A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2017

18/03/2010 08:30

MSGás dá desconto e parcela conta para viabilizar gás

Redação

Para viabilizar um anseio antigo, que é de implantar o GNC (Gás Natural Comprimido), a MSGÁS (Companhia de Gás de Mato Grosso do Sul) está criando uma classe especial, para grandes usuários, com condições diferenciadas para fornecimento do combustível, pagamento e inclusive de preço para empresas que consumirem o produto.

A portaria da Agepan (Agência Estadual de Regulação de Serviços Públicos), que estabelece a nova categoria, foi publicada no Diário Oficial do Estado desta quinta-feira. Uma condição básica para se enquadrar na nova modalidade de cliente é contratar pelo menos 5 mil m³ ao dia.

O diretor-presidente da Agepan, Sérgio Yonamine, afirma que a negociação com os clientes será caso a caso e as condições diferenciadas permitem, inclusive, parcelamento.

A intenção é viabilizar expansão, através do GNC, levando o combustível para pólos como Dourados, Coxim e Rio Verde. A portaria da Agepan veda que as condições especiais possam servir de argumento para que a estatal peça reajuste por desequilíbrio econômico-financeiro, ou seja, o desconto que será dado aos grandes consumidores não pode encarecer o preço do gás para os demais.

Em 2008 a MSGÁS anunciou parceria com a NEOGás, com construção de uma base de compressão em Campo Grande, com capacidade inicial para comprimir 500 mil m³ de gás natural por mês. Porém, o projeto estacionou e agora está sendo retomado.

Os equipamentos da NEOGás foram comprada pela empresa GNV MT e ainda neste mês a previsão é fechar contrato com a Fornari para a partir de abril começar a fornecer 8 mil m³ diários à indústria de cerâmica de Rio Verde, diz o presidente da MSGÁS, Matias Gonsales.

O objetivo é levar o GNC a cidades com até 200 quilômetros de distância dos ramais e o potencial a médio prazo é de fornecer 30 mil m³ ao dia. Para aumentar a possibilidade de entrega, diz Gonsales, uma possibilidade é comprar o combustível nos leilões da Petrobras.

Segundo ele, hoje muitas empresas usam óleo diesel e carvão vegetal e a análise de viabilidade para substituição pelo gás acabava emperrando no preço. Com as vantagens oferecidas a partir da criação da nova categoria a perspectiva é que a competitividade do combustível aumente, somando a isso o apelo ambiental.

Matias afirma que o ano de 2009 foi bastante positivo em relação ao consumo de gás e as perspectivas são animadoras. De acordo com ele, o relatório do exercício passado, que será publicado em abril, vai mostrar que a média diária de consumo saltou de 45 mil m³ a 170 mil m³.

As expectativas agora são quanto à implantação de novas empresas de celulose na região do Bolsão e a vinda da fábrica de fertilizantes ainda não confirmada pela Petrobrás.

Empresas têm até 20 de dezembro para optar pela antecipação do eSocial
Empresas podem optar pela antecipação da implantação do Sistema de Escrituração Digital das Obrigações Fiscais, Previdenciárias e Trabalhistas (eSoci...
Prazo para regularizar débitos com fisco estadual vence na sexta-feira
Contribuintes que possuem débitos com o fisco estadual têm até sexta-feira (15) para aderirem ao Refis (Programa de Recuperação Fiscal) de Mato Gross...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions