ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MARÇO, SEGUNDA  04    CAMPO GRANDE 26º

Economia

Ministério confirma presença de nova praga da soja em dois municípios

Helton Verão | 04/12/2013 17:17
Soja é a principal commodity de MS (foto: arquivo)
Soja é a principal commodity de MS (foto: arquivo)

O Ministério de Agricultura, Pecuária e Abastecimento confirmou a presença da lagarta Helicoverpa Armigera, em Mato Grosso do Sul. São Gabriel do Oeste e Naviraí tiveram os focos confirmados após envio de amostras da praga. Elas foram coletadas pela Fundação MS e enviadas pela Agência Estadual de Defesa Sanitária e Animal a um laboratório de Porto Alegre. O município de Chapadão do Sul também tem suspeita da proliferação da lagarta.

Ainda considerada nova no cenário brasileiro, a Helicoverpa possui grande potencial de dano e alta capacidade reprodutiva. Ela se alimenta de diversas culturas, como soja, milho, algodão, entre outras. Para que o controle da praga seja eficiente, é primordial saber diferenciar as espécies. A lagarta da espiga do milho (Helicoverpa zea), a lagarta da maçã (Heliothis virescens) e a Helicoverpa Armigera são bastante parecidas, mas são espécies diferentes. Outras amostras ainda estão em análise e os resultados devem sair dentro de 15 dias.

Segundo o pesquisador de fitossanidade da Fundação MS, José Fernando Jurca Grigolli, apesar de os estudos apontarem três municípios, a expectativa é de que a praga esteja em todo o Estado, distribuída em diversos cultivos. “A situação é preocupante pela alta capacidade da praga causar danos econômicos em várias culturas. Entretanto, os produtores estão monitorando adequadamente suas lavouras e entrando com as estratégias quando as lagartas estão pequenas, o que facilita o controle da praga”, explica o pesquisador.

Porém, Grigolli informa que não há motivo para pânico por parte dos agricultores. “A situação está sob controle e os produtores devem manter as ações que vêm sendo realizadas, como o monitoramento constante da lavoura”, enfatiza.

O pesquisador ressalta também que os produtores devem evitar as aplicações em calendário, pois isso pode gerar uma série de impactos negativos no plantio, além do custo com inseticidas.

A Seprotur (Secretaria do Desenvolvimento Agrário, Produção, Indústria, Comércio e Turismo) aguarda para amanhã (5) a publicação do decreto de emergência fitossanitária em Mato Grosso do Sul. O pedido ao Ministério da Agricultura foi feito na última sexta-feira, após a confirmação da lagarta Helicoverpa Armigera em três municípios: Naviraí, São Gabriel do Oeste e Chapadão do Sul.

Para o presidente da Famasul (Federação da Agricultura e Pecuária), Eduardo Riedel, ainda é cedo para mensurar o impacto da nova praga. “Temos que observar a evolução”.

Por meio da assessoria de imprensa, o ministério informou que o pedido de emergência foi feito apenas por email, mas precisava ser protocolado. O documento passa pela análise da área jurídica antes do órgão ministerial decretar emergência.

O Mapa já decretou emergência fitossanitária na Bahia, Mato Grosso, Goiás e parte de Minas Gerais. Dentre as medidas de combate, estão o vazio sanitário, adoção de áreas de refúgio e a destruição de restos da cultura.

A importação de produtos agrotóxicos, que tenham como ingrediente ativo a substância Benzoato de Emamectina, também está autorizada. As propriedades que utilizarem a substância serão acompanhadas por fiscalização.

Nos siga no Google Notícias