A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017

17/09/2013 08:17

MS perde investimentos de R$ 14 bilhões com restrição a estrangeiros

Edivaldo Bitencourt e Leonardo Rocha
Governador vem lutando desde 2010 para mudar interpretação da AGU (Foto: Cleber Gellio)Governador vem lutando desde 2010 para mudar interpretação da AGU (Foto: Cleber Gellio)

Mato Grosso do Sul já perdeu investimentos de R$ 14 bilhões com a limitação na aquisição de terras por empresas estrangeiras. A restrição ocorreu em 2010, quando a AGU (Advocacia Geral da União) mudou a interpretação da lei de 1971 em nome da soberania nacional.

Na esperança de garantir outros R$ 15 bilhões, que estão engatilhados nas áreas de celulose, floresta e cana-de-açúcar, o governador André Puccinelli (PMDB) encaminhou nova proposta para a presidente da República, Dilma Rousseff (PT). Ele pede a liberação dos investimentos para empresas que gerem mais de 2 mil empregos e incrementem o desenvolvimento industrial de uma região.

Por meio da assessoria de imprensa, a secretária estadual de Produção, Tereza Cristina Corrêa da Costa Dias, desde a restrição imposta pela interpretação do advogado geral da União, Luís Inácio Adams, o Estado já perdeu R$ 14 bilhões em investimentos. No entanto, ela apenas destacou que foram projetos nas áreas de florestal, celulose e etanol.

Em 2011, a Portucel, multinacional portuguesa de celulose, desistiu de investir US$ 4 bilhões na implantação de uma fábrica entre Bataguassu e Santa Rita do Pardo. O grupo desistiu porque não podia comprar 130 mil hectares de terra para o plantio de eucalipto. O máximo permitido pela lei é de 5 mil hectares. A Portucel ganhou incentivos e terra para se instalar em Moçambique.

Outra empresa que pode abandonar o Estado é a empresa chilena Arauco Celulose, que estuda investir R$ 4 bilhões na instalação de uma nova fábrica de celulose em Três Lagoas. A cidade já é conhecida como “capital da celulose” por causa dos investimentos feitos pela Eldorado e Fibria.

Esperanças – Há três anos, o governador luta para mudar a interpretação da Lei 5.709/1971, que restringiu a compra de terras por empresas estrangeiras. “Os Estados perdem muitos recursos com esta proibição, tínhamos feito uma levantamento antigo que previa perdas de até R$ 15 bilhões, no entanto podemos mudar esta situação pedindo que haja esta revisão e sejam cobrados estes critérios”, destacou André.

De acordo com o governador, estas empresas funcionariam como “barriga de aluguel”, pois só teriam o direito de ter seu registro em cartório com investimento no setor industrial e gerando dois a três mil empregos. “Seria o atestado de boa índole, poderíamos trazer novos investimentos para o Estado”.

André lembrou que uma empresa chilena estava interessada em adquirir terra no Estado, mas não pode por causa desta restrição. “Caso a União reverta esta questão, estas empresas estrangeiras teriam que se adequar as regras e exigências da legislação brasileira, acredito que com esta fiscalização não haveria problema”, afirmou ele.

Puccinelli vai a Brasília tratar de pré-sal, terras para estrangeiros e ponte
O governador André Puccinelli (PMDB) se reúne nesta quarta-feira (11) em Brasília com as ministras Miriam Belchior, do Planejamento, e Gleise Hoffma...
Estrangeiros investem R$ 35 mi comprando fazendas em MS
O escritório da Sotheby's International Realty, em Campo Grande, conseguiu captar com investidores americanos e canadenses R$ 35 milhões para compras...


Não se iludam, se essas empresas quisessem de fato se intalar por aqui, poderiam plantar esses eucaliptos através de arrendamento, se não vieram é porque algum "acordo" não pôde ser feito.
 
Mathias Hanns em 17/09/2013 14:12:50
Acho ótimo restringir a compra de terras para estrangeiros. Se você acha isso um absurdo, vá tentar tirar um visto no consulado americano........
 
Paulo Bonsini em 17/09/2013 14:02:37
"Negócio bom assim ninguém nunca viu, a solução é alugar o Brasil!" 4 Bilhões! Vamos "dar lugar pros gringo entrar"! É isso mesmo, grande humanista governador do Estado!
 
Aldes José Arruda da Silva em 17/09/2013 13:26:20
O que me preocupa não é a questão econômica e sim a questão ambiental, lotar o nosso estado de Eucalipto é "fácil", quero ver o desastre daqui um tempo!
 
Johnny Chan em 17/09/2013 10:28:56
As pessoas estão sempre monosprezando a inteligencia dos outros. Você só perde algo que tem. Se era para investir, MS ainda não tinha, portanto, não perdeu nada.
 
luis alves em 17/09/2013 10:28:07
Essa interpretação consegue somente atrasar nosso estado. Investir 4 Bi não é e nunca será capital especulativo.
 
Carlos Magno em 17/09/2013 09:10:30
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions