A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 21 de Maio de 2018

30/03/2013 06:28

Preço do litro de leite acumula já alta de 12,34% e deve continuar subindo

Nícholas Vasconcelos e Viviane Oliveira
Consumidor sente o peso do aumento no bolso (Pedro Peralta)Consumidor sente o peso do aumento no bolso (Pedro Peralta)

A alta de até 12,34% no preço do leite tem incomodado o consumidor de Campo Grande, que já percebe que o alimento passou a pesar mais nas compras do mês. E o campo-grandense deve se preparar o bolso, apesar da alta ter sido o dobro da inflação registrada na Capital nos últimos 12 meses (6,15%), porque o produto deve ficar mais "azedo", já que houve majoração de 9,7% para o produtor neste mês. 

De acordo com levantamento do Nepes (Núcleo de Pesquisas Econômicas) da Universidade Anhanguera Uniderp, nos últimos 12 meses o litro do leite Longa Vida chegou a custar até R$ 2,77 na Capital.

O porteiro João Pascoal da Silva, 46 anos, compra 24 litros de leite por mês e diz que desde o mês de janeiro o leite tem subido mais. “Antes pagava R$ 1,79 por cada litro e hoje sai por R$ 2,39.”, comenta.

A diferença de R$ 0,60 centavos por litro representa R$ 14,40 a mais para levar as duas caixas, valor suficiente para comprar 8 litros pelo valor antigo.

O leite também vai pesar no orçamento de Marileide Gomes, 53 anos, que trabalha como zeladora. Ela reclamou, mas não deve deixar comprar a bebida. “Não tem como deixar de comprar”, desabafou.

Para o professor Celso Corrêa, coordenador do Nepes, a explicação para aumento passa pela baixa remuneração baixa paga o produtor rural. “Nos dois últimos anos o produtor foi muito mal remunerado e a produção de modo geral”, disse.

Pagar mais caro pelo leite não é exclusividade do consumidor sul-mato-grossense. Celso explica que nos Estados Unidos o leite em pó subiu 39% recentemente. “O preço do leite está subindo em todo mundo”, explicou.

No caso do  Brasil, o aumento do consumo provocado pela estabilidade da economia não foi acompanhado em retorno para o produtor rural.

A expectativa é de que o leite suba ainda mais, já que levantamento do Conseleite (Conselho Paritário de Produtores e Indústrias de Leite de Mato Grosso do Sul) mostra que em fevereiro o preço pago ao produtor subiu 9,7%.

De acordo com a Famasul (Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso do Sul), o preço mais alto é reflexo da queda na produção no mês de janeiro. Na opinião da assessora técnica da Federação, Adriana Mascarenhas, a falta de dinheiro do produtor é uma das causas dessa situação.

“O criador local não conseguiu realizar investimentos no setor após o reajuste do salário mínimo, que impactou diretamente nas despesas com mão-de-obra”, comentou Adriana.

Já a dona de casa Maria Consolação Fernandes, 56 anos, tem uma saída para escapar do reajuste. “Toda vez que tem uma promoção do leite eu aproveito pra comprar”, revelou.



O pior de tudo, é que quando a situação regulariza eles não reduzem o preço, e aí é a gente que sempre paga mais caro, aqui no Brasil tem uma doença desses comerciantes e governo, um comendo o outro, em quem paga é o povo, infelizmente nossos representantes maiores (deputados e senadores) estão de olho somente no próprio umbigo, e ninguém elabora um projeto para fiscalizar essas altas de preços para que se tenha uma justificativa real e posteriormente uma redução. Acho que nós assalariados que contamos com nossa unica forma de renda honesta estamos fritos.
 
André Lima em 30/03/2013 11:42:44
como no brasil,tem explicação e justificativa quando é alta dos preços...
quando é para o governo dar o reajuste do salário minimo,que realmente esta no minimo
não acompanha a esta alta.
a justificativa do leite em pó ter alta nos estado unidos...la a economia e outra realidade,bem mas muito diferente da nossa....é que as benificiadora estão nas mãos das multinacionais.e infelizmente o governo,não faz e nunca fez,nada quando algum incentivo é somente para os latifundiario,e não para todos os produtores principalmente os pequenos ...e gastando dinheiros que poderiam se bénéfico na saude,seguranças e educação,foram fazer estadios de futebol se os pobres não tem condições,de pagar pelos ingreços.
 
luiz antonio viégas em 30/03/2013 10:26:11
preço alto somente pro consumidor, por que para o produtor !!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
 
Ado Filho em 30/03/2013 09:33:41
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions