ACOMPANHE-NOS    
JUNHO, TERÇA  28    CAMPO GRANDE 28º

Economia

União dá calote e deixa de repassar R$ 78 milhões ao governo do Estado

Por Priscilla Peres e Paula Maciulevicius | 07/07/2015 17:56
Governador falou sobre situação financeira do Estado hoje, em evento público. (Foto: Marcos Ermínio)
Governador falou sobre situação financeira do Estado hoje, em evento público. (Foto: Marcos Ermínio)

Há seis meses o governo do Estado não recebe repasses do Fundo de Exportação. A "dívida" da União com Mato Grosso do Sul já soma R$ 78 milhões, valor que tem feito falta tanto no cofre estadual quanto municipais, já que 25% desse montante é repassado às prefeituras.

O Fundo de Exportação ou SEX corresponde a 10% do total arrecadado pela União com IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados), e repassado aos estados proporcionalmente ao valor das exportações de industrializados. A falta desse montante, aliado a queda na arrecadação, aumento das despesas e queda em outros repasses federais, tem colocado o governo do Estado em dificuldades financeiras.

"Está muito difícil equilibrar as contas. Tivemos muitas despesas com pessoal. Estamos tentando a redução de custeio e buscando aumentar a renda", afirma o governador Reinaldo Azambuja (PSDB). Na prática, o governo quer economizar R$ 135 milhões até o fim do ano e intensificar a fiscalização na cobrança do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços).

A dificuldade financeira se intensificou este mês, quando o governo precisou deixar de quitar a dívida mensal com a União para garantir o pagamento da folha de funcionários. O repasse mensal ao governo Federal corresponde a 15% do valor da receita do Estado e equivale a aproximadamente, R$ 80 milhões.

O titular da Sefaz (Secretaria de Fazenda), Marcio Monteiro, explica que nos cinco primeiros meses do ano as despesas aumentaram quase 10%, em relação ao ano passado. Isso porque, segundo ele, foi necessário fazer estoques de produtos que faltavam desde o ano passado.

Exemplos que fizeram as despesas crescer são, aumentos salariais, reajuste previsto pela legislação e antecipações salariais que o governo passado concedeu e este ano, refletiu no governo. Acrescido a isso, existe o fato da projeção de receita não ter correspondido, por conta da crise nacional.

Para amenizar os impactos, o governador tem cobrado ações efetivas de seus secretários. No início do ano, fez eles assinarem o compromisso de atingir metas ao longo do mandato e apresentar números atualizados sobre as despesas e receitas de cada área. Para este mês, Reinaldo promete lançar um novo Portal da Transparência, onde qualquer cidadão poderá acessar dados sobre as finanças de todas as secretarias.

Nos siga no Google Notícias