ACOMPANHE-NOS    
JULHO, QUINTA  29    CAMPO GRANDE 

Direto das Ruas

Grupo faz treino funcional em ônibus como protesto por fechamento de academias

Dois pedidos de liminar contra decretos já foram negados pela Justiça por considerar que o momento é grave

Por Ana Beatriz Rodrigues | 24/03/2021 12:34



Professores de treinamento funcional usaram os ônibus para exercícios físicos na manhã desta quarta-feira (24), como forma de protesto em razão do novo decreto que proíbe a abertura de academias durante a semana que antecipa os feriados. Eles não aceitam as alegações de esforço concentrado feito pelo município para reduzir os casos de covid-19.

Kelly Trindade, de 29 anos, é dona de box de Cross Training na cidade e resolveu organizar a manifestação. "Optamos por um horário que o ônibus estivesse vazio, pois sabemos que em geral não é bem assim", explica. A revolta é pela liberação do transporte, considerado serviço essencial, e restrição a outras atividades.

"O fechamento do espaços para estas práticas, sejam academias, box, estúdios vem contra todas estas recomendações de saúde e se justificam com o fato do exercício físico poder ser praticado mesmo que fora destes ambientes. Aí nos deparamos com mais uma ignorância, pois o exercício físico sem orientação traz inúmeros riscos, desde mais leves até extremamente severos", reclama Kelly.

O protesto foi feito por volta das 9h30 na linha Dom Antônio/Lageado, assim que saiu do terminal Aero Rancho na região Sul da Capital.

Na tarde de ontem (23) algumas academia acionou a Justiça, pedindo o aval do Poder Judiciário para abrir as portas nesta semana de feriados antecipados. A DDG Academia, localizada na Vila Carlota, alegou que foi impedida de exercer sua atividade comercial. O mandado de segurança tramita na 4ª Vara de Fazenda Pública

Supermercados e advogados também acionaram a Justiça, mas já tiveram as liminares negadas.

Na avaliação do juiz Ricardo Galbiati, da 2ª Vara de Fazenda Pública, sobre funcionamento de escritório de advocacia, as restrições são momentâneas e “sob qualquer ótica que se analise a matéria, no presente momento, os argumentos apresentados” não têm “solidez imprescindível ao deferimento da liminar”.

Ele defende que , em razão da covid-19, é preciso "otimizar o ideal de prevenção, que à princípio constata-se no Decreto Municipal nº 14.683 de 19 de março de 2021". O magistrado ressalta que o decreto segue “postura cautelosa para mitigar a circulação de pessoas e o risco de contágio”.

Na decisão contrária aos supermercados, o juiz da 1ª Vara de Direitos Difusos, Coletivos e Individuais Homogêneos, Ariovaldo Nantes Corrêa destacou que a Capital tem bandeira cinza no Prosseguir (Programa de Saúde e Segurança na Economia), que sinaliza risco extremo para a covid-19

Direto das Ruas – A sugestão chegou ao Campo Grande News por meio do canal Direto das Ruas, meio de interação do leitor com a redação. Quem tiver flagrantes, sugestões, notícias, áudios, fotos e vídeos pode colaborar no WhatsApp pelo número (67) 99669-9563.

Clique aqui e envie agora uma sugestão.

Para que sua imagem tenha mais qualidade, orientamos que fotos e vídeos devem ser feitos com o celular na posição horizontal.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário