ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JULHO, QUARTA  17    CAMPO GRANDE 27º

Economia

Com 26 milhões de toneladas em cargas, Nova Ferroeste deve impactar 3% no PIB

Projeto que ligará Mato Grosso do Sul e Paraná deverá ser leiloado na bolsa de valores brasileira em 2022

Guilherme Correia | 24/05/2021 09:19
Conforme o projeto, os trilhos dessa nova malha ferroviária deverão ser de bitola mista - estreita e larga (Foto: Divulgação)
Conforme o projeto, os trilhos dessa nova malha ferroviária deverão ser de bitola mista - estreita e larga (Foto: Divulgação)

Prevista para que saia do papel no ano que vem, a ferrovia Nova Ferroeste deverá contribuir para o transporte de 26 milhões de toneladas de carga anuais - o equivalente a mais da metade da produção do agronegócio de Mato Grosso do Sul, Paraná, Santa Catarina e também do Paraguai.

De acordo com estudo de demanda, feito pelos governos do Mato Grosso do Sul e Paraná e apresentado a representantes dos ministérios da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, da Infraestrutura e da Economia neste mês, há previsão de impacto de 3% no Pib (Produto Interno Bruto), beneficiando nove milhões de pessoas e reduzindo custos do escoamento da produção sul-mato-grossense.

Conforme publicação feita pela Semagro (Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar), maioria (69%) das cargas deverão ser destinadas para a exportação e importação e 31% para o mercado interno. Na lista de produtos que devem ser transportados pela ferrovia estão a soja, o milho, trigo, açúcar, óleo e farelo de soja, carnes, adubos, fertilizantes e combustíveis.

Até o final deste ano, processos de licenciamento têm sido feitos junto ao Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis), Funai (Fundação Nacional do Índio), Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária) e Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional), para que o projeto possa ser conduzido e leiloado na B3, a bolsa de valores brasileira, em 2022.

O investimento privado terá extensão de 1.285 quilômetros, ligando Cascavel (PR) a Maracaju (MS) - no Estado, a malha ferroviária entrará por Mundo Novo e passará por Eldorado, Iguatemi, Amambai, Caarapó, Dourados e Itaporã.

Segundo o titular da Semagro, Jaime Verruck, o estudo também aponta a ferrovia como elegível para critérios sustentáveis, de forma a incentivar ainda mais o financiamento do projeto. “O projeto, desde a sua concepção, levou em conta as questões de engenharia e meio ambiente. Na definição do traçado, nós evitamos passar por unidades de conservação e suas zonas de amortecimento e por áreas indígenas ou quilombolas", afirmou.

Vale lembrar que o aumento de atividades ferroviárias pode reduzir a quantidade de caminhões nas estradas, cuja queima do combustível contribui para emissão de gases do efeito-estufa. "Haverá redução na emissão de gases de efeito estufa quando passarmos essa carga do caminhão para o trem”, completou.

Na publicação, o secretário estadual comentou que projeto de lei pode ser elaborado para autorizar qualquer empresa a construir terminais e se conectar à ferrovia, para que o setor privado também avalie o impacto dessa estrutura e realize conexões e investimentos.

“Os ministérios da Agricultura e Infraestrutura avaliam o projeto como estratégico para o País, pois cria uma importante estrutura ferroviária em uma região já consolidada na questão agrícola", avaliou Verruck, otimista quanto ao lançamento dessa obra.

Mapa da ferrovia, que passará pelo Paraná e Mato Grosso do Sul (Foto: Divulgação)
Mapa da ferrovia, que passará pelo Paraná e Mato Grosso do Sul (Foto: Divulgação)
Nos siga no Google Notícias