ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JUNHO, DOMINGO  16    CAMPO GRANDE 24º

Rede de apoio

Ansiedade Ambiental ou Ecoansiedade

Por Lia Rodrigues Alcaraz (*) | 17/05/2024 14:40

A ansiedade ambiental, também é conhecida como ecoansiedade, é uma condição psicológica caracterizada pelo medo crônico de uma catástrofe ambiental. Esse fenômeno emergente reflete a crescente preocupação das pessoas com as mudanças climáticas, a perda de biodiversidade, a poluição e outros problemas ecológicos que ameaçam a saúde do planeta.

O termo foi apresentado em 2017 pela Associação Americana de Psicologia, concluindo como: “medo crônico de sofrer um cataclismo ambiental que ocorre ao observar o impacto, aparentemente irrevogável, das mudanças climáticas”. Em 2021, entrou para o prestigioso dicionário de Oxford, já a Academia Brasileira de Letras (ABL), define a palavra como: “estado de inquietação e angústia desencadeado pela expectativa de graves consequências das mudanças climáticas e pela percepção de impotência diante dos danos irreversíveis ao meio ambiente”. A ecoansiedade não é uma condição oficialmente reconhecida nos manuais diagnósticos de transtornos mentais, como o DSM-5, mas tem ganhado atenção significativa entre psicólogos e outros profissionais de saúde mental. Esse tipo de ansiedade pode manifestar-se de várias formas, incluindo sintomas físicos como insônia, fadiga e dores de cabeça, além de sintomas emocionais como sentimento de impotência, tristeza profunda e até depressão.

A principal causa da ecoansiedade é a percepção crescente dos riscos ambientais e a sensação de que as ações individuais ou coletivas são insuficientes para deter a degradação ambiental. As notícias frequentes sobre desastres naturais, o aumento das temperaturas globais e a devastação de ecossistemas contribuem para um sentimento de desamparo e urgência. Além disso, a percepção de que as políticas governamentais e corporativas são inadequadas para enfrentar essas crises pode agravar o sentimento de desesperança.

A ansiedade climática é uma resposta compreensível e legítima às ameaças reais e percebidas das mudanças climáticas, vivenciar ou simplesmente acompanhar as notícias de eventos climáticos extremos, como furacões, enchentes ou incêndios, podem causar traumas e aumentar a percepção de vulnerabilidade. No pós-pandemia, e ainda se reestruturando, esse sentimento traz uma ameaça de perspectiva que os ecossistemas inteiros podem ser destruídos, e essa possibilidade, fantasiosa, pode resultar na perda de biodiversidade. Todos esses sentimentos convergem. E geram um profundo sentimento de perda e luto. Devemos nos preocupar quando o seguinte alerta começar a aparecer: sintomas e crises ansiosas de forma intensa e recorrente, deixando de ser algo pontual, prejudicando as atividades diárias e necessárias, como o sono, alimentação, vida social, esses sentimentos podem se alastrar para sintomas físicos e até evoluir para síndrome do pânico, por isso a necessidade de sempre buscar ajuda psicológica.

(*) Lia Rodrigues Alcaraz é psicóloga formada pela UCDB (2011), especialista em orientação analítica (2015) e neuropsicóloga em formação (2024). Trabalha como psicóloga clínica na Cassems e em consultório.

Nos siga no Google Notícias