A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2017


  • Jogo Aberto
  • Jogo Aberto

    jogoaberto@campograndenews.com.br


01/09/2014 06:00

Após fracasso na renegociação de imposto, Olarte quer ação publicitária

Marta Ferreira

Tem que divulgar - Faltou publicidade e por isso os objetivos de arrecadação não foram alcançados. A avaliação é do prefeito de Campo Grande, Gilmar Olarte, sobre o PPI (Plano de Pagametno Incentivado), que ofereceu benefícios para devedores de ISSQN (Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza) renegociarem os valores.

Receita baixa – O PPI Econômico, como foi chamada a iniciativa para os empresários, recolheu menos que os R$ 20 milhões esperados pela administração municipal, disse o prefeito. O valor fica menor ainda se comparado à dívida total com o ISSQN, que passa de R$ 690 milhões.

Campanha- Hoje, a prefeitura dá a largada para outra renegociação, agora voltada aos devedores de IPTU (Imposto Predial e Territorial Urbano), cuja dívida soma R$ 400 milhões. Agora, a intenção é fazer uma campanha publicitária. De acordo com o prefeito, o setor de licitações foi acionado para decidir qual o melhor instrumento para fazer a contratação da empresa responsável pela ação publicitária.

Otimismo- Olarde disse confiar que, com um chamamento, a população vai participar e renegociar as dívidas do tributo. Para ele, quem está em débito é por um motivo forte, "por dificuldades financeiras, problemas de acidente de percurso na família, de saúde, que se viram apertados financeiramente".

Solidariedade cultural – A primeira-dama de Campo Grande e presidente do FAC (Fundo de Apoio à Comunidade), Andreia Olarte, informou ontem que, a partir de agora, todo evento da Fundac (Fundação Municipal de Cultura) terá espaço reservado para receber a doação de alimentos não-perecíveis.

Explicação – Ao explicar a iniciativa, a primeira-dama disse que é preciso expandir a rede de assistência a quem mais precisa em Campo Grande. A doação vai ser voluntária e não servirá de ingresso para participar dos eventos.

Fogo amigo virtual – Em campanha política, um dos piores problemas para uma equipe é quando há discórdia interna. Pois as redes sociais estão sendo motivo para isso em equipes responsáveis pela divulgação das ações de candidatos e a interação com eleitores em Mato Grosso do Sul.

À espera – Protocoladas no dia 28 de agosto pelo Governo de São Paulo, as duas novas ações que questionam leis de incentivo fiscal em Mato Grosso do Sul seguem paradas, sem apreciação. O governo paulista pediu que fosse concedida liminar, uma decisão provisória, para derrubar a principal lei de incentivo fiscal do Estado, um decreto que prorroga benefícios fiscais e um outra que atende o setor de produção de cerâmica. A administração estadual ainda não recebeu notificação

Efeito diferente – Ocorre que as campanhas tem equipes responsáveis por perfis oficiais, com profissionais remunerados, muitos de fora do estado, a peso de ouro, e ainda perfis paralelos, normalmente alimentados por voluntários. E os não-oficiais, em alguns casos, atraem mais atenção do que os feitos por profissionais. Bastou para o ciúmes se instalar.

Reação – Para piorar o quadro, a coluna recebeu a informação de que há coordenações de campanha em que, em vez de unir forças para aproveitar os resultados dos perfis voluntários, existe, ao contrário, marqueteiro pedindo a desativação dessas páginas.

(Colaborou Kleber Clajus)

2018 será ano mais curto para o Legislativo
Três meses – Carnaval, Semana Santa, campanhas eleitorais, Copa... Tudo isso encurta 2018 para os trabalhos legislativos. A observação é de Fábio Tra...
Máfia do Cigarro passa quase livre nas estradas
Esquema antigo - A atuação da Máfia do Cigarro em Mato Grosso do Sul vem de décadas e, de tempos em tempos, surge uma nova denúncia envolvendo polici...
MS também tem "bunker" cheio de dinheiro
Versão tupiniquim - O “bunker”de Geddel Vieira, que escondeu R$ 51 milhões de propina, tem versão pantaneira. Paredes de apartamento de um político e...
Secretário torce e comemora venda da folha
Torcida - Parecia um jogo valendo título a forma como o secretário de Finanças e Planejamento de Campo Grande, Pedro Pedrossian Neto, acompanhava a a...


O que falta é facilidade e melhor atendimento, ninguém merece ficar a tarde toda naquela Central de Atendimento e ainda ser mal atendido, aqueles funcionários parecem que estão nos fazendo um favor, meus pais por exemplo, são idosos e esquecerem de levar um comprovante em que constasse a inscrição do imóvel, tiveram que voltar para casa pois a prefeitura simplesmente não consegue localizar um imóvel pelo nome do proprietário ou endereço. Porque não ter um site onde pudêssemos efetuar o parcelamento diretamente sem papelório e perda de tempo.?
 
Marco Aurélio Alves Queiróz em 01/09/2014 07:48:58
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions