ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
ABRIL, DOMINGO  21    CAMPO GRANDE 26º

Economia

Preço do litro de leite acumula já alta de 12,34% e deve continuar subindo

Nícholas Vasconcelos e Viviane Oliveira | 30/03/2013 06:28
Consumidor sente o peso do aumento no bolso (Pedro Peralta)
Consumidor sente o peso do aumento no bolso (Pedro Peralta)

A alta de até 12,34% no preço do leite tem incomodado o consumidor de Campo Grande, que já percebe que o alimento passou a pesar mais nas compras do mês. E o campo-grandense deve se preparar o bolso, apesar da alta ter sido o dobro da inflação registrada na Capital nos últimos 12 meses (6,15%), porque o produto deve ficar mais "azedo", já que houve majoração de 9,7% para o produtor neste mês. 

De acordo com levantamento do Nepes (Núcleo de Pesquisas Econômicas) da Universidade Anhanguera Uniderp, nos últimos 12 meses o litro do leite Longa Vida chegou a custar até R$ 2,77 na Capital.

O porteiro João Pascoal da Silva, 46 anos, compra 24 litros de leite por mês e diz que desde o mês de janeiro o leite tem subido mais. “Antes pagava R$ 1,79 por cada litro e hoje sai por R$ 2,39.”, comenta.

A diferença de R$ 0,60 centavos por litro representa R$ 14,40 a mais para levar as duas caixas, valor suficiente para comprar 8 litros pelo valor antigo.

O leite também vai pesar no orçamento de Marileide Gomes, 53 anos, que trabalha como zeladora. Ela reclamou, mas não deve deixar comprar a bebida. “Não tem como deixar de comprar”, desabafou.

Para o professor Celso Corrêa, coordenador do Nepes, a explicação para aumento passa pela baixa remuneração baixa paga o produtor rural. “Nos dois últimos anos o produtor foi muito mal remunerado e a produção de modo geral”, disse.

Pagar mais caro pelo leite não é exclusividade do consumidor sul-mato-grossense. Celso explica que nos Estados Unidos o leite em pó subiu 39% recentemente. “O preço do leite está subindo em todo mundo”, explicou.

No caso do  Brasil, o aumento do consumo provocado pela estabilidade da economia não foi acompanhado em retorno para o produtor rural.

A expectativa é de que o leite suba ainda mais, já que levantamento do Conseleite (Conselho Paritário de Produtores e Indústrias de Leite de Mato Grosso do Sul) mostra que em fevereiro o preço pago ao produtor subiu 9,7%.

De acordo com a Famasul (Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso do Sul), o preço mais alto é reflexo da queda na produção no mês de janeiro. Na opinião da assessora técnica da Federação, Adriana Mascarenhas, a falta de dinheiro do produtor é uma das causas dessa situação.

“O criador local não conseguiu realizar investimentos no setor após o reajuste do salário mínimo, que impactou diretamente nas despesas com mão-de-obra”, comentou Adriana.

Já a dona de casa Maria Consolação Fernandes, 56 anos, tem uma saída para escapar do reajuste. “Toda vez que tem uma promoção do leite eu aproveito pra comprar”, revelou.

Nos siga no Google Notícias