ACOMPANHE-NOS    
DEZEMBRO, SEXTA  03    CAMPO GRANDE 28º

Economia

Porto Murtinho caminha para se tornar o centro logístico da América do Sul

Rota Bioceânica faz produtores abandonarem boi e investirem na soja

Por Gabriela Couto | 15/02/2021 09:56
Porto Murtinho voltou a movimentar cargas para a Argentina nesta segunda-feira (15) - (Foto: Chico Ribeiro/Portal MS)
Porto Murtinho voltou a movimentar cargas para a Argentina nesta segunda-feira (15) - (Foto: Chico Ribeiro/Portal MS)

Porto Murtinho, município localizado a 443 quilômetro de Campo Grande, já é considerada a Nova Paranaguá com a projeção de três novos terminais portuários em processo de licenciamento. Grupos empresariais de exportação já olham a cidade como novo centro operacional da futura Rota Bioceânica.

“O Brasil e o mundo olham Murtinho como a melhor alternativa logística, a região deixou de ser o fim ou o começo de linha para ser estratégica no escoamento de nossas riquezas”, afirmou o governador Reinaldo Azambuja (PSDB). Na semana passada começaram as tratativas com o grupo PTP, do Paraguai, que opera sete terminais na Argentina e que agora adquiriu área ao lado da FV Cereais, um dos maiores exportadores de comodities do Estado.

De acordo com o secretário da Segov (Secretaria de Governo e Gestão Estratégia), Eduardo Riedel, os investimentos de R$ 25 milhões do Estado na região serão fundamentais para o desenvolvimento de Mato Grosso do Sul. “A implantação do acesso pavimentado aos portos abre uma janela para concretizar o sonho lá atrás de integrar o continente.”

Boi x soja

Nas terras onde antes se investia na pecuária, hoje os produtores rurais estão migrando para a agricultura. Áreas improdutivas e de pastagem estão sendo ocupadas pela soja e milho na região Sudoeste de Mato Grosso do Sul, avançando nas margens da rodovia BR-267 em direção a Porto Murtinho.

Antes isolado na fronteira com o Paraguai, o município passou a contar com infraestrutura portuária que barateia os custos de logística, encurta distâncias e agrega valor aos produtos exportados para o mercado internacional pela Hidrovia do Paraguai.

Segundo dados da Semagro (secretaria estadual de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar), em um ano 250 mil hectares na região foram incorporados a agricultura. As lavouras de soja se estendem de Jardim a 120 quilômetros de Porto Murtinho, chegando à região serrana. Armazéns graneleiros foram instalados na beira da BR-267, a rodovia da Rota Bioceânica.

Rio Paraguai

“Nas últimas décadas o Brasil virou as costas para o Rio Paraguai, que concentrou no início do século passado um grande movimento comercial com os países vizinhos e com a Europa”, disse o governador Reinaldo Azambuja. “Hoje estamos vivenciando um novo desenvolvimento hidroviário na região, garantindo competividade ao Estado e um ganho extraordinário aos nossos produtores, com redução de até 40% no custo do frete.”

Prova disso é a retomada da operação do terminal FV Cereais nesta segunda-feira (15). O primeiro carregamento de 20 mil toneladas de grãos dos 400 mil que serão enviados aos portos argentinos já está sendo feito.

O volume das exportações pela zona portuária de Porto Murtinho cresceu 57,83% no acumulado de janeiro a dezembro de 2020 em relação ao mesmo período de 2019, em função da entrada em atividade do terminal FV Cereais e do incremento nas estruturas da APPM (Agência Portuária de Porto Murtinho), primeiro porto alfandegado. Foram escoadas 384 mil toneladas, sendo 250 mil pela FV Cereais. Em 2019, foram 233 mil toneladas.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário