A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 21 de Setembro de 2018


  • Finanças & Investimentos
  • Finanças & Investimentos

    Emanuel Steffen - www.mayel.com.br


15/07/2016 08:28

Crianças e a educação financeira

Por Emanuel Gutierrez Steffen (*)

Convido você a refletir sobre o quanto o mundo é impactado pelo consumo gerado pelas crianças e adolescentes. Pense o quanto eles influenciam nas compras que a família realiza. Agora observe que os pais sem limites, sem educação financeira, não contribuem na formação e muito menos, na independência de seus filhos.

Como afirma Cássia D’Aquino, educadora de crianças, “colaborar para que os filhos cresçam tão conscientes quanto possível das escolhas que fazem, aptos a ponderar sobre elas, de modo a querer e arcar com as suas consequências, é uma das tarefas mais importantes e delicadas a serem desempenhadas pelos pais”. Se a criança for progressivamente educada de tal modo que consuma de forma consciente, e perceba o valor de poupar, então, como pais e educadores, estaremos contribuindo com a formação de cidadãos que entendem a diferença entre querer e precisar.Essas pessoas terão condições de serem realmente independentes, e na vida adulta, terão uma relação saudável, equilibrada e responsável com o dinheiro.

E os Pediatras neste contexto, como ficam? Eles não ficam, pois já estão atuando, contribuindo e defendendo, cada vez mais, a prevenção. O pediatra é o primeiro geriatra de um ser humano. Como muitos dos bebes que estão atendendo hoje viverão 100 anos, uma orientação transformadora sobre nutrição, saúde e bem-estar faz parte do seu dia a dia, especialmente nos consultórios. E ao falar em bem-estar, reforçamos a qualidade de vida, que é resultado de uma boa nutrição, prática do exercício físico regular e por que não também do equilíbrio financeiro, pautado no consumo consciente e na formação de poupança e investimentos que permitam desfrutar uma vida mais plena, em cada uma de suas fases.

Dicas para tratar deste assunto com as crianças:

1 - Pratique o que prega: o melhor exemplo é a sua conduta no dia a dia. Seu filho sempre vai aprender vendo como agem os pais. No manejo do dinheiro não é diferente. Compartilhe pequenas conquistas.

2 - Quanto antes iniciar seu filho no uso correto do dinheiro, melhor: isso se assemelha ao aprendizado de uma nova língua. Quanto antes iniciar, mais cedo será internalizado na sua conduta diária e fará parte da sua personalidade.

3 - Sempre é hora de começar a iniciação, nunca é tarde: a educação financeira é como qualquer outro conhecimento; quanto mais se conhece, maior será a nossa competência para corretamente gastar, poupar e investir.

4 - Leve seu filho para fazer compras no supermercado, no shopping, na padaria: permita que ele acompanhe o abastecimento do carro. No restaurante, antes de pagar a conta, peça a ajuda dele para conferir os preços.

5 - Sempre compre à vista e negocie: Peça descontos na frente do filho e nunca aceite a primeira proposta. Regateie, negocie.

6 - Evite comprar a prazo: explique os motivos e as vantagens de não cair na cilada dos juros. Fale sobre os juros ruins da dívida.

7 - Sempre abra o cofrinho ou porquinho na sua presença: faça-o participar da contagem do valor poupado.

8 - Leve o seu filho nas instituições financeiras: permita que ele leve o “porquinho” (dinheiro poupado), até o caixa do banco. Explique ao seu filho todo o procedimento. Estas são experiências marcantes. É praticando que se aprende o valor das coisas.

9 - Ensine a matemática do dinheiro: a partir dos 8 ou 10 anos a criança já compreenderá a dinâmica, o valor e os efeitos da correção monetária e dos juros da sua poupança. Estes são os juros bons! E quando for adolescente, sobre os juros compostos e seus efeitos positivos para os seus investimentos.

Compartilhe conteúdos de finanças: mostre uma dica ou alguma matéria curta sobre o uso correto de investimentos que você julgue ser instrutiva. Vale também alguma curiosidade ou história.

Conclusão - Pediatras e pais, eu tenho uma proposta: sempre que possível, vamos plantar e regar uma semente da prosperidade? Vamos contribuir com a melhoria da qualidade de vida das nossas crianças?Por que não aproveitamos o trabalho de promoção da saúde para também promover a construção da sustentabilidade econômica e financeira destes pequenos, de forma complementar? Sempre é hora de aprender e praticar! Façamos a nossa parte.

Fonte:Roberto Sato/Dinheirama.com.br
Disclaimer – A informação contida nestes artigos, ou em qualquer outra publicação relacionada com o nome do autor, não constitui orientação direta ou indicação de produtos de investimentos. Antes de começar a operar no SFN - Sistema Financeiro Nacional o leitor deverá aprofundar seus conhecimentos, buscando auxílio de profissionais habilitados para análise de seu perfil específico. Portanto, fica o autor isento de qualquer responsabilidade pelos atos cometidos de terceiros e suas consequências.

(*) Emanuel Gutierrez Steffen é criador do portal www.mayel.com.br

Tabelamentos, soluções mágicas e a ruína da América Latina
Segundo Albert Einstein, fazer a mesma coisa e esperar um resultado diferente é sinal de loucura. Muitos políticos latino-americanos devem ser loucos...
“Justiça social” e o poder estatal
Se você perguntar a dez progressistas o que significa justiça social, você terá dez respostas diferentes. E é assim porque "justiça social" significa...
Pseudointelectuais X Capitalismo
Por que os intelectuais sistematicamente odeiam o capitalismo? Foi essa pergunta que Bertrand de Jouvenel (1903-1987) fez a si próprio em seu artigo ...
O impacto do blockchain na economia mundial
No ano passado, uma das criptomoedas mais conhecidas dos últimos tempos sofreu uma supervalorização, chegando a ser cotada a quase US$ 20 mil. O boom...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions