A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 23 de Outubro de 2017


  • Jogo Aberto
  • Jogo Aberto

    jogoaberto@campograndenews.com.br


01/09/2014 06:00

Após fracasso na renegociação de imposto, Olarte quer ação publicitária

Marta Ferreira

Tem que divulgar - Faltou publicidade e por isso os objetivos de arrecadação não foram alcançados. A avaliação é do prefeito de Campo Grande, Gilmar Olarte, sobre o PPI (Plano de Pagametno Incentivado), que ofereceu benefícios para devedores de ISSQN (Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza) renegociarem os valores.

Receita baixa – O PPI Econômico, como foi chamada a iniciativa para os empresários, recolheu menos que os R$ 20 milhões esperados pela administração municipal, disse o prefeito. O valor fica menor ainda se comparado à dívida total com o ISSQN, que passa de R$ 690 milhões.

Campanha- Hoje, a prefeitura dá a largada para outra renegociação, agora voltada aos devedores de IPTU (Imposto Predial e Territorial Urbano), cuja dívida soma R$ 400 milhões. Agora, a intenção é fazer uma campanha publicitária. De acordo com o prefeito, o setor de licitações foi acionado para decidir qual o melhor instrumento para fazer a contratação da empresa responsável pela ação publicitária.

Otimismo- Olarde disse confiar que, com um chamamento, a população vai participar e renegociar as dívidas do tributo. Para ele, quem está em débito é por um motivo forte, "por dificuldades financeiras, problemas de acidente de percurso na família, de saúde, que se viram apertados financeiramente".

Solidariedade cultural – A primeira-dama de Campo Grande e presidente do FAC (Fundo de Apoio à Comunidade), Andreia Olarte, informou ontem que, a partir de agora, todo evento da Fundac (Fundação Municipal de Cultura) terá espaço reservado para receber a doação de alimentos não-perecíveis.

Explicação – Ao explicar a iniciativa, a primeira-dama disse que é preciso expandir a rede de assistência a quem mais precisa em Campo Grande. A doação vai ser voluntária e não servirá de ingresso para participar dos eventos.

Fogo amigo virtual – Em campanha política, um dos piores problemas para uma equipe é quando há discórdia interna. Pois as redes sociais estão sendo motivo para isso em equipes responsáveis pela divulgação das ações de candidatos e a interação com eleitores em Mato Grosso do Sul.

À espera – Protocoladas no dia 28 de agosto pelo Governo de São Paulo, as duas novas ações que questionam leis de incentivo fiscal em Mato Grosso do Sul seguem paradas, sem apreciação. O governo paulista pediu que fosse concedida liminar, uma decisão provisória, para derrubar a principal lei de incentivo fiscal do Estado, um decreto que prorroga benefícios fiscais e um outra que atende o setor de produção de cerâmica. A administração estadual ainda não recebeu notificação

Efeito diferente – Ocorre que as campanhas tem equipes responsáveis por perfis oficiais, com profissionais remunerados, muitos de fora do estado, a peso de ouro, e ainda perfis paralelos, normalmente alimentados por voluntários. E os não-oficiais, em alguns casos, atraem mais atenção do que os feitos por profissionais. Bastou para o ciúmes se instalar.

Reação – Para piorar o quadro, a coluna recebeu a informação de que há coordenações de campanha em que, em vez de unir forças para aproveitar os resultados dos perfis voluntários, existe, ao contrário, marqueteiro pedindo a desativação dessas páginas.

(Colaborou Kleber Clajus)

Vinda de Temer a MS atraiu poucos políticos
Recepção solitária – Programada em meio ao clima de tensão política sem fim em Brasília, a agenda do presidente Michel Temer em Mato Grosso do Sul no...
Crise da JBS rouba atenção de Temer
Foco na JBS - No Governo do Estado, a vinda do presidente Temer a Mato Grosso não teve a mobilização típica de visitas anteriores de presidentes. Na ...
Temer oscilou sobre decisão de vir para agenda em MS
Às pressas – A vinda do presidente Michel Temer para Mato Grosso do Sul neste sábado foi confirmada em cima da hora. A coluna apurou que tudo indicav...
Detran de MS avalia adesão a parcelar multa no cartão
Ainda não sabemos – O Detran de Mato Grosso do Sul avalia se vai fazer convênios que permitam parcelamento de multas no cartão de crédito. A autoriza...



O que falta é facilidade e melhor atendimento, ninguém merece ficar a tarde toda naquela Central de Atendimento e ainda ser mal atendido, aqueles funcionários parecem que estão nos fazendo um favor, meus pais por exemplo, são idosos e esquecerem de levar um comprovante em que constasse a inscrição do imóvel, tiveram que voltar para casa pois a prefeitura simplesmente não consegue localizar um imóvel pelo nome do proprietário ou endereço. Porque não ter um site onde pudêssemos efetuar o parcelamento diretamente sem papelório e perda de tempo.?
 
Marco Aurélio Alves Queiróz em 01/09/2014 07:48:58
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions