”. Frase –não literal- criada por alguém que gostava de colocar no papel aquilo que pensava. Atento às duas partes do que escrevia.

ABRAÇÓDROMO - Abraços a você que se preocupa em escrever a história da cidade, do estado, do país e do mundo. No ano, todos os dias são sete de abril; a opção foi nossa.

Programa resgata causos do futebol regional
CONTA OUTRA – O futebol sul-mato-grossense – graças a alguns – vive na história do torcedor local. Jogadores, dirigentes e técnicos estão no ‘Conto d...
Público dando um show no futebol de MS
QUEM NÃO AJUDA – Domingo de ‘Comerário’ no Morenão. Se dependesse apenas dos torcedores, o futebol de Mato Grosso do Sul teria vida longa no cenário ...
Caso da primeira-dama hackeada passou batido
EMPODERADO II – Talmir Nolasco, outro personagem histórico do rádio de MS, ‘deu um tempo’ aos microfones. Depois de atuar na campanha eleitoral do PS...
Rádio local disputa espaço com futebol na TV fechada
EMPODERADO – Personagem da história do rádio sul-mato-grossense, Nivaldo Mota atualmente dedica o talento em outras ondas. Em tempo real, entrevista ...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions