ACOMPANHE-NOS    
OUTUBRO, QUARTA  28    CAMPO GRANDE 20º

Economia

Trabalhador pode pedir liberação de FGTS por pandemia, mas nem todos conseguem

Legislação não especifica possibilidade literal, mas decisão favorável abriu precedente

Por Jones Mário | 09/06/2020 13:41
Justiça do Trabalho é caminho para tentar saque integral do FGTS por causa da pandemia (Foto: Divulgação)
Justiça do Trabalho é caminho para tentar saque integral do FGTS por causa da pandemia (Foto: Divulgação)

A pandemia de novo coronavírus e suas consequências financeiras à economia doméstica motiva onda de ações na Justiça Trabalhista pelo saque integral do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço). A concessão, porém, depende da interpretação do juiz, já que a legislação vigente não especifica literalmente a possibilidade.

Na semana passada, o Campo Grande News noticiou que diarista da Capital, de 56 anos, conseguiu autorização para sacar todo o saldo do FGTS, no valor de R$ 6.220,00, após ação na Justiça do Trabalho, na qual alegou dificuldades financeiras devido à pandemia.

A reportagem encontrou outros dois pedidos semelhantes, mas que foram negados por magistrados do TRT-MS (Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região).

Em uma delas, trabalhador pedia acesso aos R$ 77.525,02 no fundo, com base em artigo da lei do FGTS que autoriza movimentar a conta em caso de estado de calamidade pública. O juiz do Trabalho extinguiu o procedimento, sob a justificativa de que a MP (Medida Provisória) 946/2020 limitou o valor do saque do FGTS em função da pandemia - permitido até dezembro deste ano - em um salário mínimo, R$ 1.045,00.

Na outra, trabalhador alegou que foi demitido por justa causa e, desempregado, precisava dos R$ 40.793,64 depositados no fundo. O magistrado entendeu que a demanda não está diretamente ligada à relação de trabalho e também extinguiu a ação.

A advogada trabalhista Priscila Arraes Reino aponta que a Justiça Trabalhista é, sim, o caminho para apelar pelo saque integral do FGTS.

O FGTS tem legislação que prevê a possibilidade de saque integral em casos de incêndios, de tempestades, desastres naturais. A pandemia não estaria numa interpretação literal do texto, mas há possibilidade de estender essa liberação também para casos de pandemia, já que o valor tem por finalidade garantir a situação do trabalhador”, avalia.

Priscila defende “uma interpretação extensiva” da lei, combinada com o direito de igualdade e proteção do trabalhador. “Mas depende do pensamento do juiz, já que o texto expressamente não prevê essa possibilidade. No Direito, muitas coisas dependem da interpretação do magistrado”, completa.

A defensora cita ainda a flexibilização proposta pela MP 936/2020, que prevê redução de salário e jornada de trabalho sem a necessidade do aval sindical - ao contrário do que prega a Constituição. A medida foi proposta na esteira da pandemia de covid-19, a fim de salvar empregos.

“Na pandemia se estendeu a interpretação de vários direitos do trabalhador, para facilitar a situação do trabalhador, como a MP que prevê redução de salário e jornada, confirmada pelo STF [Superior Tribunal Federal]. A justificativa foi de que momentos de pandemia merecem práticas diferentes, abrir mão de certas formalidades”, advoga.

Alternativa - O que não cabe interpretação é o disposto na MP 946/2020. O texto libera saques de até R$ 1.045,00 do FGTS a partir de 15 de junho e até 31 de dezembro de 2020, como forma de socorrer trabalhadores com dificuldades financeiras em função da pandemia de novo coronavírus.

Quem não quer sacar o valor tem até o dia 30 de agosto para se manifestar, em procedimento que ainda será definido pela Caixa Econômica Federal.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário