ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MAIO, DOMINGO  19    CAMPO GRANDE 17º

Economia

Relicitação de trecho da ferrovia que corta MS atrai interesse de 9 consórcios

Grupos foram considerados aptos para elaboração da consultoria técnica do projeto de revitalização

Silvia Frias | 05/05/2021 10:37
Relicitação da malha ferroviária faz parte do plano de revitalização do transporte (Foto/Divulgação)
Relicitação da malha ferroviária faz parte do plano de revitalização do transporte (Foto/Divulgação)

Nove consórcios estão aptos a participar do processo seletivo que vai selecionar consultorias para realizar estudos de viabilidade e apoio para a nova concessão da ferrovia Malha Oeste. A etapa faz parte do processo da relicitação da malha ferroviária que passa por Mato Grosso do Sul.

O aviso emitido pelo Ministério da Economia, de 23 de abril, foi divulgado nesta quarta-feira pelo governo estadual. Foram listados os consórcios Concremat-ALG-Queiroz Maluf-Banco Factor, Consultor Malha Oeste, Integração, Setec-AC&C, Future Oeste, LBR-Peyco, Nos Trilhos de Novo, Ineco-GPO-Manesco-JGP e MTBS-MR Tech.

A seleção das empresas que manifestaram interesse foi feita pelo CAF (Banco de Desenvolvimento da América Latina), responsável por custear a elaboração do projeto de relicitação avaliado em US$ 3 milhões. Em dezembro de 2020, o Conselho do PPI (Programa de Parceria de Investimentos) qualificou o projeto, o que representa importante conquista para o Estado.

A ferrovia Malha Oeste compreende o trecho de Mairinque (SP) até Corumbá (MS). Neste município, segundo dados da Semagro (Secretaria Estadual de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar), pelo trecho no Estado há fluxo de 300 caminhões de minério que vão diariamente de Corumbá rumo aos portos do Atlântico, transitando pela rodovia BR-262 que tem o traçado paralelo à ferrovia.

Projeto -  A relicitação da malha faz parte do projeto de investimentos no transporte em MS. Uma das mais adiantadas é da Malha Oeste, que teve sua qualificação recomendada pela PPI em dezembro de 2020.

A Malha Oeste é controlada pela Rumo, que também detém as concessões das Malhas Paulista, Norte, Central e Sul. Hoje, está depreciada, segundo informações do governo estadual. Os investimentos são insuficientes para operação adequada do serviço, acarretando perda da capacidade de transporte, velocidades abaixo de seu potencial e volume de carga transportado limitado.

Nos siga no Google Notícias