ACOMPANHE-NOS    
JULHO, SEGUNDA  26    CAMPO GRANDE 31º

Enquetes

Comércio é responsável pela propagação do coronavírus? Participe

Setor virou alvo da briga entre municípios e Estado por causa das restrições na pandemia

Por Gabriel Neris | 20/06/2021 09:49
Mulheres observam vitrine de loja com meia porta aberta no Centro da Capital (Foto: Arquivo)
Mulheres observam vitrine de loja com meia porta aberta no Centro da Capital (Foto: Arquivo)

O comércio se tornou ponto central da briga entre municípios e governo do Estado sobre os decretos com restrições para tentar frear o avanço da covid-19.

Por isso, o Campo Grande News quer saber a sua opinião. Os estabelecimentos comerciais são responsáveis pela propagação do novo coronavírus? Sim ou não?

A briga teve início há dez dias com novo mapeamento do Prosseguir (Programa de Segurança e Saúde na Economia) que apontava Campo Grande e mais 42 municípios em bandeira cinza, maior risco para contaminação da covid-19.

Além do mapa, o governo do Estado baixou decreto obrigando municípios a impor mais restrições, como toque de recolher a partir das 20h e funcionamento somente de atividades consideradas essenciais. Bares, restaurantes e similares não foram incluídas e a venda de bebida alcoólica proibida, exceto para entrega. Posteriormente, houve brecha para venda de bebidas.

O prefeito de Campo Grande, Marquinhos Trad (PSD), peitou a decisão do Estado e defendeu que o comércio não era foco de contaminação. “Não é o comércio. É, por exemplo, a falta de ônibus em número suficiente. Se não é o responsável, porque só o comércio é penalizado”, questiona.

Outros municípios seguiram o mesmo caminho e seguiram decretos locais em relação as restrições. Para terminar a confusão, a Justiça Estadual deu liminar garantindo reunião de conciliação entre municípios e estado depois que o Ministério Público ingressou com ADIs (Ações Diretas de Inconstitucionalidade).

O encontro estava marcado para a próxima terça-feira, mas o desembargador Sérgio Fernandes Martins derrubou a liminar justificando que um novo encontro surtiria pouco efeito, já que o decreto estadual está previsto para terminar no dia 24 de junho.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário