ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, DOMINGO  25    CAMPO GRANDE 31º

Esportes

Francisco Cezário admite deixar Federação de Futebol, mas só em 2015

Paulo Fernandes e Fabiano Arruda | 21/12/2011 22:07
Francisco Cezário permanece na presidência da Federação de Futebol até 2015 e poderá concorrer a mais uma reeleição (Foto: João Garrigó)
Francisco Cezário permanece na presidência da Federação de Futebol até 2015 e poderá concorrer a mais uma reeleição (Foto: João Garrigó)

Presidente da FFMS (Federação de Futebol de Mato Grosso do Sul) desde a década de 80, Francisco Cezário admitiu nesta quarta-feira a possibilidade de deixar o comando da entidade, mas só a partir de 2015. Ele participa da festa de lançamento do Campeonato Estadual, no Grand Park Hotel, em Campo Grande.

Cezário afirmou que poderá colocar o mandato à disposição, mas só “se alguém tiver um projeto superior”. “Nos últimos 16 anos tenho feito o que é melhor para o futebol”, afirmou.

O presidente disse que tem se perpetuado no comando da federação “de forma democrática”, escolhido pelos clubes. O mandato atual dele vai até janeiro de 2015.

Ele disse ainda estar disposto a conversar com o senador Delcídio do Amaral (PT) para ouvir as propostas do parlamentar para o futebol. No mês passado, o congressista revelou que articulava, em conjunto com o presidente da CBF (Confederação Brasileira de Futebol), Ricardo Teixeira, a troca de comando da FFMS.

Na ocasião, Delcídio disse que empresários estavam dispostos a investir no futebol sul-mato-grossense, mas exigiam mudanças no comando da entidade.

Na TV – Sobre a transmissão do Campeonato Sul-Mato-Grossense na TV Morena (afiliada da Globo) a partir de 2012, Francisco Cezário afirmou que é um momento histórico do futebol.

“Agora vai ser possível transformar e fazer o esporte de Mato Grosso do Sul começar a ter condições parecidas dos outros”, afirmou. Com a transmissão, os clubes esperam atrair patrocínios melhores e poder investir em infraestrutura e contratações.

Nos siga no Google Notícias