A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 22 de Maio de 2018

19/04/2018 18:07

Governo muda regra de exportação de soja e milho nos portos da fronteira

Parte dos grãos exportados ficam livres da contrapartida da chamada lei da equivalência

Osvaldo Júnior
Vista do rio Paraguai em Porto Murtinho (Foto: Toninho Ruiz/Arquivo)Vista do rio Paraguai em Porto Murtinho (Foto: Toninho Ruiz/Arquivo)

Parte dos grãos destinados à exportação a partir de municípios da fronteira sul-mato-grossense fica livre da chamada lei da equivalência. O benefício, previsto em Decreto 14.989, publicado no Diário Oficial do Estado desta quinta-feira (dia 19), deve fomentar o escoamento pela hidrovia do Paraguai e embarques nos portos de Porto Murtinho, Corumbá e Ladário, além das exportações por Ponta Porã.

Para reduzir as perdas com a Lei Kandir (que prevê isenção fiscal a produtos primários destinados à exportação), o governo de Mato Grosso do Sul estabeleceu, em lei, que para cada tonelada de grão exportado o mesmo volume deve ser comercializado em operações internas do Estado. A medida é muito criticada pelo setor produtivo, que considera que ela desestimula a produção.

O decreto, publicado nesta quinta-feira, retira da obrigatoriedade dessa contrapartida parte da soja e de milho embarcados por aduanas de municípios da fronteira, o que se insere ao conjunto de ações para incentivar as exportações pelo Pacífico.

A publicação acrescenta dispositivos ao Decreto 14.262 de 2016, que criou o Programa de Estímulo à Exportação ou à Importação pelos Portos do Rio Paraguai. Conforme o decreto desta quinta-feira, 5% do volume de grão embarcado em Ponta Porã fica isento da contrapartida da lei da equivalência. No caso de Porto Murtinho, Corumbá ou Ladário, a parcela beneficiada é de 7,5%. Esse percentual considera a quantidade total exportada a partir desses municípios no ano anterior.

O presidente do Setlog/MS (Sindicato dos Transportadores de Cargas e Logística do Estado de Mato Grosso do Sul), Claudio Cavol, avalia positivamente as medidas. “O que a classe produtora revindica há muito tempo é o fim da lei da equivalência, porque essa lei diminui a nossa competitividade”, disse. “Mas as medidas de hoje já são um começo, já mostram a disposição do governo de estimular as exportações”, acrescentou.

Ele informou que os 5% de grãos, que ficam livres da lei da equivalência, em Ponta Porã correspondem a 182 mil toneladas de soja e 100 mil toneladas de milho. Já os 7,5%, referentes aos portos de Porto Murtinho, Corumbá ou Ladário, equivalem a 270 mil toneladas de soja e 160 mil toneladas de milho. São, no total, 712 mil toneladas de grãos exportados que não precisarão ter contrapartida equivalente na comercialização interna.



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions