A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 19 de Agosto de 2018

02/03/2018 14:38

Com 1.589 vagas, criação de empregos em janeiro é a maior em seis anos

Saldo resultou, sobretudo, do desempenho do setor da agropecuária

Osvaldo Júnior
Emprego no campo apresentou o maior crescimento entre os setores da economia (Foto: João Carlos Castro/Senar-MS)Emprego no campo apresentou o maior crescimento entre os setores da economia (Foto: João Carlos Castro/Senar-MS)

Mato Grosso do Sul iniciou o ano com alta acentuada na criação de empregos. O saldo entre contratações e demissões foi de 1.589 novas vagas em janeiro, incremento de 82% na comparação com mesmo mês de 2017, conforme dados do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados), divulgados, nesta sexta-feira (dia 2), pelo Ministério do Trabalho.

O resultado é o maior para o mês no período de seis anos. Esse crescimento, no entanto, não foi acompanhado pela renda média do trabalhador sul-mato-grossense, que contabiliza queda nominal (sem considerar a inflação) de 0,94%.

De acordo com o Caged, em janeiro foram contratados 19.545 e demitidos 17.956 trabalhadores em Mato Grosso do Sul, resultando no saldo de 1.589 novos postos. São 718 empregos a mais que os 871 gerados em igual período de 2017. Considerando os anos imediatamente anteriores, a quantidade de janeiro de 2018 só é menor que a do mesmo mês de 2012, quando foram criados 1.970 empregos.

Entre os setores, o que mais ajudou a elevar a quantidade de empregos foi o da agropecuária. De janeiro do ano passado para o mesmo mês deste ano, o saldo de empregos no campo aumentou de 206 para 798. disparada de 287%.

Também apresentaram crescimento os setores de serviços (de 344 para 775) e o da indústria (de 340 para 366). O serviços industrias de utilidade pública terminou janeiro com resultado negativo (-15) mais brando que o do mesmo período de 2017 (-95).

Situação semelhante a do comércio (de -492 para -481) e do comércio (-492 para -481). Já a extrativa mineral (de 6 para -5), construção civil (de 370 para 152) e administração pública (2 para -1) retraíram o saldo de empregos.

Renda – Apesar da recuperação nas contratações, os trabalhadores continuam recebendo valores relativamente baixos. A renda média de admissão foi, em janeiro deste ano, de R$ 1.329,78. No primeiro mês de 2017, o rendimento médio era de R$ 1.342,36.

Novas regras – Os movimentos no mercado de trabalho, resultantes das mudanças na legislação trabalhista, também foram observados pelo Caged.

Em Mato Grosso do Sul, por acordo entre empregados e empregadores, foram demitidos 216 trabalhadores, mais que o dobro dos 102 desligados da mesma forma em dezembro do ano passado. Quanto ao trabalho intermitente, foram realizadas 12 admissões e 2 desligamentos nessa modalidade.

País – Em janeiro, foram abertas 77.822 vagas de trabalho formal em todo o Brasil, aumento de 0,21% em relação ao estoque de dezembro de 2017. Foram 1.284.498 admissões e 1.206.676 desligamentos.

Dos oito setores da economia, cinco tiveram saldos positivos. O principal deles foi o da indústria, que apresentou acréscimo de 49.500 postos, um acréscimo de 0,69% sobre o mês anterior. 

Aumento de benefícios a produtor rural pode ser vetado, diz secretário
O secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, disse hoje (17) que o governo federal estuda vetar a ampliação de benefícios a produtores rurais ...
Dólar fecha a semana cotado a R$ 3,91, acumulando alta de 1,31%
A moeda norte-americana encerrou hoje novamente (17) em alta de 0,24%, cotada a R$ 3,9147 na venda, fechando uma série de três pregões consecutivos d...
Hotel em Orlando ganha tema Jurassic World
Sempre se reinventando, Orlando não mede gastos para investir seja em novas atrações nos parques ou em estrutura e serviços para os turistas. Agora é...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions