A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 20 de Novembro de 2017


  • Finanças & Investimentos
  • Finanças & Investimentos

    Emanuel Steffen - www.mayel.com.br


14/09/2015 09:50

Como investir no exterior?

Por Emanuel Gutierrez Steffen (*)

Sabemos que o Brasil atravessa por uma fase de alta nos juros e no câmbio, bem como por um constante sobe e desce da Bolsa que têm deixado muitos investidores e economistas cautelosos em relação ao mercado nacional.Cautela essa que acompanha principalmente aqueles investidores que sofreram perdas ao concentrar muito capital em carteiras pouco diversificadas. Afinal, a regra de ouro no universo do mercado financeiro é diversificar sempre, para assim minimizar os riscos de prejuízo com os ativos em alta compensando as prováveis perdas causadas pelos ativos em baixa.

Diante desse cenário, muitos investidores brasileiros buscam diversificar a sua carteira investindo no exterior, seja em ações, títulos públicos e privados, câmbio e inclusive commodities.O Banco Central conceitua como "investimento no exterior" aquisições de ações das empresas estrangeiras. Essas aquisições podem ser formalizadas no próprio Brasil por meio das BDRs ("BrazilianDepositaryReceipts") ou diretamente pelo exterior.

Tal qual os investidores estrangeiros que colocam dinheiro no mercado brasileiro, o inverso vem se tornando uma prática cada vez mais comum, principalmente a partir de 2006, ano em que o Banco Central autorizou os brasileiros a aplicarem em fundos de investimento internacionais.Para quem não sabe, fundo de investimento é uma aplicação financeira que funciona como se fosse um condomínio, onde as pessoas somam recursos para investir em conjunto. Comparado ao que um investidor comum costuma aplicar, os fundos envolvem grandes volumes em negociações a custos menores, o que confere ganhos em rentabilidade. Logo, os fundos proporcionam grande acessibilidade, uma vez que mesmo aqueles que não possuem grandes montantes para investir podem se beneficiar com o fracionamento da aplicação.

Os fundos são compostos por cotas, onde o investidor aplica seu dinheiro. O patrimônio de um fundo é formado pelo conjunto de cotas adquiridas por diversos investidores, que oscilam de acordo com a rentabilidade dos ativos em carteira. Basicamente, os fundos de investimento podem ser abertos, onde é possível aplicar no momento em que o investidor preferir, ou fechados, no quais só é permitido investir por um período pré-determinado e fazer o resgate no vencimento.Para se ter uma ideia, nos últimos anos a BM&FBovespa vêm juntando recibos de ações de companhias consagradas no mercado mundial como a Amazon, Google, Coca-Cola, Apple, Amazon, McDonald's e Nike, entre várias outras.

E como faço para investir no exterior?

Para quem possui vontade de se aventurar no mercado internacional, é recomendável estudar minuciosamente os riscos e a política do mercado estrangeiro considerando o câmbio, o momento da economia etc. Aqueles que não se sentirem seguros o suficiente ou não tiverem tempo para acompanhar o mercado lá fora podem contar com empresas gestoras de capital focadas no mercado estrangeiro. Tais empresas costumam alocar recursos em fundos de investimento, o que diminui o risco de perda e busca rentabilizar o investimento ao concentrar o capital em ativos escolhidos a dedo sob um olhar clínico de especialista.

Antes de enviar dinheiro para fora do país, é imprescindível que o investidor entre em contato com um representante comercial do fundo desejado e analise todos os trâmites necessários para a aplicação. Paralelamente, é recomendável avisar o gerente do seu banco sobre a troca de câmbio e ficar a par das instruções da instituição bancária sobre como o dinheiro deve ser enviado.

Além disso, investir lá fora requer um montante inicial nada modesto e deve ser declarado no imposto de renda da mesma forma como se faz com os investimentos feitos no Brasil. Só é importante atentar-se que se o valor for igual ou acima de US$ 100 mil dólares é importante prestar contas ao Banco Central também.

Por fim, é importante ressaltar que conforme a disponibilidade de ativos financeiros for aumentando, a confecção da carteira se tornará cada vez mais trabalhosa para o investidor. As inúmeras opções de fundos disponíveis no mercado deixam muita gente confusa na hora de decidir qual é o ideal de acordo com seu perfil e objetivo. Portanto, nessa hora será fundamental contar com a figura de um gestor de recursos para extrair máximo de ganho que um investimento pode proporcionar.

Fonte: blog.rico.com.vc
Disclaimer – A informação contida nestes artigos, ou em qualquer outra publicação relacionada com o nome do autor, não constitui orientação direta ou indicação de produtos de investimentos. Antes de começar a operar no SFN - Sistema Financeiro Nacional o leitor deverá aprofundar seus conhecimentos, buscando auxílio de profissionais habilitados para análise de seu perfil específico. Portanto, fica o autor isento de qualquer responsabilidade pelos atos cometidos de terceiros e suas consequências.

(*) Emanuel Gutierrez Steffen, criador do portal www.mayel.com.br

 

7 Dicas práticas de economia com o lazer
1.Aproveite mais os pequenos prazeres da vida: Uma volta no parque, um cochilo na rede, um piquenique no jardim e um filme com pipoca em uma tarde ch...
Riqueza é ter tempo para você e quem você ama
Tornar-se mais produtivo, ganhar tempo para aproveitar melhor a vida ou trabalhar mais e ganhar mais. São muitas as razões para perseguirmos a produt...
Reserva financeira: 9 passos fáceis para construir a sua
Reserva financeira, fundo de emergência, colchão financeiro. Não importa o nome que você dê. Se você ainda não tem de três a seis salários guardados ...
Confesse: quantas vezes tentou organizar finanças?
Confesse: você já tentou diversas vezes começar a organizar as finanças, diminuir os gastos, aumentar as receitas, investir e etc., mas volta e meia ...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions