ACOMPANHE-NOS    
MAIO, QUARTA  27    CAMPO GRANDE 22º

Economia

Reabertura de lojas foi em ritmo de “feriado” na Capital, avaliam comerciantes

Vendedores consideraram que a movimentação foi fraca, mas ainda sim estavam otimistas

Por Gabriel Neris e Liniker Ribeiro | 06/04/2020 17:10


Consumidores observam prateleira de loja no Centro (Kísie Ainoã)
Consumidores observam prateleira de loja no Centro (Kísie Ainoã)

Os comerciantes comemoram a abertura das lojas na região de Campo Grande nesta segunda-feira (6), mas classificaram que o expediente foi em ritmo de feriado. Os estabelecimentos foram reabertos, mas com série de exigências feitas pela prefeitura diante da pandemia do novo coronavírus.

A gerente de lojas de roupas, Kelly Queiroz, de 38 anos, avaliou que a movimentação de pessoas no Centro foi grande, mas praticamente ninguém comprou. Questionada sobre como foram às vendas hoje, ela respondeu “não foi, né?”.

Também comentou que as lojas maiores não abriram as portas o que teria prejudicado a venda dos estabelecimentos menores. “Querendo ou não, são elas que movimentam a gente”, mas ressaltou que compensou abrir as portas.

“Tirou o estresse de ficar em casa preocupado, temos conta a pagar, então compensou, sim. Pensei que seria bem menos pelo grau da pandemia, e como as grandes lojas ficaram fechadas, foi com um feriado”.

Tatiana Amorim, de 42, trabalha em outra loja de roupas e disse que o movimento foi fraco. “Não temos do que reclamar, tivemos uns clientes abençoados. Foi bem pausado, veio um, levou uma peça, e assim por diante, não superou as expectativas, mas perto do que estava foi bom”, disse.

A vendedora acredita que a movimentação de clientes deve melhorar assim que o governo federal disponibilizar os R$ 600 de auxílio emergencial para trabalhadores autônomos.

Raquel Lancetti diz que movimento foi maior do que imaginava (Foto: Kísie Ainoã)
Raquel Lancetti diz que movimento foi maior do que imaginava (Foto: Kísie Ainoã)

Outra comerciante que se mostrou surpresa foi Raquel Lancetti, de 42 anos. Ela considerou que o movimento foi maior que imaginava. “As pessoas estavam um pouco cansadas de ficar em casa, a rua estava bem movimentada”. Mas no estabelecimento em que trabalha considerou que “os negócios ainda estão baixos, mas ainda assim foi bom, diante das circunstâncias”.

Margie Bernal, gerente de loja de utensílios, disse que o movimento de clientes foi normal, ou seja, compensou reabrir as portas nesta segunda-feira. “Foi como se estivesse aberto em horário normal, pensamos que o movimento ia baixar, mas não, rendeu”, disse, lembrando que o comércio está funcionando entre 9h e 16h30.