A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017

08/04/2013 16:56

Investimentos de R$ 7,5 bilhões vão resgatar transporte ferroviário em MS

Carlos Martins
Senador Delcídio do Amaral: Quanto mais reduzir o frete, mais competitivos somos (Foto: Vanderlei Aparecido)Senador Delcídio do Amaral: "Quanto mais reduzir o frete, mais competitivos somos" (Foto: Vanderlei Aparecido)

O desenvolvimento econômico de Mato Grosso do Sul passa pela expansão da malha ferroviária. Os projetos estão previstos no PAC (Programa de Aceleração do Crescimento) e os investimentos planejados são de R$ 7,58 bilhões, recursos necessários a recuperação de trecho entre Corumbá e Bauru (SP) e ao Paraná, de onde a produção agrícola poderá ser escoada pelo porto de Paranaguá.

“São projetos que vão se viabilizar. São fundamentais para resgatarmos a ferrovia como modal de transporte competitivo”, disse o senador Delcídio do Amaral (PT), que fez uma exposição sobre o tema “Sistemas Ferroviários” durante o 1º Encontro de Gestores Municipais Consorciados na sede da Assomasul, nesta segunda-feira.

É mais barato transportar por ferrovia a produção agrícola, minérios e combustíveis. A previsão é que em cinco anos Mato Grosso do Sul seja o segundo maior produtor de etanol no País. O Estado ocupa posição estratégica: está ao lado de Minas Gerais e São Paulo, considerados os mais ricos do País, e também junto a países vizinhos, como Paraguai e Bolívia. Delcídio lembrou que Mato Grosso do Sul possui saída para o Atlântico e, com a revitalização das ferrovias, poderá ter saída também pelo Pacífico.

“O problema no Brasil é logística. Quanto mais reduzir o frete, mais competitivo nós somos não só para atender ao mercado interno como o externo. Num raio de 1.000 km de Campo Grande existem 122 milhões de consumidores. Ocupamos uma posição estratégica e a ferrovia é fundamental. Temos duas alternativas para atender os portos de Santos (SP) e de Paranaguá (PR)”, relatou o senador.

O Estado é cortado por duas malhas ferroviárias, a Oeste, que representa 5% da malha nacional, mas que apresenta vários problemas. “O trecho Indubrasil a Ponta Porã praticamente não existe e entre Indubrasil e Três Lagoas o trecho se arrasta”, disse o senador, lembrando que o traçado é excepcional, pois nasce em Bauru (SP) e vai até Corumbá.

A outra malha é a Norte, considerada a prima rica e que representa 1,7% da malha nacional. “Esta não tem nenhum problema estrutural. Da região do Alto Taquari são transportadas quase 9 mil toneladas por ano. Abrange Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, São Paulo, Goiás e Minas Gerais, levando cargas para o Porto de Santos”, explicou Delcídio.

Os planos de expansão estão sendo elaborados pela estatal EPL (Empresa de Planejamento e Logística), dirigida por Bernardo Figueiredo, e visa integrar as ferrovias com outros modais de transporte. Conforme deliberação da ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres), as concessionárias foram obrigadas a fazer a recuperação de vários trechos. O trecho do ramal de Ladário, de 5 km, já foi recuperado pela empresa ALL (América Latina Logística do Brasil S.A), que assumiu, também, o compromisso de recuperar entre 2014 e 2015 o trecho 2 até Ponta Porã.

Ferrovia em Corumbá: trecho até Bauru (SP) será recuperado (Foto: Rodrigo Pazinato)Ferrovia em Corumbá: trecho até Bauru (SP) será recuperado (Foto: Rodrigo Pazinato)

Mapeamento - “A empresa fez um mapeamento da malha ferroviária brasileira, levantando capacidade, carga, postos de abastecimento, tipo de vias, aspectos operacionais. Isso levou a criação de um marco regulatório que não existia. Esse trecho de Bauru a Corumbá, por exemplo, tem 90% de ociosidade”, disse o senador Delcídio do Amaral. Os investimentos preveem a aplicação de R$ 1,8 bilhão no trecho para a troca de dormentes e reforço dos trilhos. A vantagem é que nessa ferrovia já existe o licenciamento ambiental o que torna mais rápido a recuperação.

Os recursos serão viabilizados mediante os esforços da bancada federal, em conjunto com os governos federal e estadual. No trecho entre Estrela do Oeste, Panorama e Maracaju, os investimentos previstos são de R$ 3,26 bilhões e envolvem parceria público-privada. O outro projeto é a concessão do trecho 10 ligando Maracaju ao porto de Paranaguá, no Paraná, com investimentos de R$ 2,52 bilhões na implantação de um trecho de 343 km.

“O primeiro trecho pega a Ferrovia Norte-Sul e Ferroeste, integra a região de Maracaju, passando por Dourados no trajeto inicial. O traçado será discutido em audiências públicas”, explicou Delcídio. Existe também a previsão de incluir um ramal a Porto Murtinho, que seria local de transbordo do minério de ferro vindo de Corumbá.

A ferrovia pode também entrar em Mato Grosso do Sul vinda de Paranaguá (PR), passando por Cascavel (PR) e entrando no Estado por Mundo Novo, chegando a Maracaju. ”A ferrovia de Maracaju tem potencial para chegar em Mafra (SC) e até o porto de Rio Grande (RS). De Mafra dá para ir a Chapecó. Esta região, no Sul, é um pólo agroindustrial e potencial consumidora de milho e soja produzidos em Mato Grosso do Sul”, analisou Delcídio.

Licitação de ferrovia que liga Maracaju ao Paraná sai em maio
O governo Federal deverá licitar no mês de maio a ligação ferroviária entre Maracaju (MS), Cascavel (Ferroeste) e Engenheiro Bley (Lapa, no Paraná). ...
Estudo técnico sobre ferrovia entre Maracaju e Cascavel começa em outubro
Licitação para análise técnica está em fase final. A informação é da Valec, responsável pela construção de ferrovias no PaísO estudo de viabilidade ...


Parabéns ao ilustre senador Delcídio, homem de fibra, honesto e que demonstra grande interesse em ver a ferrovia funcionando no Brasil. É lamentável ver um país desse tamanho com uma via férrea não insignificante. Tudo isso deve-se ao ex-pres. Juscelino Kubitschek, que para desenvolver a industria automobilística no Brasil (Ford, Volks, GM) deixou de investir em ferrovias (1956). Triste decisão, que levou as ferrovias ao caos em meio século no brasil. Parabenizo ao Sr. Delcídio, pela postura firma e irredutível que tem demonstrado ao longo de sua carreira de senador. Defende a ferrovia em MS com toda sua garra, empenhando-se em mostrar a importância deste transporte para o seu estado que já teve seu apogeu ferroviario por várias décadas no inicio do séc. passado, através da Noroeste .
 
Antonio Lafaiete da Sillva em 20/04/2013 14:27:00
Vamos ver se isso sairá do papel, se os políticos não irão embolsar o dinheiro por que sair toda essa obra, irá trazer prosperidade para todo o estado e para o país.
 
WANDER CARDOSO VALIM em 09/04/2013 09:20:06
E isso aih Delcidio, comtamos com vc para alavancar de uma vez por todas o desenvolvimento do nosso Mato Grosso do Sul, e sabemos que tem capacidade sufuciente para isso, parabéns!!!!!
 
MARCOS PAULO HILLESHEIM em 09/04/2013 04:09:14
Não tenho partido político nenhum, mas pelo que parece nos últimos anos o Delcídio tem parecido uma autoridade mais preocupada com o progresso do estado, não sei até que ponto podemos realmente confiar, mas ultimamente na política ou você confia em alguma coisa ou chuta o balde.
 
Flavio Gazzaneo em 09/04/2013 03:43:31
Muito bom futuro Governador!
 
Valter Oliveira em 08/04/2013 21:16:16
Aproveite para o retorno o mais rapido possivel do trem de passageiro para cidade de Corumbá,capital do Pantanal,poderemos preservar a natureza com menos carros nas rodovias,o trem é bom demais
 
luiz carlos santos messias em 08/04/2013 19:56:39
Me engana que eu gosto. Isto jamais vai acontecer. A velha Noroeste já morreu e não vão faze-la renascer. Lá vai dinhero pros políticos sem resultados para a nação.
 
lineu machado silva em 08/04/2013 19:33:47
É isto ai DELCIDIO DO AMARAL, futuro governador de MS, que com certeza tera 75% dos votos de Mato Grosso do Sul. em 2014.
 
Lenine Ferreira em 08/04/2013 18:34:26
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions