A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 20 de Outubro de 2019

31/07/2019 15:35

Confiança do empresário do comércio cai pelo 4º mês seguido na Capital

Indicador medido pela Fecomércio-MS mostra frustração com resultados da economia

Humberto Marques
Rua 14 de Julho, um dos principais centros comerciais da cidade; empresários do setor se mostram pouco otimistas com a economia. (Foto: Arquivo)Rua 14 de Julho, um dos principais centros comerciais da cidade; empresários do setor se mostram pouco otimistas com a economia. (Foto: Arquivo)

Pelo quarto mês consecutivo, a confiança do empresário campo-grandense registrou queda em junho, e atingiu o menor patamar desde novembro de 2018. O Icec (Índice de Confiança do Empresário do Comércio) chegou a 121,8 pontos, atribuído à demora na reação da economia –que desde 2014 sofre efeitos da crise– mesmo diante de medidas anunciadas pelo governo.

“Como a economia não reagiu da forma que o mercado esperava, o comerciante está mais cauteloso e observando piora nas condições atuais”, considerou o presidente do IFP-MS (Instituto de Pesquisas da Fecomércio-MS, a Federação do Comércio de Mato Grosso do Sul). Os dados da pesquisa foram apurados pela CNC (Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo).

O Icec ainda está cima do registrado em julho do ano passado, quando o indicador atingiu marca de 110,2 pontos. Em agosto de 2018, chegou-se à marca dos 107,4 pontos, sucedida por uma onda de otimismo que se seguiu durante o período eleitoral.

O auge do marcador nos últimos 13 meses ocorreu em março, quando o Icec chegou a 141,5 pontos. Desde então, foram quatro quedas consecutivas, até se atingir os números de julho de 2018. A retração acompanha o cenário nacional, no qual há a avaliação de que a melhora da economia depende da continuidade das reformas da previdência –aprovada pela Câmara Federal no fim do primeiro semestre– e tributária.

A redução na confiança também representou queda na perspectiva de investimentos, com o índice caindo 9,1% frente a junho, e quanto a contratações, onde houve baixa de 1,3%.

Avaliações – A maioria dos entrevistados (39,9%) considera que as condições atuais da economia melhoraram um pouco, contra 30,2% que viram leve piora e 25% para quem a situação piorou muito. Já 4,9% dos entrevistados consideram que o cenário melhorou muito. As percepções mais positivas aparecem entre empresas com mais de 50 empregados.

De forma semelhante, 36,8% consideram que as condições do setor em que atuam melhoraram um pouco, contra os 31,3% para quem elas pioraram um pouco. Outros 22,2% dizem que o quadro pirou muito, e 9,6% que houve muita melhora.

Icec mostra recuo pelo quarto mês consecutivo na Capital. (Imagem: Divulgação)Icec mostra recuo pelo quarto mês consecutivo na Capital. (Imagem: Divulgação)

Em relação à condição da própria empresa, a percepção de que houve pouca melhora também foi a mais lembrada (36,6%), com a de leve piora em sequência (28,2%). Contudo, 20,3% consideram que a situação melhorou muito, e 14,9% que piorou muito.

Economia – O levantamento mostra que, mesmo com o cenário negativo, há certo otimismo entre os empresários do comércio. Para 39,9%, a economia vai melhorar muito, enquanto 48,8% esperam pouca melhora. Para 11,1%, haverá piora.

A previsão para o comércio é mais animadora: 43,3% esperam muita melhora, e 47,6% acreditam que o setor vai melhorar um pouco. Para 9,2%, o setor ainda enfrentará momentos ruins.

Os melhores resultados aparecem em relação ao futuro do próprio negócio: 48,9% acreditam que suas empresas vão melhorar muito e 47,7% que melhorarão um pouco. Para 2,8%, haverá pouca piora, e apenas 0,6% esperam que o quadro vá piorar muito –novamente, empresas com mais de 50 empregados dominam o cenário positivo, não havendo perspectiva de piora.

Emprego e investimento – Com o quadro atual e as perspectivas para o comércio, mais da metade dos empresários entrevistados esperam realizar contratações –50,1% admitem aumentar pouco o quadro de pessoal e 16,7% que vá aumentar muito. Outros 26% admitem baixa redução na equipe de colaboradores, enquanto 7,2% pretendem reduzir muito.

O nível de investimento, por seu turno, divide-se entre um pouco maior (33,7%) e um pouco menor (33,2%). Nos extremos, 18,2% preveem investir mais (em 100% dos estabelecimentos com mais de 50 funcionários, esta foi a única opção citada) e em 15,9%, muito menor.

Por fim, o Icec ainda apurou que 58,6% dos empresários avaliam ter estoques adequados e 21,4%, acima do apropriado. Para 20%, são inferiores ao adequado.

O Icec visa a medir a percepção do empresariado do comércio sobre o nível atual e futuro para investimentos em curto e médio prazo, funcionando como “antecedente” das vendas a partir do ponto de vista dos lojistas.

Além dos percentuais, o estudo estabelece um indicador de 0 a 200 pontos, no qual a metade representa a fronteira entre insatisfação e satisfação do setor.

A pesquisa ouviu 185 empresários de Campo Grande, com margem de erro de 3,5 pontos percentuais para mais ou para menos nos últimos dez dias de junho.

imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions